Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Projeto em vila japonesa define os padrões para uma arquitetura de resíduo zero

Projeto em vila japonesa define os padrões para uma arquitetura de resíduo zero

Aninhada nos íngremes desfiladeiros e vales fluviais da província de Tokushima, no Japão, fica Kamikatsu - uma pequena cidade como qualquer outra. Mas Kamikatsu, ao contrário de seus vizinhos (ou a maioria das cidades do mundo), pode orgulhar-se de ser quase totalmente livre de resíduos.

Desde 2003 - anos antes de o movimento ganhar popularidade - a cidade comprometeu-se com uma política de desperdício zero. Os requisitos são exigentes: os resíduos devem ser classificados em mais de 30 categorias, itens quebrados ou obsoletos são doados ou separados em peças, itens indesejados são deixados em uma loja para troca de comunidade. Mas os esforços dos moradores ao longo dos anos foram recompensados - quase 80% de todos os resíduos da vila são reciclados.

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 20

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Isso pode criar um precedente único e empolgante para esforços semelhantes em todo o mundo, mas também representa um desafio único para a construção, um processo notoriamente dispendioso.

Quando foi pedido a Hiroshi Nakamura & NAP para criar um novo edifício público na cidade, os arquitetos ficaram intrigados com o que a construção poderia se tornar em um contexto de desperdício zero. Nakamura, que foi identificado por Kengo Kuma como um dos talentos emergentes da arquitetura, há muito se interessa pela desconfortável fricção entre arquitetura e desperdício. Para ele, o maior desafio da arquitetura é “... produzir uma crítica bem-sucedida ao capitalismo e escapar da mercantilização da arquitetura”. Portanto, não é de admirar que a realização de um projeto em Kamikatsu - uma cidade pequena e isolada que talvez não tenha despertado o interesse de outros arquitetos - foi uma escolha óbvia para Nakamura.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O próprio Kamikatz Public House é uma estrutura despretensiosa; a fachada com painéis de madeira e discreta permitem que ela se misture ao entorno doméstico. O programa é mais original; partes iguais de cervejaria, pub, loja e centro comunitário. Embora a combinação possa parecer uma escolha estranha, Nakamura & NAP viram isso como uma maneira de proporcionar um espaço comunitário que fosse ao mesmo tempo sociável e positivamente produtivo.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 20

No interior, os componentes mais técnicos da produção de cerveja são organizados em uma espécie de cronologia espacial: primeiro está o armazém de materiais, seguido pela cervejaria e culminando no próprio espaço do pub. É aqui que você encontrará o elemento mais icônico do edifício: uma grande janela que é, de fato, muitas janelas, todas recicladas de outras estruturas dentro e ao redor da cidade.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 20

"Reunimos janelas que iluminaram a cidade no passado", explicam os arquitetos na descrição do projeto. ".. [era] nosso desejo que elas pudessem servir como uma lanterna de esperança para brilhar na cidade lutando contra uma população em declínio".

Este projeto cívico não só cumpre a exigência de baixo desperdício, mas destina-se a incutir e refletir um sentimento de orgulho local. Os visitantes podem identificar diferentes estruturas da cidade nas janelas; é um tipo de história urbana dentro de um edifício.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Para Nakamura & NAP, esse orgulho era um ingrediente essencial na arquitetura. Assim como os esforços de reciclagem da cidade exigem uma contribuição e coordenação da comunidade, o mesmo acontece com o projeto e a construção de um edifício. Os arquitetos levaram em consideração as contribuições dos residentes durante todo o processo, estabelecendo o espaço como um ativo da comunidade desde o seu início. Até mesmo o mobiliário interior foi recuperado das casas na área, dando-lhe a atmosfera de uma sala de estar urbana estendida e compartilhada.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Desde a construção concluída em 2015, o edifício tornou-se personagem essencial na cidade - frugal e amigável como seus usuários. "... Ao incorporar a visão da cidade na vida cotidiana, os moradores locais que se reúnem neste pub estão começando a perceber que suas ações são divertidas e criativas", explica Nakamura. Assim também é a arquitetura.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Allen, Katherine. "Projeto em vila japonesa define os padrões para uma arquitetura de resíduo zero" [The Project in a Small Japanese Village Setting the Standard for Zero-Waste Architecture] 04 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907129/projeto-em-vila-japonesa-define-os-padroes-para-uma-arquitetura-de-residuo-zero> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.