O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Como a Big Data vem revolucionando os projetos para espaços de trabalho

Como a Big Data vem revolucionando os projetos para espaços de trabalho

Como a Big Data vem revolucionando os projetos para espaços de trabalho
Como a Big Data vem revolucionando os projetos para espaços de trabalho, A unidade Analytics e Insight da Zaha Hadid Architects (ZHA) desenvolveu modelos de planejamento de espaço orientados por dados para locais de trabalho que podem ser alterados ou adaptados em tempo real. A equipe, liderada pelo arquiteto Uli Blum e Arjun Kaicker, aplica suas pesquisas diretamente aos projetos da ZHA, incluindo o Sberbank Technopark no Skolkovo Innovation Center, Moscou, Rússia (visto aqui), e o Galaxy SOHO Beijing, construído em 2012. Imagem Cortesia de Zaha Hadid Architects
A unidade Analytics e Insight da Zaha Hadid Architects (ZHA) desenvolveu modelos de planejamento de espaço orientados por dados para locais de trabalho que podem ser alterados ou adaptados em tempo real. A equipe, liderada pelo arquiteto Uli Blum e Arjun Kaicker, aplica suas pesquisas diretamente aos projetos da ZHA, incluindo o Sberbank Technopark no Skolkovo Innovation Center, Moscou, Rússia (visto aqui), e o Galaxy SOHO Beijing, construído em 2012. Imagem Cortesia de Zaha Hadid Architects

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como
"Architects, Armed with Data, Are Seeing the Workplace Like Never Before."

A busca por um espaço de trabalho que melhore a produtividade e a eficiência dos funcionários tem sido uma questão para gerentes corporativos há décadas. Mas mesmo antes de o escritório como o conhecemos hoje ter nascido, projetistas e pensadores já estavam estudando locais de trabalho, como as fábricas, para elaborar estratégias de melhorar o desempenho dos trabalhadores. Na década de 1960, Robert Propst, o inventor por trás da linha de mobiliário de escritório da Actionman, da Herman Miller, estava conduzindo uma pesquisa no espaço de trabalho que acabaria levando à criação do moderno cubículo.

Esses desenvolvimentos se basearam, em grande parte, na observação e na intuição para organizar os trabalhadores de escritórios de maneiras supostamente eficientes. Agora, os avanços na tecnologia permitem que os projetistas adotem uma abordagem mais sofisticada, utilizando sensores, mobiliários e acessórios conectados à Internet e análise de dados para estudar os escritórios em tempo real. "Você pode levar em conta todos os funcionários, e todas as pessoas são muito diferentes", diz o arquiteto londrino Uli Blum. "Trata-se de resolver os problemas fundamentais de levar as pessoas ao ambiente de que necessitam. E a maneira mais fácil é perguntar a eles”, acrescenta. Mas descobrir as necessidades de centenas, às vezes milhares, de trabalhadores pode rapidamente se tornar um exercício de futilidade.

Blum ajudou a fundar a unidade Analytics e Insight na Zaha Hadid Architects (ZHA) há três anos. Sua equipe concentrou seus esforços iniciais na criação de métodos para estudar o local de trabalho e antecipar as necessidades dos funcionários. Naturalmente, Blum decidiu experimentar primeiro em seu próprio escritório: “Instalamos sensores para entender melhor nosso próprio local de trabalho”, explica ele, referindo-se a um conjunto de dispositivos que monitoram a visibilidade, o ruído, a umidade, a luz, a temperatura e a qualidade do ar. Entre elas, câmeras de vigilância inteligentes que rastreiam a localização, mas não a identidade, dos trabalhadores ao longo do tempo. "Eles não sabem quem eles vêem", diz Blum tranquilizadoramente.

