Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Comunidades flutuantes podem ser a resposta para a crise habitacional na Suécia

Comunidades flutuantes podem ser a resposta para a crise habitacional na Suécia

A arquiteta Daniela Lamartine, buscando uma alternativa à crise habitacional sueca, desenvolveu um projeto para uma comunidade flutuante. Apelidado de Floathub, o projeto propõe uma mudança radical na maneira como as pessoas têm tido acesso à moradia na Suécia: comunidades habitacionais permanentes, flutuantes e móveis. O sistema foi concebido para operar em um sistema de cooperativas, aonde os moradores aprendem a construir suas próprias casas. A cooperativa funcionaria como uma espécie de gestora, fornecendo a infraestrutura necessária para a construção das diferentes tipologias flutuantes, as quais foram planejadas para serem construídas através de uma CNC, evidenciando um novo estilo de vida flexível e móvel.

Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine + 12

Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine
Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine

Historicamente, o mercado imobiliário na Suécia tem operado em uma lógica segregadora, ampliando as desigualdades econômicas e dificultando o acesso à moradia para boa parte da população. A principal ideia por trás do Floathub, além de proporcionar acesso à moradia, é promover um estilo de vida flexível e não vinculado à propriedade da terra, ou seja, unidades residenciais móveis sobre a superfície d'água. Cada tipologia possui características diferentes que agregam valor à comunidade flutuante, possibilitando uma maior acessibilidade e inter-conectividade à medida que constitui uma rede interligada de FloatHubs, uma comunidade fluvial. A comunidade flutuante opera em conjunto, e cada morador é responsável por seu consumo dentro da rede. Esta lógica de cooperativa tende a estabelecer novos padrões de economia de recursos, onde toda economia resulta em um benefício para todos. Baseada em três diferentes sistemas: produção, reciclagem e venda automática de energia, os moradores da comunidade poderão viver desconectados das redes municipais de abastecimento, além de que imobiliárias não serão necessárias uma vez que a própria cooperativa desempenha o papel de gestora.

Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine
Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine
Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine
Floathub. Imagem Cortesia de Daniela Lamartine

A interface da comunidade com a cidade se dá através de um píer, a estrutura responsável por manter o vínculo entre a comunidade fluvial e a vida em terra firme. Todas as unidades seriam construídas no local, a partir da instalação prévia de uma fábrica flutuante, a qual define o ponto base da comunidade. Apesar disso, cada unidade é independente e pode ser transportada para qualquer lugar através da água. Além disso, a fábrica flutuante funcionará como uma espécie de centro comunitário, onde serão ministrados workshops e palestras sobre as comunidades existentes e as associações de moradores flutuantes.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Baldwin, Eric. "Comunidades flutuantes podem ser a resposta para a crise habitacional na Suécia" [Floathub Project Takes Aim at Sweden's Housing Crisis] 14 Jan 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909198/comunidades-flutuantes-podem-ser-a-resposta-para-a-crise-habitacional-na-suecia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.