Mulher e arquiteta: as pedras em um caminho dominado pelos homens

Mulher e arquiteta: as pedras em um caminho dominado pelos homens

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em todo o mundo desde sua oficialização pela ONU na década de 70. Em linhas gerais, esta é uma data que simboliza a luta histórica de nós mulheres para termos nossas condições equiparadas as dos homens.

No embalo das comemorações deste dia, como mulher e arquiteta, decidi trazer aqui um panorama sobre trajeto profissional das mulheres na arquitetura – principalmente, no nosso país -, denunciando a discrepância que ainda existe no meio como forma de fortalecer a luta que o dia internacional da mulher simboliza. É um alerta, um desabafo e também um pedido de cooperação para que cada um reconheça o seu lugar e, sobretudo, reconheça o nosso lugar, como mulheres, na criação do cenário arquitetônico do nosso país.

Em 2019 o CAU/BR fez um levantamento completo sobre a presença da mulher na arquitetura e no urbanismo. De acordo com esses dados, dos profissionais ativos e registrados no conselho, 63,10% são mulheres. O mesmo ocorre dentro das universidades, com 67% das alunas sendo mulheres. Entretanto, quando se fala em produção arquitetônica, dentre os principais serviços prestados pelas mulheres e registrados na plataforma do CAU, 55,7% são enquadrados dentro de projeto enquanto apenas pequenas porcentagens – 7%, 2,3%, 1,3% – estão relacionadas a outros serviços como execução, engenharia de segurança do trabalho e planejamento territorial, respectivamente. Nos quesitos de premiação e representatividade, os números também se invertem, apenas 17% dos prêmios nacionais de projeto foram concedidos a equipes lideradas por mulheres assim como apenas 17% dos membros do conselho diretor federal são mulheres, 24% no conselho estadual, e por aí vai.

Arte CAU/BR
Arte CAU/BR

Nesses dois anos, é fato afirmar que algumas coisas mudaram, mas o cenário ainda precisa de muita atenção. Apesar das novas conquistas, antigas demandas insistem em persistir e as perguntas instigadas pelo levantamento do CAU/BR continuam em vigor: Como somos a maioria nas universidades e na profissão, mas a minoria em cargos de chefia e liderança? Que pedras são estas que encontramos no meio do caminho e que nos afastam de uma representatividade mais significativa?

Não é novidade que a nossa trajetória como mulheres dentro da arquitetura e do urbanismo, como na maioria das profissões, é marcada por uma série de dificuldades, e também por conquistas, claro, que vão desde a luta por espaços dentro das universidades ao reconhecimento no exercício da profissão. Contudo, para começar a compreender este percurso, é importante considerar uma situação historicamente alimentada que nos fez – e nos faz – brigar por nosso lugar nas lideranças, nas cidades e, consequentemente, na carreira da arquitetura e urbanismo. Há uma invisibilização histórica do papel da mulher já que ele esteve sempre atrelado a realização exclusiva das tarefas de cuidado e suporte do lar o que, por sua vez, nos negou cargos de maior hierarquia, assim como, nos negou a livre apropriação da rua e, por consequência, a participação no desenho e projeto da cidade.

Arte Arquitetas Invisíveis
Arte Arquitetas Invisíveis

Obra não é lugar para a mulher

A chamada divisão sexual do trabalho relegou às mulheres o espaço doméstico enquanto permitia aos homens exercer as mais diversas funções e profissões, inclusive, encarregando-os de projetar a imensa maioria dos espaços que hoje habitamos. Essa situação, apesar de colocada em xeque nos dias atuais, ainda reverbera nas escolhas profissionais dentro da própria arquitetura e talvez responda porque a maioria de nós, mulheres arquitetas, “optamos” por ocupar nichos como design de interiores, de mobiliário ou de produto em detrimento de grandes obras ou projetos. Os próprios números do CAU não deixam mentir, os canteiros ainda sofrem a ausência de mulheres, assim como os projetos maiores relacionados aos concursos nacionais, o que pode estar subconscientemente atrelado ao âmbito doméstico da participação da mulher na sociedade.