A análise de Blum foi aplicada ao Galaxy SOHO Beijing da ZHA para avaliar a luz do dia, a visibilidade e as condições de conectividade. (Veja aqui o estudo da luz do dia.) Tais estudos identificam maneiras pelas quais o espaço do escritório deve ser alocado de maneira mais produtiva aos funcionários em vários pontos do dia, ao mesmo tempo em que oferece uma maior promessa de personalização. Imagem Cortesia de Zaha Hadid Architects
A análise de Blum foi aplicada ao Galaxy SOHO Beijing da ZHA para avaliar a luz do dia, a visibilidade e as condições de conectividade. (Veja aqui o estudo da luz do dia.) Tais estudos identificam maneiras pelas quais o espaço do escritório deve ser alocado de maneira mais produtiva aos funcionários em vários pontos do dia, ao mesmo tempo em que oferece uma maior promessa de personalização. Imagem Cortesia de Zaha Hadid Architects

O experimento em andamento mede como os funcionários navegam em seu local de trabalho para encontrar os espaços que funcionam melhor para eles. Ele também se tornou uma ferramenta para justificar a estética da assinatura da empresa. "Muitos dos nossos projetistas produzem belas formas", diz ele. “Mas precisamos ser capazes de provar por que essas formas são melhores que outras. Por isso, procuramos maneiras de comparar e isso envolve a análise de dados espaciais”.

Um projeto eficaz no local de trabalho, sugere Blum, não é aquele que otimiza todas as áreas com o mesmo padrão, mas que acomoda toda a gama de preferências espaciais e pessoais. Ainda assim, ele compartilha uma suposição fundamental com os projetistas do passado: um espaço ajuda ou dificulta a organização que o utiliza, e o desafio do arquiteto consiste em descobrir exatamente quais diferenças em um espaço de trabalho farão a diferença para a empresa.

Frederick Winslow Taylor é amplamente conhecido por moldar as condições do trabalho industrial no início do século 20, mas seu trabalho também teve um impacto significativo no desenvolvimento do escritório moderno. A gestão científica, o campo de atuação pioneiro de Taylor, melhorou a produtividade nos pisos das fábricas ao simplificar os processos industriais de acordo com os insights colhidos da observação. Entendendo a máquina, o trabalhador e a fábrica como componentes integralmente conectados da empresa, os discípulos do taylorismo estabeleceram os princípios básicos do ambiente de trabalho moderno como o encontro de pessoas, lugares e equipamentos. Contemporâneos de Taylor, como Frank e Lillian Gilbreth, maximizaram a produtividade dos trabalhadores ao reduzir o “tempo e os movimentos de desperdício” - como eles chamavam movimentos desnecessários em seus muitos estudos de movimento temporal - de operações repetitivas. Suas técnicas melhoraram amplamente a produção em uma variedade de contextos, como digitação e aparelhamento de tijolos. Mas essa abordagem tinha seus limites: os trabalhadores só podem se movimentar tão rapidamente e, inevitavelmente, ficavam cansados.

Uma maneira de superar esse obstáculo foi mudar o foco dos trabalhadores para o ambiente e perguntar como o próprio espaço poderia aliviar o estresse e melhorar o bem-estar. A instalação de condicionadores de ar em fábricas na virada do século foi motivada pela promessa de maior eficiência das máquinas, mas também foi, incidentalmente, uma das primeiras instâncias do projeto do local de trabalho para o bem-estar. A ideia funcionou, e foi uma lógica semelhante que viu o ar condicionado se tornar comum no escritório moderno, onde os estudos iniciais afirmavam ganhos na produtividade dos datilógrafos em quase 25%.

No ano passado, a Steelcase lançou seu conceito Smart + Connected Workplace (visto aqui), que também usa um sistema baseado em sensores para ajudar a organizar e otimizar o espaço do escritório, tanto para gerentes quanto para funcionários. Imagem Cortesia de Steelcase
No ano passado, a Steelcase lançou seu conceito Smart + Connected Workplace (visto aqui), que também usa um sistema baseado em sensores para ajudar a organizar e otimizar o espaço do escritório, tanto para gerentes quanto para funcionários. Imagem Cortesia de Steelcase

Especialistas dos locais de trabalho atuais, como a Blum, estão se concentrando da mesma forma na relação entre os ambientes de trabalho e a eficiência dos funcionários. Como a natureza do trabalho continua a evoluir, encontrar as melhores formas de apoiar os trabalhadores continua a ser um alvo em movimento. A fabricante de móveis Steelcase desenvolveu recentemente uma infraestrutura digital e física que ajuda as organizações a usar seu espaço de forma mais eficaz, à medida que mais trabalho é realizado online. Segundo Scott Sadler, gerente de produtos da Steelcase, “quase metade de todo o espaço de trabalho simplesmente não está sendo usado”. O “Smart + Connected Workplace,” como o novo conceito é chamado, visa simplificar o acesso dos funcionários ao espaço de trabalho e às salas de reunião, e ajudar as organizações a entender como seu espaço está funcionando. Sensores, sinalização e mobiliários conectados fornecem dados de disponibilidade de espaço em tempo real em um aplicativo. Os funcionários podem configurar facilmente reuniões, encontrando um espaço disponível que atenda às suas necessidades por meio do aplicativo e convidando os participantes. O aplicativo também reservará salas de reunião nos dois extremos de uma teleconferência entre funcionários trabalhando em diferentes escritórios. "Tentamos reunir todos esses dados para que ele seja o mais eficaz - na palma da mão do funcionário", diz Sadler.

