Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Arquitetura e crítica: pelas pessoas, para as pessoas?

Arquitetura e crítica: pelas pessoas, para as pessoas?

Este artigo foi originalmente publicado no Common Edge como "Crítica arquitetônica que não é apenas para arquitetos".

Caso você não tenha percebido, o mundo está indo do papel para os pixels. Você está lendo isso, aqui. Tudo está mudando e isso inclui como falamos, pensamos e escrevemos sobre arquitetura.

Um ensaio recente me mostrou como a mídia não-tão-nova mudou nosso senso do que é a crítica arquitetônica - realmente qualquer crítica - e o que esperamos dela. Algumas semanas atrás, Kate Wagner, criadora do popular blog “McMansion Hell” e colaboradora do Common Edge, escreveu um artigo para a Vox.com na nova casa de verão de Betsy DeVos em Park Township, Michigan. A internet foi à loucura.

O fato de ela ter mandado o artigo da típica "mansão" americana fazia uma clara alusão ao seu desprezo não apenas pelo excesso e pelo consumo conspícuo, mas também pela própria DeVos e, por extensão, pela administração Trump inteira. Em vez de simplesmente condenar a estética da "McMansion" de uma pessoa rica, o artigo de Wagner era uma indignação cultural que trazia a energia do Resist Moviment, em plena sintonia com os muitos e crescentes artigos não arquitetônicos que chamam a atenção para a caótica situação da eleição de Trump.

Entre os milhares de tweets alegres e "comentários" que se seguiram, houve um de Paul Goldberger: "@mcmansionhell brilhantemente derruba Betsy DeVos, mostrando mais uma vez que ela é uma das nossas críticas de arquitetura mais afiadas e também a mais divertida."

Indiscutivelmente o mais famoso crítico de arquitetura do mundo, cuja trajetória vem da publicação impressa, Goldberger conferiu a Wagner sua própria identidade de “crítica de arquitetura” (no Twitter, é claro). Não apenas inteligente, engraçada, blogueira, ela está usando a análise arquitetônica para descrever nossa cultura e fazê-lo com uma voz imediata e identificável.

É por isso que eu convidei Wagner ao meu programa de rádio, “Home Page”, antes de sua mais recente explosão na Internet, e perguntei por que as pessoas adoravam o blog dela: “Eu acho que as pessoas gostam do blog porque ele está falando sobre arquitetura de uma forma que não é paternalista, o que francamente não é comum. Isso pode ser um pouco desagradável, mas estou me referindo aos blogs de arquitetura".

Cortesia do usuário Flickr Andrew Guyton. Imagem: McMansions como essas estão entre os tipos de edifícios discutidos em McMansion Hell
Cortesia do usuário Flickr Andrew Guyton. Imagem: McMansions como essas estão entre os tipos de edifícios discutidos em McMansion Hell

A voz de Wagner é afiada, espirituosa e está entre as mais brilhantes críticas de arquitetura emergentes na Internet. Você não precisa ser um membro da AIA para receber centenas de artigos, imagens e projetos por dia. Antes existiam meia dúzia de revistas impressas de arquitetura de destaque, agora as poucas que sobraram estão lutando para se manterem vivas no papel, enquanto surgem dezenas de protagonistas na web. Este novo mundo contrasta com os artigos impressos mais longos do passado, muitas vezes cheios de uma escrita crítica arcana e impenetrável, voltada para o campo restrito de acadêmicos de arquitetura.

Eu publico regularmente no ArchDaily; escrevi para Archinect e HOUZZ antes disso, e em vários meios de comunicação menores. A resposta instantânea, o amor/ódio ou a indiferença em massa (facilmente este último o pior dos três) na internet são rápidos e intensos. Os comentários não são editados e, muitas vezes, espetaculares em seu brilhantismo ou em sua incoerência. Isto é, acredite ou não, uma virtude clara.

Essa recente onda de expressão demonstra como a internet transformou a maneira como trocamos ideias e respostas sobre arquitetura. Universal, instantânea, totalmente revisável, tudo na Internet é em tempo real e essencialmente gratuito (um problema a ser discutido outro dia).

Wagner zomba da característica bruta da casa DeVos, mas mostra como o exagero também pode ser grotesco porque revela a venalidade de seu construtor. A reação ao seu artigo foi além de uma crítica que revelou a verdade negativa sobre um prédio - foi uma onda de curtidas, compartilhamentos, comentários e retweets que inflamavam e discutiam sobre tudo o que Wagner abordou, não apenas a estética da casa. Foi uma crítica de arquitetura que transcendeu a arquitetura.

