10 anos após a recessão dos EUA, uma geração resiliente encontra caminhos para prosperar na arquitetura

10 anos após a recessão dos EUA, uma geração resiliente encontra caminhos para prosperar na arquitetura

Este artigo foi originalmente publicado em CommonEdge como "The Kids are Alright."

Economia e tecnologia afetam todas as profissões. Mas, desde a Segunda Guerra Mundial, talvez nenhuma profissão tenha experimentado mais mudanças tecnológicas do que a arquitetura. Essas mudanças ocorreram, paradoxalmente, dentro de um modelo profissional bem estabelecido de desenvolvimento pessoal: a estrutura tradicional de aprendizado na academia, e o posterior estágio para o licenciamento, tem sido a estrutura da prática há quase dois séculos nos Estados Unidos.

Foi-se o tempo que os edifícios eram construídos a partir de desenhos feitos por homens brancos, a partir de uma folha mestre de especificações. E apenas isso era o mercado da arquitetura.

Esse mundo não existe mais.

O modelo Mad Men do clube masculino branco também acabou. As desigualdades de gênero e raça permanecem, mas são questões reconhecidas com necessidade urgente de correção. Além dessas evoluções e revoluções, uma nova geração de arquitetos teve seu próprio surgimento único na profissão.

Há 6.000 arquitetos novos graduados todos os anos nos Estados Unidos - e apenas 2.500 empregos. A última década de recessão produziu mercados de oportunidades microeconômicas para novos projetistas em meio à explosão da tecnologia BIM. Mas a insinuação implacável da inteligência artificial em todos os aspectos de nossas vidas está evitando a necessidade dos estágios estilo “Macaco de CAD” que uma vez absorveram milhares de novos graduados.

O maior grupo demográfico na América é agora de Millennials. A maioria dos projetistas faz a maior parte de seu trabalho para seus pares demográficos, e a porta de entrada para construir coisas para os jovens arquitetos sempre foi a residência unifamiliar Mas mais do que em qualquer outro momento da memória recente, as pessoas estão voltando para as cidades e morando em unidades de aluguel, em vez de aspirar a ter (e construir ou reconstruir) casas próprias.

Tecnologia, economia e tendências culturais se combinaram para suprimir a oportunidade de novos arquitetos. Para ver como a próxima geração está se saindo, entrevistei quatro jovens arquitetos e percebi a flexibilidade necessária para lidar com esses tempos de fluidez.

F9 Productions (Alex Core e Lance Cayko)

Alex Gore, 35, e Lance Cayko, 33 anos, criaram a F9 Productions há quase uma década, em Longmont, Colorado. Eles se formaram na escola de arquitetura em 2008, no advento da Grande Recessão. Gore mudou-se para Nova Iorque para trabalhar para Daniel Libeskind. Cayko mudou-se para Boulder e trabalhou para um pequeno escritório. Gore foi demitido primeiro no ano seguinte. Ele voltou a pós-graduação para obter um mestrado em gestão de construção, pensando que a recessão poderia durar apenas um ano. Cayko foi demitido de sua empresa alguns meses depois.

Cortesia de F9 Productions, via CommonEdge. Uma loja de F9 Productions
Cortesia de F9 Productions, via CommonEdge. Uma loja de F9 Productions

Em vez de se sentirem surpreendidos pelas novas tecnologias, esses arquitetos as adotaram. Os dois viam o mundo migrando para o Revit e o BIM e, embora as grandes empresas criassem sua própria integração dessas novas tecnologias, escritórios e consultores menores precisavam de uma assistência ágil e direcionada, de modo que os dois começaram a criar modelos para empresas. “Queríamos usar o Revit e queríamos reduzi-lo aos princípios fundamentais e um deles era modelar um prédio exatamente como você o constrói”, diz Gore, acrescentando que essa abordagem permitiu que a clareza e a verificação do BIM estivessem disponíveis em qualquer empresa ou organização.

Além da simplicidade elegante da integração instantânea de tecnologias de construção no software, o sequenciamento e as prioridades de construção agora possíveis com a inteligência artificial são extremamente poderosos. Ao contrário do jeito antigo de criar imagens gráficas em camadas, a nova geração de softwares permite montar imagens como se o que estava sendo renderizado estivesse realmente sendo construído. “O que isso significa é que,” diz Gore, “as paredes estruturais sobem primeiro” para qualquer projeto de tamanho, e esse nível de facilitação tecnológica só existe se você souber usá-lo.

“Nós treinamos outros profissionais que estão entrando no Revit”, diz Gore. "Assim, temos nosso próprio site e podemos fornecer aos contratados uma confiança real. Nossas plantas de fundação são tão precisas que é muito difícil de ser confundido ”. Eles também se tornaram um escritório de projeto mais tradicional. "Nós percorremos a gama de pequenas remodelas internas no lado residencial", diz Cayko, "até o condomínio e os empreendimentos multifamiliares".

