Por fora das metrópoles: decifrando a exposição “Countryside, The Future” de Rem Koolhaas

Por fora das metrópoles: decifrando a exposição “Countryside, The Future” de Rem Koolhaas

Ao entrar no Museu Guggenheim, os visitantes se vêem cercados por um banquete de cores vivas e fontes incompatíveis. Passando pelo gigantesco trator verde na entrada, eles se movem pelo térreo, cheio de adesivos, como uma lancheira ou a tampa de um laptop. Um pilar grosso que entra no átrio interno tornou-se uma coluna de publicidade extravagante. Um fardo de feno, um drone e algum outro objeto (impossível de identificar) levitam bem alto. Um recorte de papelão de Joseph Stalin sobre rodas de robôs desce a rampa, assustando os visitantes. Grandes letras reflexivas dizem: "Zona rural, o futuro".

O arquiteto Rem Koolhaas, fundador do Escritório de Arquitetura Metropolitana (OMA) e Samir Bantal, diretor do think tank interno do OMA, AMO, criaram esse ambiente totalmente confuso para exibir anos de pesquisa sobre o espaço além dos limites da cidade do século XXI.

© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation+ 26

© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO
© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO

O argumento básico da exposição: enquanto os arquitetos estavam ocupados fetichizando as cidades, a transformação verdadeiramente interessante estava acontecendo fora das áreas urbanas. O que vem ocorrendo no “campo” - um termo que os próprios curadores chamam de “flagrantemente inadequado” - é emocionante, inspirador, cheio de energia inovadora e requer uma análise mais detalhada.

A ambição dos curadores não era descrever completamente o estado dos "outros" 98% da superfície do globo. Eles não pretendiam competir com acadêmicos: geógrafos, biólogos, preservacionistas ou pesquisadores do pergelissolo. Em vez disso, eles produziram uma história adaptada especificamente para o público principal da AMO: arquitetos. O layout radicalmente linear do museu de Frank Lloyd Wright - uma rampa estreita e contínua - permitiu que eles controlassem completamente a narrativa da história. Enquanto os espectadores sobem a ladeira sinuosa, eles seguem o roteiro cuidadosamente selecionado passo a passo - como se fosse um filme.

A seleção de condições únicas e altamente específicas da AMO distribuídas em todo o mundo serve como uma estrutura para suas pesquisas e representa para onde o mundo está indo. Imagem Cortesia de OMA
A seleção de condições únicas e altamente específicas da AMO distribuídas em todo o mundo serve como uma estrutura para suas pesquisas e representa para onde o mundo está indo. Imagem Cortesia de OMA

A exposição começa com um diagrama humorístico que descreve duas pilhas de livros. Seus títulos são reconhecidos pelos arquitetos: esses são os itens obrigatórios nas prateleiras de qualquer escritório de arquitetura. O viés da arquitetura em relação às cidades é representado pela pilha mais alta. A pilha inferior demonstra a falta de curiosidade em relação a 98% da Terra, que é o campo.

É uma crítica à abundância de pesquisas urbanas? Ou é a polêmica de Rem Koolhaas com seu próprio trabalho? Manhattan dos anos setenta o inspirou a escrever "Nova York Delirante" e a explorar cidades nas décadas seguintes. "Junkspace" e "Generic City", descrições vívidas da condição urbana contemporânea, fizeram de Koolhaas uma figura querida no mundo da arquitetura. Seu fascínio pelas cidades é evidente em nome de sua própria prática: o Escritório de Arquitetura Metropolitana. Koolhaas acaba de anunciar o fim de seu romance com as cidades, no coração de Manhattan, onde tudo começou? Passei o dia inteiro subindo a rampa de Frank Lloyd Wright para responder a essa pergunta.

© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO
© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO

O primeiro ato da exposição é uma coleção de estudos de casos históricos. Os visitantes aprendem sobre a malha de Jefferson, que acabou se tornando o modelo para o desenvolvimento econômico americano. Eles descobrem ambiciosos planos soviéticos (que falharam) para transformar as estepes da Ásia central em terras agrícolas férteis. As políticas agrícolas tecnocráticas da Comunidade Econômica Européia são exibidas ao lado dos planos nazistas para vincular as áreas urbanas e rurais do Terceiro Reich a uma rede de Autobahns. Atlantropa - a visão utópica do arquiteto Herman Sörgel de unir Europa e África - é justaposta a megaprojetos do deserto, iniciados e parcialmente realizados pelos líderes árabes pós-coloniais. O mais recente estudo de um caso histórico vem de 2017: o programa de segurança alimentar do Catar, planejado centralmente (e aparentemente bem-sucedido).

Entre milhares de anos de história mundial, os curadores selecionaram cuidadosamente um escopo restrito de projetos: intervenções modernas em uma escala de tirar o fôlego. Eles comemoram um planejamento ambicioso, grandes políticas coordenadas entre designers, especialistas e políticos. Para lidar com problemas de larga escala, como o desastre climático iminente - os curadores parecem dizer - é preciso ter ferramentas para uma ação de larga escala bem coordenada.

© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation
© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation

Ideias específicas do que exatamente deve ser planejado e coordenado aparecem nas seções de exibição a seguir. Uma é dedicada a novas estruturas sociais. Outra novidade para os modelos de conservação da natureza. Saltando erraticamente entre continentes, zonas climáticas, escalas e temas, Koolhaas e Bantal criaram a parte mais interessante da exibição: um Wunderkammer com “evidência de novo pensamento” heterogêneo e extraordinário.

Pequenos modelos de plástico revelam a natureza de uma vila chinesa contemporânea: parcialmente padronizada, parcialmente tecnocrática e parcialmente agrícola. Poderia se tornar um plano de um futuro acordo suburbano? A cidade queniana Voi exemplifica um modelo original de urbanização, no qual comunidades rurais interconectadas criam uma poderosa rede, em vez de se aglomerarem em uma megacidade semelhante a Dubai. A Mahjouba - uma motocicleta artesanal marroquina - prova com orgulho que a produção em massa descentralizada é possível. É uma alternativa para novas fábricas da China?

© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation
© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation

Exemplos revolucionários vêm de onde ninguém espera uma revolução: a Europa. Na vila alemã de Manheim, todas as forças que moldaram a política europeia na última década - o Energiewende, a crise dos refugiados, a nova onda de ativismo ambiental global - entrelaçaram-se e levaram a uma resolução implausível e totalmente otimista. As cidades italianas Camini e Riace servem como exemplos de integração harmoniosa de refugiados do norte da África no tecido físico, social e institucional dos antigos assentamentos europeus.

Casos de conservação da natureza são igualmente aleatórios. A tentativa bem-sucedida de preservação dos gorilas da montanha levou à criação de um tipo de habitat completamente novo. O investimento em terras na Patagônia resultou na criação de modelos imprevistos de preservação da natureza.

© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation
© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation

No final da rampa do museu, os espectadores chegam ao ponto culminante da exposição: uma sobreposição de máquinas agrícolas de ficção científica já existentes, fotografias de data centers completamente desprovidos de seres humanos e diagramas de agricultura totalmente automatizada. As malhas cartesianas encontram um poder computacional sem precedentes; a agricultura é cultivada por robôs; a automação completa se funde com uma escala de arquitetura anteriormente desconhecida. Este é o futuro do campo? Ainda serão necessários humanos, abelhas e estacionamentos nesse local?

Uma fotografia nesta parte final da exposição mostra Rem Koolhaas visitando o Centro Industrial Tahoe Reno (TRIC) - um empreendimento colossal, que serve como espaço de processo interno para as empresas do Vale do Silício. Retratado como um personagem em terceira pessoa, o arquiteto contempla a paisagem montanhosa, que logo se transformará nesse projeto em escala excessiva. No catálogo, a fotografia está legendada: “A primeira inspeção do TRIC.”

© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation
© David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation

Essa mesma palavra - inspeção - é a chave que decifra todo o programa. Independentemente do título, "Zona rural, o futuro" não coloca realmente a zona rural no centro das atenções. Pelo contrário, fala ao público composto por artistas como Koolhaas - arquitetos metropolitanos - e reduz o campo ao papel de sujeito de sua manipulação.

A saída de Koolhaas da cidade, sugerida no início da exposição, era aparente. “Countryside, The Future” é a consulta de um arquiteto sobre quais ferramentas e estratégias de design podem ser úteis em seu trabalho. A esse respeito, lembra o trabalho anterior de Koolhaas: Cronocaos, Fundamentals ou SMLXL. Em vez de indagar sobre os campos de preservação, finanças ou padronização do patrimônio, desta vez a AMO pesquisou o vasto espaço que os arquitetos normalmente não costumam visitar: o “campo”.

© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO
© Laurian Ghinitoiu. Cortesia de AMO

“Countryside, The Future” trata a história do campo como uma desculpa para expandir os limites do discurso arquitetônico. Isso não deve tornar o programa um objeto de crítica: OMA / AMO são arquitetos e a arquitetura é seu principal meio de especialização. A história rural faz um trabalho excepcionalmente bom, fazendo perguntas sobre o futuro dessa profissão. Quando a crise climática está batendo à nossa porta, não é hora de reabilitar o planejamento em larga escala? Como os arquitetos podem expandir os limites de sua profissão? Como conciliar crescimento econômico e preservação da natureza? Mais importante: como os arquitetos permanecem totalmente informados e competentes em um mundo em rápida mudança? Para a tecnologia, cartografia digital, estruturas sociais de base, abelhas elétricas, planos de preservação de gorilas e modelos de montagem de motocicletas distribuídos, todos têm um enorme impacto na arquitetura. E nenhum deve ser esquecido!

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Kuba Snopek. "Por fora das metrópoles: decifrando a exposição “Countryside, The Future” de Rem Koolhaas" [Hinterland From the Metropolis: Deciphering AMO’s “Countryside, The Future”] 04 Mar 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/934850/por-fora-das-metropoles-decifrando-a-exposicao-countryside-the-future-de-rem-koolhaas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.