Essa percepção mais ampla das edificações ultrapassa a estética e é o que bomba na Internet. Mas não é só Wagner; Há uma onda de blogs e sites focados no brutalismo como uma expressão arquitetônica da ideologia cultural. Nesses sites, a arquitetura evidencia uma visão de mundo tanto quanto a estética específica de qualquer edifício. Sites brutalistas, como #SOSBRUTALISM e “Fuck Yeah Brutalism” são tão positivos quanto “McMansion Hell” é negativo. Esses blogs abraçam as intenções universais e a visão social que geraram o brutalismo, e são quase nostálgicos em sua brilhante consideração por edifícios que a maioria dos civis (ou seja, não arquitetos) acredita que fracassaram miseravelmente.

Cortesia do usuário Flickr Ádám Szedlák. Imagem: A Alexandra Road Estate, do arquiteto Neave Brown; um exemplo da arquitetura brutalista de Londres.
Cortesia do usuário Flickr Ádám Szedlák. Imagem: A Alexandra Road Estate, do arquiteto Neave Brown; um exemplo da arquitetura brutalista de Londres.

Essa nova era da crítica da internet me lembra o pós-modernismo, quando livros de Vincent Scully, Robert Venturi e Denise Scott Brown e Tom Wolfe romperam com o status quo existente com perspicácia e inteligência. O pós-modernismo foi morto ou cometido suicídio por seus próprios absurdos, mas sua crítica alternativa de arquitetura foi refrescante, provocativa e expressou a mensagem contracultural de 1960 de "Rejeitar a Autoridade".

Alguns dizem que o produto estético do pós-modernismo foi superficial na melhor das hipóteses. Para mim, seu impacto reacionário foi baseado nos comentários. Ele brilhou por algumas décadas por causa de seu lugar como parte da revolução cultural mundial de meados do século. Acredito que essa turbulência será considerada uma pequena onda quando comparada com o que a tecnologia emergente trará à nossa profissão - e isso inclui a crítica.

Talvez essa nova crítica esteja apenas em sua adolescência desajeitada. A apresentação instantânea em tempo real, de tamanho ilimitado, de disponibilidade universal e com correção imediata de erros é uma maneira fantástica de se comunicar. Mas a capacidade de criar links para sites, imagens, vídeos e notícias ao vivo faz com que o mundo indireto do jornalismo tradicional seja ligeiramente tátil.

Essas mudanças que se aproximam não são apenas sobre o que é produzido. Em última análise, os métodos de criação mudam o que é criado. A cultura atual está rejeitando a harmonia de Gilbert & Sullivanem favor de um canto a capela; refletindo o fato de que a capacidade de ler partituras está desaparecendo na criação da música. Música é feita de várias maneiras, mas a conexão ouvido-boca da a cappella está derrotando a conexão mente-mãos de fazer música no papel.

Não ter mais a beleza e a circunspecção do jornalismo arquitetônico impresso será uma perda, uma perda que eu sinto em cada banca de jornais. Argumentos totalmente formados, emoldurados em um contexto limitado, com fotos segmentadas e outros elementos gráficos, ainda existem, mas, assim como "desenhar", é um método que está desaparecendo. É claro que o tom divertido e coloquial de “McMansion Hell” pode não representar o futuro de todas as futuras críticas, mas as poucas revistas impressas se tornarão amadas notas de rodapé e os formatos digitais do jornalismo arquitetônico mudarão a crítica arquitetônica muito mais do que vemos agora.

Talvez a linha entre análise e comentário esteja se desfazendo. Talvez a crítica arquitetônica, como o próprio jornalismo, esteja evoluindo para um lugar de diálogo e reação, em vez das tentativas de análise intelectual da era da impressão.

Quatro gerações atrás, Marshall McLuhan disse: "O meio é a mensagem". Está claro que os milhões de pessoas hoje que veem, reagem e pensam sobre arquitetura em todos os lugares, como em "McMansion Hell", não faziam parte da audiência da Architectural Record há 20 anos.

E talvez isso seja uma coisa boa.

Sobre este autor
Cita: Dickinson, Duo. "Arquitetura e crítica: pelas pessoas, para as pessoas?" [Architecture and Criticism: By the People, for the People? ] 10 Set 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/901531/arquitetura-e-critica-pelas-pessoas-para-as-pessoas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.