Infelizmente, episódios que enaltecem essa divisão sexista podem ser vistos até mesmo dentro das universidades, gerando um desestímulo já no primeiro contato real com a profissão. Relatos de inferiorização e machismo na academia têm sido cotidianamente denunciados com a articulação de inúmeros coletivos de estudantes de arquitetura, advindos de um corpo docente onde falta a representativamente das mulheres. Em meio a essa atmosfera, somos veladamente adestradas com pequenas imposições silenciosas, subentendidas nas rotinas de divisão de trabalhos que acabam, sem dúvida, interferindo nas escolhas profissionais futuras, como o “clássico” de que obra não é lugar para mulher.

É triste pensar que, o que até Lina Bo Bardi vivenciou quando seu professor Marcello Piacentini disse, depois de dar uma nota baixa, que era “melhor passar pois, uma bella ragazza vai casar, não vai exercer a arquitetura”, ainda possa ser visto quase um século depois. Quantas Linas  deixaram – ou deixarão – de existir por posturas assim?

Falando ainda sobre o período de formação profissional, vale destacar que também não somos acostumadas a lidar com referências mulheres dentro do campo arquitetônico, os mesmos e escassos nomes já perduram por gerações. Sobre isso, Ana Gabriela Lima, na sua tese “Revendo a História da Arquitetura: Uma Perspectiva feminista” (2004), afirma que há uma lacuna na historiografia oficial que contribui para a formação de uma imagem equivocada sobre a relevância do trabalho feminino no campo profissional o que, em alguma medida, acaba por contribuir para a perpetuação da disparidade entre homens e mulheres no que diz respeito ao reconhecimento do direito de exercer legitimamente e intensamente as atividades profissionais em seus diversos estágios e de gozar do devido reconhecimento.

Yvonne Farrell e Shelley McNamara. Cortesia de Grafton Architects
Yvonne Farrell e Shelley McNamara. Cortesia de Grafton Architects

Trajetórias ocultadas

A própria história recente também não é muito diferente. O reconhecimento internacional, medido por meio de premiações, tem fortalecido o ocultamento de trajetórias profissionais importantes no mundo das arquitetas. O prêmio Pritzker, por exemplo, demorou 26 anos para laurear uma mulher pela primeira vez, Zaha Hadid, em 2004.  Desde então, o prêmio foi conferido a apenas mais quatro mulheres: Kazuyo Sejima, em 2010, ao lado do parceiro de SANAA Ryue Nishizawa; Carme Pigem, em 2017, que venceu junto aos seus sócios Ramon Vilalta e Rafael Aranda, do escritório RCR e Yvonne Farrell e Shelley McNamara do Grafton Architects no ano passado. Nesse contexto, é importante destacar que em 2013 o júri do prêmio Pritzker foi fortemente contestado por organizações que exigiam a inclusão da arquiteta Denise Scott Brown na premiação de 1991, que premiou somente seu marido e sócio Robert Venturi. Entretanto, apesar da comoção internacional, a entidade decidiu por não alterar sua decisão.

Este sistema de reconhecimento vigente, que tem sua máxima expressão nos prêmios Pritzker, possui uma realidade intrínseca que dificulta o nosso êxito no contexto. Há quem diga que a questão está baseada em três afirmações: a fama, a necessidade de ter um grande escritório e a relação da arquitetura com a política. Ou seja, se reafirma o arquétipo do arquiteto como produtor cultural, gênio criador, realizador das construções icônicas do poder político e financeiro, articulador e diplomata. Adjetivos relacionados ao mundo dos negócios e atrelados a relações com clientes de grande poder aquisitivo em setores que dominam o campo de atuação das obras de grande porte e, consequentemente, grande reconhecimento. Um mundo onde a nossa presença ainda é custosa.

