Metodologia BIM e a criação de edifícios inteligentes

Metodologia BIM e a criação de edifícios inteligentes

Simplesmente colocar a palavra "inteligente" antes de qualquer tipo de termo arquitetônico ou tecnológico, ou qualquer termo nesse sentido, parece convertê-lo em algo novo e futurístico. Alguns exemplos, como cidade inteligente, indústria inteligente ou comércio inteligente nos mostram que o adjetivo já é mais comum do que pensamos e que não parece mais tão estranho. O edifício inteligente também é um conceito inovador usado no mundo arquitetônico de hoje. A dificuldade de discutir esse conceito, como todo termo inovador e ambíguo, é encontrar uma definição clara dele. Já há muito escrito sobre isso, e não encontraremos uma definição absolutamente clara, mas de forma geral, poderíamos definir um edifício inteligente como: "Uma construção que busca a plena eficiência energética em seu uso, atingindo este objetivo graças a integração e gestão e controle automatizados de todos os seus sistemas. "

Sabendo que os edifícios inteligentes são voltados para a eficiência energética, qual a melhor maneira de projetar essas construções do que usando a metodologia BIM? O surgimento deste novo método de trabalho, paralelo à exploração e evolução de edifícios inteligentes, permitiu grandes passos na implementação de construções eficientes e inteligentes. Quando falamos de metodologia BIM, como já vimos em artigos anteriores, falamos de diferentes fases essenciais: planejamento, projeto, construção, operação e manutenção. Em Edifícios Inteligentes, essas etapas são simplificadas para apenas duas: a fase virtual e a fase real.

Courtesy of GoPillar Academy
Courtesy of GoPillar Academy

Equacionando a primeira fase, a fase virtual, às etapas de um modelo BIM "tradicional", poderíamos compará-la às primeiras fases do projeto: planejamento e desenho. Os objetivos desta primeira fase de construção inteligente requerem uma análise exaustiva de como a construção responderá a determinados cenários ou condições. Basicamente, os arquitetos usarão esta parte do projeto para realizar todos os cálculos necessários exigidos no BEP (BIM Execution Plan - Plano de Execução BIM), que dará resultados numéricos descrevendo a eficiência do edifício. Esses dados permitirão que os arquitetos façam cálculos sobre iluminação, consumo de água, energia, eletricidade, fluxo de ar, etc. - em última análise, todos os tipos de cálculos que favoreçam a eficiência. Como resultado, nesta primeira fase "virtual", os arquitetos serão capazes de prevenir possíveis erros durante a construção, comparar diferentes elementos e / ou máquinas em diferentes sistemas, e ter uma análise muito mais precisa do uso de energia do edifício uma vez que está terminado.

Courtesy of GoPillar Academy
Courtesy of GoPillar Academy

Depois de passar por esta primeira fase, todas as decisões relevantes sobre o projeto do edifício inteligente terão sido cimentadas; a construção está praticamente concluída. É quando o projeto pode passar para sua segunda e última fase: a real. Voltando aos estágios de comparação nos modelos BIM, a fase "real" cobriria os processos físicos da construção e as fases de operação e manutenção após a conclusão da obra. Desta vez, os objetivos para edifícios inteligentes são muito simples: garantir que os materiais e máquinas usados são aqueles que foram decididos anteriormente e que pode haver uma manutenção ideal de ambos. Será fundamental nesta etapa cumprir o que já foi estabelecido na fase inicial, pois se ocorrer alguma alteração em um produto ou máquina sem o cálculo prévio de seu impacto, poderemos observar uma redução na eficiência da edificação em relação a o que era esperado.

A metodologia BIM favorece esse tipo de construção inteligente, pois o uso de um software tão dinâmico e poderoso permite que os arquitetos calculem os dados com precisão e antecipem possíveis problemas futuros. Portanto, este método de trabalho é uma parte fundamental dos processos de projeto e construção de edifícios inteligentes, demonstrando mais uma razão pela qual o treinamento em BIM é fundamental quando olhamos para o futuro da arquitetura.

Courtesy of GoPillar Academy
Courtesy of GoPillar Academy

Os modelos BIM podem ser facilmente aplicados para ilustrar todo o ciclo de vida de um edifício para clientes e arquitetos.

Além disso, programas permitem que os usuários analisem todas as etapas da construção, desde o assentamento até a conclusão do projeto, desde a concepção até a demolição e a eventual reutilização de materiais.

Sobre este autor
Cita: Montava Miró, Jaime . "Metodologia BIM e a criação de edifícios inteligentes" [BIM Methodology and the Creation of Smart Buildings] 07 Mar 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/957900/metodologia-bim-e-a-criacao-de-edificios-inteligentes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.