Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Como a teoria da arquitetura tem afastado o público da prática profissional

Como a teoria da arquitetura tem afastado o público da prática profissional

Este artigo foi originalmente publicado na Common Edge com o título "How Architectural 'Theory' Disconnects the Profession from the Public".

Seja qual for a forma - pessoal, teórica, erudita -, arquitetos freqüentemente buscam respaldo em conceitos filosóficos quando precisam defender certas decisões subjetivas de projeto. Pelo lado pessoal, isso até se justifica. Mas, profissionalmente, essa dependência de conceitos filosóficos é um dos principais motivos pelos quais a arquitetura difere fundamentalmente de outras disciplinas práticas da sociedade, como o direito, a economia ou a medicina. Essas disciplinas baseiam-se em estruturas de conhecimento (em códigos, sistemas econômicos e na ciência, respectivamente) que fazem a mediação entre as decisões profissionais e o julgamento subjetivo.

A falta de um meio termo mediador compatível para a arquitetura - entre preferências pessoais e prescrições formais - é um dos principais elementos que afastam os arquitetos das pessoas para as quais eles projetam. E isso tem um fundamento: os clientes leigos esperam que os arquitetos utilizem um sistema de raciocínio empírico para apoiar as suas decisões de projeto. Pensando nisso, deveríamos nos concentrar no desenvolvimento de uma própria estrutura disciplinar de conhecimento que pudesse intermediar as nossas decisões subjetivas.

Embora em nossa disciplina exista um hiato enorme entre o academicismo e o exercício profissional, a teoria da arquitetura, que remonta à Vitrúvio, é estritamente filosófica no sentido que busca identificar o raciocínio lógico por trás das decisões subjetivas. Referindo-se à teoria da arquitetura segundo a Enciclopédia Filosófica de Stanford, Saul Fisher observa que “… os autores tradicionais têm sido (e são) os principais arquitetos que buscam explicar o que eles e os outros estão fazendo, e aquilo que deveriam fazer, no exercício profissional da arquitetura”. Isso quer dizer que a “teoria” da arquitetura é essencialmente escrita "por arquitetos e para arquitetos" e, dependendo do nível de aceitação, pode tanto justificar decisões arbitrárias de projeto quanto confundir críticos relutantes a uma submissão desconcertada. (Tenhamos em mente o “Parametricismo”)

© Helene Binet
© Helene Binet

Embora existam algumas raras exceções de filósofos que tenham se envolvido de fato com a nossa disciplina da arquitetura, os dois campos tiveram, historicamente, limitadas sobreposições, embora tenhamos presenciado uma expansão considerável durante a segunda metade do século XX. Muitos dos arquitetos mais consagrados passaram a envolver-se mais profundamente com a filosofia durante as ultimas décadas, um flerte que culminou em uma das mais prolíficas parcerias: Peter Eisenman e Jacques Derrida durante a elaboração do projeto para o Parc de la Villette em Paris. Vale a pena notar, entretanto, que como o autor Stefano Corbo bem colocou, Eisenamn apropriou-se felizmente desta relação íntima de trabalho com Derrida, "um exercício astuto de auto-posicionamento dentro do debate arquitetônico”.

Relembrando aquele tempo, o editor da Architect magazine, Ned Cramer, resumiu o espirito daquela época da seguinte forma: “pensadores como Michel Foucault e Jacques Derrida eram críticos impetuosos quando eu ainda frequentava a universidade, no final dos anos 80 e início dos anos 90 - se formos comparar com o ensino da arquitetura atualmente.” Enquanto o texto de Cramer chama a atenção para aquilo que ele acredita ser uma permuta entre a teoria e o pragmatismo na disciplina, podemos facilmente argumentar que a velha tradição continua persistindo no zeitgeist atual. Isto é espalhafatosamente evidente na figura do menino-propaganda do pragmatismo arquitetônico visionário dos dias de hoje, Bjarke Ingels, apresentado pela Smithsonian magazine como o responsável por "elevar a resolução de problemas práticos a uma espécie de filosofia de projeto". Embora a abordagem de Ingels possa ser caracterizada como uma forma engenhosa de autopromoção e marketing, é, no entanto, uma filosofia pessoal, na medida em que é empregada para explicar decisões por uma empresa, ou melhor, por uma "marca".