Atelier Cho Thompson (Ming Thompson, Christina Cho)

Além das mudanças tecnológicas na execução, essa mudança para o digital torna a capacidade de projetar em uma variedade de escalas muito mais facilmente. Falei com Ming Thompson, do Atelier Cho Thompson; ela e Christina Cho têm escritórios em San Francisco e New Haven. “Formamos uma empresa depois de nos reunirmos na escola de pós-graduação em Harvard, para projetar trabalhos que vão desde a escala muito pequena dos interiores de design gráfico, até a grande escala da arquitetura”, diz Thompson. “Depois de trabalhar por alguns anos em São Francisco, começamos uma empresa juntos. Temos seis pessoas no total, três em cada escritório e estamos indo há cinco anos. ”Claramente, a realidade de um mundo digitalmente conectado torna a distância menos relevante para o trabalho em equipe.

Cortesia de Atelier Cho, via CommonEdge. Projeto de Atelier Cho Thompson atelier Cho Thompson para uma empresa de capital de risco dedicada a capacitar empreendedores que mudam o mundo.
Cortesia de Atelier Cho, via CommonEdge. Projeto de Atelier Cho Thompson atelier Cho Thompson para uma empresa de capital de risco dedicada a capacitar empreendedores que mudam o mundo.

Thompson está ciente do impacto da economia em como sua geração se aproximou fazendo seu lugar na arquitetura. "Entramos no campo em um momento estranho, durante a recessão, quando o modelo tradicional parecia um caminho difícil", diz Thompson. Como outras épocas, a ampla gama de design é abordada, a empresa usa as novas tecnologias para se estender ao design gráfico, identidade visual e identidade e interiores. "Muitos arquitetos deixaram o campo e aqueles que permaneceram tentaram encontrar as formas que melhor atendem aos nossos interesses."

Union Studio (Ben Willis)

Ben Willis escreve ótimos ensaios para a Common Edge e trabalha em Providence, Rhode Island como arquiteto e planejador urbano, para a Union Studio. Ele relata seu início típico na arquitetura: “Meu pai era engenheiro civil. Então ele sugeriu verificar a arquitetura entre o meu primeiro e o último ano do ensino médio. Fiz um curso de verão de duas semanas na Universidade de Notre Dame.

Dessa forma, a história de Willis é como a minha há 40 anos. “Foi uma época assustadora para sair da escola de arquitetura. De alguma forma, convenci uma pequena empresa residencial em San Diego, na Califórnia, a me dar uma chance. Então, mudei-me para a Costa Oeste e passei quatro anos projetando reformas e novas casas. ”Em meio a todas as mudanças, o valor do treinamento em um modelo baseado em alianças continua sendo crucial.

Experimentar a Grande Recessão no início de suas carreiras pode ter encorajado um questionamento de paradigmas estabelecidos. Os primórdios difíceis de sua carreira têm melhorias tangíveis na experiência de qualquer pessoa, mas vejo uma perspectiva mais ampla nos escritos de Willis. Quando você é forçado a reconsiderar onde se encaixa em uma carreira deturpada pela perspectiva, uma abordagem holística, em vez de polêmica, evolui naturalmente. "Há princípios de bons edifícios que você pode destilar, não importa em que estilo eles se encaixam", diz ele. "Os seres humanos têm necessidades e essas necessidades não mudaram drasticamente nos últimos mil anos."

Cortesia de Union Studio, via CommonEdge. Alojamento estudantil Middlebury College; projetado por Union Studio.
Cortesia de Union Studio, via CommonEdge. Alojamento estudantil Middlebury College; projetado por Union Studio.

Sua sólida carreira baseada em uma empresa de médio porte dá a Willis uma perspectiva muitas vezes ausente das realidades de seus colegas, que estão operando na realidade onde as conexões com oportunidades não se limitam a um escritório. Mas a abertura da interação com a Internet não tem a intimidade pessoal que eu experimentei em meus primeiros anos na profissão.

Willis está saindo de sua infância profissional com uma confiança e facilidade que valida a paixão que todos nós sentimos pela arquitetura. Para ele, as novas oportunidades são tangíveis: “Uma das coisas que mais me entusiasma com a nova tecnologia e arquitetura é a nossa capacidade de obter mais algumas métricas concretas sobre como as pessoas estão usando edifícios e como esses edifícios estão afetando os resultados de saúde. as pessoas que os usam. ”

Cada geração acredita que tem desafios e oportunidades únicas. Mas a engenhosidade e determinação daqueles que começam na profissão é algo atemporal. A arquitetura é um esforço humano essencial, mas muitas vezes flerta com irrelevância em suas atitudes e afetos. O valor de qualquer profissão depende de sua relevância para a cultura mais ampla. Apesar das mudanças assustadoras e de um futuro imprevisível, a arquitetura continua sendo uma devoção permanente.

O mesmo que sempre foi.

Sobre este autor
Cita: Dickinson, Duo. "10 anos após a recessão dos EUA, uma geração resiliente encontra caminhos para prosperar na arquitetura" [10 Years Post-Recession, a Resilient Generation Makes Practice Work for Them] 08 Jan 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909099/10-anos-apos-a-recessao-dos-eua-uma-geracao-resiliente-encontra-caminhos-para-prosperar-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.