"Corpos d'água" será o tema da 13ª Bienal de Xangai

"Corpos d'água" será o tema da 13ª Bienal de Xangai

A Power Station of Art (PSA) anunciou a equipe de curadores e o tema da 13ª Bienal de Xangai, proposta por seu Curador-Chefe, o arquiteto e escritor Andrés Jaque (Escritório de Inovação Política).

Cortesia de PSA
Cortesia de PSA

Pela primeira vez, a Bienal funcionará como um projeto evolutivo de oito meses, “in crescendo”, concebido como um processo colaborativo de um coletivo de artistas, ativistas e instituições. A bienal acontecerá em três fases, entre novembro de 2020 e junho de 2021, desafiando o habitual formato da bienal de arte. Para realizar essa proposta ambiciosa, Jaque está trabalhando em estreita colaboração com uma equipe de curadoria composta por You Mi, Marina Otero Verzier, Lucia Pietroiusti e Filipa Ramos.

Intitulada 水体 “Corpos de Água”, a 13ª Bienal de Xangai defenderá os processos de reassociação planetária, que dependem da coletividade trans espécies. Explorando formas de solidariedade fluida, a Bienal convocará artistas para pensar além das narrativas centradas no ser humano e baseadas na nação, conectando as discussões dos corpos com o meio ambiente. O curador-chefe Andrés Jaque afirma:

"Desde a intensidade e o ritmo da respiração, até a evolução de um ecossistema, a Bienal refletirá sobre como as coletividades são tangíveis e incorporadas na intimidade úmida, explorando formas divergentes de aquosidade. Além dos limites da carne e da terra, a proposta da curadoria considera como a descarga, a respiração, a transfusão, a lavagem e a decomposição são maneiras pelas quais os corpos existem juntos".

Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale
Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale

O presidente do Comitê Acadêmico do PSA, Fei Dawei, afirma: “A preparação da 13ª Bienal de Xangai ocorreu durante os tempos incertos de uma crise de saúde. "Corpos de água" se apresenta em formas fluidas para acomodar a realidade em constante mudança, enquanto encontra maneiras de enfrentar os métodos convencionais de produção de exposições. A Bienal se esforça para alcançar uma posição que as exibições anteriores não podiam atingir. Mais importante, esta exposição é totalmente experimental: diante das mudanças nas condições globais, a curadoria continuará a explorar as possibilidades de auto-renovação. ”

Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale
Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale

A Bienal está envolvida com a história e a geografia de Xangai, um ponto de encontro de longa data para corpos territoriais líquidos, e o local dessa Bienal. A cidade está intimamente ligada à altitude de 5.000 metros em relação ao Mar da China Oriental, no platô Qinghai-Tibet, localizado na interseção dos rios Huangpu e Yangtze, e nas proximidades do Grande Canal Jing-Hang, criado pelo homem. Partículas deslocadas de até 6.300 quilômetros de sedimentos acima foram metabolizadas por plantas comestíveis no Delta do Yangtze, a área agrícola mais fértil da China. A matéria mineral e orgânica, viajando suspensa como parte dos corpos de água, é então incorporada. O fluxo da água reconstrói a geografia e fortalece os organismos, enfretando as dificuldades.

Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale
Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale

Pela primeira vez, a Bienal de Xangai funcionará como um projeto de oito meses “in crescendo”, que se desdobra em três fases:

Fase 01: Ensaio molhado (10 a 14 de novembro de 2020). Uma conferência que reunirá colaboradores para apresentarem seus trabalhos na forma de uma assembleia performativa, no Grand Hall do PSA , e se espalhará por meio de espaços de arte ao longo do rio Yangtze, bem como no meio digital.

Fase 02: Um ecossistema de alianças (15 de novembro de 2020 - 9 de abril de 2021). Mantendo um posto permanente no PSA, o projeto “in crescendo” se associará a infraestruturas onde a vida social e comunitária online / offline acontecem. Isso inclui o streaming de canais de TV, mídias sociais, programas universitários e intervenções em série sobre dinâmica urbana.

Fase 03: Uma Exposição. (10 de abril a 27 de junho de 2021). A abertura será marcada por um festival, a Bienal se desdobrará em uma exposição que passará pelo PSA e se expandirá para uma série de locais ao longo do rio Huangpu e em toda a cidade de Xangai.

Notícias via Bienal de Xangai.

Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale
Bienal de Xangai 2018. Imagem Cortesia de Shanghai Biennale

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: 韩双羽. ""Corpos d'água" será o tema da 13ª Bienal de Xangai" ["Bodies of Water": PSA Announces the Theme for the 13th Shanghai Biennale] 12 Jun 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Bisineli, Rafaella) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/941224/corpos-dagua-sera-o-tema-da-13a-bienal-de-xangai> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.