Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Erieta Attali: "Crio imagens que capturam a identidade do lugar"

Erieta Attali: "Crio imagens que capturam a identidade do lugar"

A arquitetura é conhecida principalmente por meio de representações. Ainda hoje, quando as viagens não são mais tão raras ou apenas para os ricos, os prédios e lugares são amplamente divulgados e apreciados por meio de imagens. Nesse sentido, a fotografia foi - e ainda é - fundamental para a arquitetura. A entrevista a seguir investiga o trabalho de Erieta Attali e o relacionamento com a arquitetura e a paisagem através das lentes de sua câmera. Com mais de duas décadas de experiência, fotografando e ensinando em todo o mundo, a fotógrafa israelense reflete sobre as origens e a evolução de sua renomada prática.

© Rondo Wei
© Rondo Wei

ArchDaily: Quando e por que você começou com a fotografia de arquitetura?

Erieta Attali: Comecei a fotografar arquitetura sem perceber que já estava nela. Desde o meu primeiro ano como fotógrafa arqueológica em 1993, tornei-me especialista em fotografia de pinturas de paredes em monumentos funerários antigos enquanto trabalhava em locais de escavação na parte norte da Grécia, bem como em todo o mar Egeu. Meu envolvimento duradouro com a fotografia arqueológica, mas também com a paisagem, desempenhou um papel importante no processo de transição para a arquitetura contemporânea, com a qual não tinha associação até me deparar com a Water Glass House projetada por Kengo Kuma na biblioteca Avery, na Universidade de Columbia no ano 2000, mas também o trabalho de Dan Graham, Bernard Tschumi, Richard Meier.

Barclay & Crousse , Museum in Paracas, Peru. Image © Erieta Attali
Barclay & Crousse , Museum in Paracas, Peru. Image © Erieta Attali

AD: Como é o seu processo quando você seleciona um trabalho de arquitetura para fotografar? O que motiva sua escolha?

EA: Meu processo de seleção difere de caso para caso. Tudo depende se minha motivação é uma pesquisa pessoal ou uma colaboração com um arquiteto ou uma instituição, fundação etc.

Sou atraída por condições especiais da paisagem, como no deserto de Atacama, os vários tipos de paisagens no Chile, zonas remotas no Japão, as paisagens geladas do deserto na Noruega, o rio Sena, entre outros locais.

AD:  Qual é a primeira pergunta que você faz a um arquiteto antes de fotografar seu trabalho? É relevante construir um relacionamento pessoal com arquitetos antes de documentar seu trabalho?

Marc Mimram Architects, Kehl Bridge, France . Image © Erieta Attali
Marc Mimram Architects, Kehl Bridge, France . Image © Erieta Attali

EA: Existem duas direções diferentes na minha prática de fotografia arquitetônica. Ou fotografo a arquitetura como parte de uma pesquisa fotográfica ao preparar uma monografia ou como parte de uma colaboração duradoura com um certo arquiteto. No primeiro caso, sigo um processo que define alguma distância do arquiteto; Ao dizer isso, quero me concentrar no trabalho sem a necessidade de encontrar o criador. No segundo caso, a relação pessoal carrega um certo peso. Isso é algo que descubro gradualmente antes e durante a colaboração, e geralmente com uma poderosa amizade resultante do compartilhamento intelectual. Tenho preferência por colaborações duradouras, como Angelo Bucci, Kengo Kuma, Marc Mimram, Max Nunez e Martyn Hook, entre outros, e certamente alguns jovens arquitetos que aparecem no caminho, como Diego Baraona, Sebastian Cruz e Alfredo Thiermann, entre outros. Com meus arquitetos - como eu gosto de chamá-los - viajamos juntos, fazendo livros com eles e para eles. Eu tento tornar possíveis projetos muito complexos. É um longo processo de entendimento e leva tempo, coragem e confiança. Lembro-me claramente da primeira vez que me encontrei com cada um dos "meus arquitetos".

AD: O que torna a foto uma "foto de arquitetura"?

Max Nunez Architects, Ghat House, Zapallar, Chile. Image © Erieta Attali
Max Nunez Architects, Ghat House, Zapallar, Chile. Image © Erieta Attali

EA: Estruturas feitas pelo homem são universalmente consideradas o assunto ou o conteúdo da fotografia arquitetônica, enquanto a paisagem - seja natural ou artificial - é geralmente tratada como mero contexto. Conteúdo e contexto, no entanto, são igualmente importantes e geralmente intercambiáveis. Através da minha prática, tentei me afastar da dicotomia conteúdo-contexto e, em vez disso, criei imagens que capturavam uma identidade de lugar; sua qualidade atmosférica específica, condições de iluminação, materialidade e humor.

AD: Como você pode revelar por meio da fotografia a intenção de projeto de um arquiteto?

Kengo Kuma Architects & Associates, V&A Museum, Dundee, Scotland. Image © Erieta Attali
Kengo Kuma Architects & Associates, V&A Museum, Dundee, Scotland. Image © Erieta Attali

EA: Na maioria das vezes, a principal e única necessidade para revelar a intenção arquitetônica é realmente entendê-la. O entendimento vem do engajamento (caminhar, ver, passar a noite) com o local mais do que da conversa com o arquiteto. Então, naturalmente, a fotografia traduzirá esse conhecimento adquirido em imagem. Um princípio central da minha fotografia é sempre contextualizar a arquitetura, uma vez que o valor da comunicação / interpretação de uma composição puramente visual / geométrica é mínimo, para nenhum.

Angelo Bucci - Ubatuba. Image © Erieta Attali
Angelo Bucci - Ubatuba. Image © Erieta Attali

AD: Qual a importância da narrativa na fotografia de arquitetura? É algo que é visto em seu trabalho ou novas histórias são procuradas por trás de cada de arquitetura?

EA: Eu empregava elementos narrativos em meu trabalho desde meus primeiros dias como fotógrafa: dispositivos que criam um humor específico para provocar uma resposta emocional ou tratam a matéria inorgânica como personagens, estrelando uma história que se desdobra na paisagem. As narrativas podem ser contadas através de fotografias únicas e do uso de pistas ao contar histórias, mas também por sequências. A intenção da sequência é ler uma série de fotografias como um todo e comunicar o sentido de abordar uma obra de arquitetura sob vários pontos de vista, à medida que ela surge da paisagem. Certamente existem histórias diferentes por trás de cada trabalho de arquitetura.

The Seine River, France . Image © Erieta Attali
The Seine River, France . Image © Erieta Attali

Galeria de Imagens

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Hernández, Diego. "Erieta Attali: "Crio imagens que capturam a identidade do lugar"" 15 Fev 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/933500/erieta-attali-crio-imagens-que-capturam-a-identidade-do-lugar> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.