A própria Zaha Hadid já comentava sobre a dificuldade de inclusão no que ela chamou de “clube de rapazes”, listando as dificuldades em travar acordos ou criar parcerias, “[…] estou isolada desse mundo – eles vão pescar, jogar golfe, saem para tomar um drinque. E como mulher, você é excluída dessa formação de relacionamento. É uma grande diferença” (MCKENZIE, 2013)

No contexto brasileiro, as arquitetas Mila Strauss, do escritório MM18 e Carol Bueno, do Triptyque, que precocemente nos deixou no início deste ano, descreveram episódios parecidos em uma reportagem em 2019. Carol rememorou o início da sua carreira ao lado dos sócios afirmando que perdera a conta de quantas vezes se sentou em uma mesa com clientes e era totalmente ignorada, a conversa era travada apenas entre os homens. Mila narra a mesma história, apresentava todo o projeto ao cliente e, ao final, os ajustes e discussões eram feitos apenas entre o sócio e o cliente.

A fala dessas arquitetas reafirma a pesquisa feita pela Flávia Sá na sua dissertação “Profissão: Arquiteta – Formação profissional, mercado de trabalho e projeto arquitetônico na perspectiva das relações de gênero” (2010). Nela, a arquiteta nos apresenta um levantamento com base nas revistas AU e Projeto e Design, da quantidade de projetos de autoria feminina publicados. No estudo feito nas edições de 1991 a 2001, foram encontrados 405 projetos de edificações de autoria feminina, dentre eles, 20% foram elaborados somente por arquitetas, 7% por equipes constituídas unicamente por mulheres, 12% por equipes com membros de ambos os sexos e 61% por duplas, de homens e mulheres, ou seja, uma maioria absoluta que confirma os episódios acima descritos, e um padrão que se repete em outros lugares do mundo visto pelos próprios prêmios Pritzker: de alguma forma, ainda parece haver a necessidade de um arquiteto para validar e qualificar o trabalho das mulheres.

Como Pezzi, (2024) afirma, é importante considerar que os efeitos desta metodologia de reconhecimento e prestígio, além de irreal, não somente afeta e prejudica as mulheres, mas também a grande maioria social ao gerar discursos intencionados, incluindo aqui as mulheres negras, trans, entre outras, como condições que dificultam ainda mais a inserção e consolidação no mercado. São tendências internacionais da arquitetura alimentadas por um substrato ideológico sempre sob o interesse de uma minoria controladora, desde corporações, grandes encargos até os impactos midiáticos da pós-produção que se prolongam nos controles da carreira acadêmica.

Conselheiras mulheres são maioria no CAU

Não estou dizendo que todas as mulheres deveriam criar e chefiar grandes empresas, vencer concursos, projetar e gerenciar grandes obras, há uma beleza incrível em trabalhar nas pequenas escalas, assim como há um prazer imenso em cuidar da casa, dos filhos, da família, indubitavelmente, mas essa beleza e esse prazer só são devidamente deleitados quando as tarefas são escolhas e não imposições. Quando há oportunidades e reconhecimento iguais.

Cortesia da autora
Cortesia da autora

Contudo, apesar de todas as dificuldades que enfrentamos cotidianamente no exercício da nossa profissão, é importante citar que, graças ao trabalho de mulheres incríveis, podemos presenciar alguns avanços, principalmente no quesito de representatividade. Pela primeira vez na história, a maioria do corpo de conselheiros do CAU/SC, por exemplo, será formada por mulheres. Essa nova composição do plenário para a gestão 2021/2023 mostra um retrato mais fiel do ponto de vista da representatividade de gênero da história do conselho desde a primeira gestão, em 2012.

Não há dúvidas que ainda existe muito a ser feito, começando pelo empoderamento desde o início, nas universidades, inserindo referencias e encorajando as mulheres a assumirem o nicho que quiserem, da forma como quiserem, para que, quando duvidarem, desdenharem ou nos inferiorizarem, consigamos levantar as nossas cabeças e ocupar os espaços que são também nossos, para que essas maiorias na universidade e na profissão não se esvaiam nas dificuldades de ser uma mulher na arquitetura.

Artigo publicado originalmente em no portal ArqSC.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Camilla Ghisleni. "Mulher e arquiteta: as pedras em um caminho dominado pelos homens" 13 Mar 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/958337/mulher-e-arquiteta-as-pedras-em-um-caminho-dominado-pelos-homens> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.