© Bjarke Ingels Group. Imagem BIG's Proposal for the Axel Springer Campus in Berlin
© Bjarke Ingels Group. Imagem BIG's Proposal for the Axel Springer Campus in Berlin

Então, por que os arquitetos tem confiado tão cegamente em conceitos filosóficos para defender seus projetos? A natureza abstrata e generalista do discurso filosófico parece ser perfeita para aqueles que procuram justificativas simples para decisões arbitrárias. Se utilizada inteligentemente, está estratégia pode ser uma grande aliada contra as críticas - impossível de comprovar ou desmentir e, na melhor das hipóteses, poética o suficiente para parecer relevante e inspirar seguidores.

O problema disso tudo é que a arquitetura é, antes de mais nada, um abrigo. Isso coloca a nossa disciplina como uma necessidade básica do homem. Instintivamente ela é comparável a profissões como o direito, a economia e a medicina. Uma característica fundamental dessas disciplinas, porém, é que as decisões profissionais quase sempre estão respaldadas por algum tipo de evidência comprovada. Além disso, espera-se que estas decisões sejam comprovadas sistematicamente, por meio de uma estrutura de conhecimento preexistente e bem documentada.

Entre o julgamento pessoal e o cumprimento da lei, por exemplo, existem as leis e os códigos; entre o privilégio individual e a distribuição de renda, há a economia; entre a saúde e a administração da saúde pública, temos a ciência. Esses sistemas devem ser tão bons quanto as pessoas que os executam, pelo menos é o que se espera, e onde encontra-se a responsabilidade humana e onde acontecem a maior parte das falhas. De qualquer maneira, a existência de uma estrutura de tomada de decisões em cada uma destas disciplinas é irrefutável. A arquitetura, por outro lado, não possui a sua própria estrutura de tomada de decisões - exceto pelos tão pouco flexíveis códigos de obras. Além das poucas restrições estipuladas, espera-se que cada arquiteto desenvolva seus projetos como lhe der na telha.

Esta aparente liberdade faz com que o exercício projetual seja extremamente significativo para os arquitetos, entretanto, a falta de tal estrutura pode resultar em um grande desequilíbrio entre aqueles poucos que projetam e aqueles tantos que habitam os espaços construídos. Os clientes leigos esperam que algo tão tangível como um edifício de tijolo e areia possa ser compreendido através de uma estrutura de conhecimento similarmente assimilável como em tantas outras profissões que impactam diretamente em suas vidas.

Agora, tentemos imaginar como seria a arquitetura se existisse um elemento mediador entre o julgamento subjetivo e a decisão objetiva em um projeto de arquitetura. Um template padronizado que pudesse ser utilizado como ponto de partida e também para orientar nossas decisões de projeto. Este sistema poderia transformar a prática da arquitetura em uma referência social passível de comprovação, elevando o nível médio dos projetos de arquitetura de forma a melhor atender uma maior parcela da população, principalmente aqueles que esperam mais comprometimento dos profissionais que constroem os edifícios e as cidades onde vivem.

© Gregori Civera. Imagem La Muralla Roja
© Gregori Civera. Imagem La Muralla Roja

Algo assim não acontecerá da noite para o dia. Sistemas como o direito comum, a economia e a ciência desenvolveram-se ao longo de milhares e milhares de anos e continuam a ser atualizadas constantemente. Não há um sistema pronto para que a arquitetura possa se apropriar. Talvez a psicologia ambiental seja um bom ponto de partida. Em seu artigo "examination of philosophy in architecture", Saul Fisher se referiu a ela como uma "pílula mágica", algo capaz de “… identificar maneiras como fatores ambientais como a cor, a forma, a luz e os padrões de circulação podem moldam nossas reações visuais e comportamentais junto ao ambiente construído”. Ele ainda observa: “a partir destes dados empíricos, podemos criar estratégias que guiem as decisões dos projetistas para que possamos garantir melhores soluções para problemas recorrentes.”

Esforços nesta direção vem sendo feitos. Modelagem comportamental, métodos científicos para coleta de dados sobre o uso do espaço público e explicações científicas sobre como as pessoas percebem os edifícios são apenas algumas das ferramentas que estão sendo desenvolvidas e que se encaixam perfeitamente nesse campo. Tais conceitos parecem bastante promissores para serem incorporados em nossa prática profissional, embora exista um longo caminho para que possam ser aplicados sistematicamente ou para serem publicamente validados e aceitos.

Felizmente, para nós arquitetos, isso soa como mais um problema a ser resolvido.

Sobre este autor
Cita: Brady, Ross. "Como a teoria da arquitetura tem afastado o público da prática profissional" [How Architectural Theory Distances People from Design] 21 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/904110/como-a-teoria-da-arquitetura-tem-afastado-o-publico-da-pratica-profissional> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.