Os fabricantes de sistemas de mobiliário de escritório também investiram muito em pesquisas similares de planejamento espacial. A Humanscale, por exemplo, revelou sua ferramenta OfficeIQ (vista aqui) na Consumer Electronics Show no início deste ano. Imagem Cortesia de Humanscale
Os fabricantes de sistemas de mobiliário de escritório também investiram muito em pesquisas similares de planejamento espacial. A Humanscale, por exemplo, revelou sua ferramenta OfficeIQ (vista aqui) na Consumer Electronics Show no início deste ano. Imagem Cortesia de Humanscale

Essas novas possibilidades imediatas motivam os consultores dos espaços de trabalho, como Arjun Kaicker, colaborador de Blum em ZHA e ex-chefe de projetos de escritótios da Foster + Partners. “No passado, era incrivelmente difícil ter uma abordagem sofisticada para lidar com as pessoas individualmente”, explica ele, e, com frequência, os planejadores falavam apenas para a liderança. Mesmo assim, ele acrescenta, “se você tivesse até 20 pessoas, você tinha muitas variáveis computacionais. Agora podemos fazer isso instantaneamente para 4.000 pessoas. ”O método de Kaicker sugere uma mudança para a customização em massa, na qual a oferta do espaço de trabalho pode ser perfeitamente ajustada à demanda. "Isso nos permite trazer o usuário para dentro", diz ele. "Cada estação de trabalho é diferente, por isso podemos ajudar as pessoas a encontrar os espaços que são melhores para eles trabalharem. Isso nunca foi feito antes."

Mas nem todos os arquitetos estão processando números em busca de uma resposta. Para Jeffrey Inaba, diretor do escritório de arquitetura Inaba Williams, com sede no Brooklyn, a chave para o projeto eficiente para espaços de trabalho não está necessariamente em mais informação, mas sim em pensar estrategicamente sobre o que a arquitetura pode fazer por uma organização como um todo. Espaços que podem antecipar e responder a mudanças futuras nos negócios, como rápido crescimento ou o "enxugamento", garantem que a arquitetura do local de trabalho possa servir efetivamente a uma organização em todos os cenários. “O verdadeiro serviço de arquitetura é pensar em como questionar o que o cliente precisa”, diz Inaba. "É o papel do arquiteto projetar o que pode ser introduzido, em vez do que é apropriado e óbvio".

Os primeiros modelos de negócios digitais estão carregando outras demandas para os locais de trabalho, o que é chamado uma representação real, voltada para o exterior, de uma empresa que os clientes conheciam online. “As pessoas que nos procuram percebem que, à medida que o mundo se torna mais virtual e o trabalho se torna mais imaterial, a arquitetura se torna mais importante para seus negócios”, diz ele. "É uma maneira deles se destacarem, produzir espaços que são especiais porque são físicos".

A definição de um local de trabalho eficaz está, como sempre, mudando constantemente. E para Inaba, as necessidades de cada cliente são diferentes. "Em muitos casos, a mudança para o espaço físico está sendo feita pela primeira vez", diz ele. “O projeto trata de revelar as questões que uma empresa precisa  perguntar para si.”

Este artigo faz parte da seção especial “tech x interiores” que foi editada por convidados pelo escritório Studio O + A. A seção, publicada na edição de abril de 2018 da Revista Metropolis, explora como a tecnologia está reformulando os locais de trabalho. Você pode encontrar a seção completa online aqui.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Phillip Denny
Autor
Cita: Denny, Phillip. "Como a Big Data vem revolucionando os projetos para espaços de trabalho" [Firms Like Zaha Hadid Architects Are Revolutionizing Office Design Using Big Data] 11 Jun 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/896025/como-a-big-data-vem-revolucionando-os-projetos-para-espacos-de-trabalho> ISSN 0719-8906