O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Contradições no turismo de massa em Lisboa

Contradições no turismo de massa em Lisboa

Contradições no turismo de massa em Lisboa
Interferência visual na paisagem vista do Miradouro das Portas do Sol. Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Interferência visual na paisagem vista do Miradouro das Portas do Sol. Image © Sérgio Ulisses Jatobá

Que o turismo de massa gera grandes inconvenientes para os moradores locais, beneficia grandes grupos empresariais em detrimento dos pequenos empreendedores e causa estragos que podem descaracterizar justamente o que torna atrativo um lugar, já sabemos. Mas também é forçoso admitir que o turismo traz empregos, aumento de renda, estimula novos negócios e melhora a qualidade urbana em muitos aspectos, via revitalizaçoes urbanas, melhoria da infraestrutura e construção de equipamentos culturais, por exemplo. 

Lisboa vivencia há alguns anos  um boom turístico que têm estes dois aspectos. A cidade mudou, sem dúvida. Reabilitações urbanas deram nova vida às áreas deterioradas, com a revitalização de espaços públicos, investimentos na recuperação e retrofitizacao de edifícios que de outro modo, em muitos casos, estariam condenados a ruir,. Novos equipamentos culturais foram construídos, como o Museu de Arquitetura, Artes e Tecnologia - MAAT, projetado pela arquiteta britânica Amanda Levete e o novo Museu dos Coches de Paulo Mendes da Rocha, em associação com os escritório MMBB arquitetos e Bak Gordon Arquitetos.

Cartaz na Rua Augusta. Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Cartaz na Rua Augusta. Image © Sérgio Ulisses Jatobá

O conjunto destas obras e outras intervenções criaram um ciclo virtuoso que aqueceu o turismo e o mercado imobiliário e atraiu mais investimentos para melhoria urbana. É claro que nem todos estão ganhando nesse ciclo e há externalidades não computadas nessa equação. O preço dos imóveis encareceu, assim como os serviços públicos e o custo de vida. O resultado foi a gentrificacao que expulsou moradores e comerciantes antigos dos bairros revitalizados. 

Há outros exemplos negativos do turismo de massa em Lisboa que, por outro lado, também beneficiam uma parte da população. Grandes transatlânticos que aportam no Tejo, e podem ter a altura de um prédio de 16 pavimentos, são uma interferência incômoda na bela vista que se descortina dos miradouros de Alfama, mas trazem levas de turistas que aumentam os lucros de restaurantes e lojistas, dentre outros. Os tuk-tuks a gasolina, que criaram uma alternativa de renda para muitos lisboetas, causam barulho e poluição nos outrora bairros tranquilos da cidade. Prédios deteriorados se transformam  em edifícios restaurados onde surgem hotéis e novos apartamentos arrendados via Airbnb, que a despeito do ganho que proporcionam a muitos, provocam a antipatia de moradores e elevaram em demasia o preço dos aluguéis. 

Edifício a venda em área sendo reabilitada. Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Edifício a venda em área sendo reabilitada. Image © Sérgio Ulisses Jatobá

Lisboa também ganhou em animação urbana, que as vezes se transforma em perturbação do sossego de outrora. Diga-se da famosa Rua Augusta, na Baixa, antes quase sempre deserta à noite e atualmente tão apinhada de gente que se iguala na dificuldade de mobilidade às ruelas de Veneza, bem mais estreitas.

O dinamismo econômico trazido pelo turismo de massa, que recem descobriu Lisboa renovou a cidade e ajudou a amenizar os efeitos da crise de 2008, que ainda perduram.  Uma parte dos lisboetas, contudo têm crescentemente questionado os ganhos advindos desse turismo massivo. Coisa que já se passou de forma semelhante em Barcelona e levou à adoção de medidas de controle da atividade turística e imobiliária, não sem resistência dos setores que lucram com elas. Na verdade Barcelona, que tem 2 milhões de habitantes e recebe 7,5 milhões de turistas por ano, quer evitar o que comprometeu Veneza, que tem 60 mil habitantes e recebe 20 milhões de turistas por ano. Dados recentes dão conta que quase 50% dos venezianos abandonaram a cidade nos últimos 30 anos, expulsos pelo encarecimento da vida e dos imóveis e pelo caos turístico. 

MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia . Image © Sérgio Ulisses Jatobá
MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia . Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Pichação nos muros de Alfama. Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Pichação nos muros de Alfama. Image © Sérgio Ulisses Jatobá

Lisboa quer aprender com as experiências de Veneza e Barcelona e não vender literalmente a sua alma poética ao turismo de massa. Mas sabe que não é fácil corrigir os seus excessos sem inibir os benefícios econômicos e urbanos que ele traz. Enquanto isto,  nós, os turistas, nos apressamos em visitar Lisboa antes que o turismo de massa destrua a sua atmosfera mágica, sem levar em conta que, tal qual na tragedia dos comuns,  só estamos contribuindo para abreviar essa destruição. 

Este artigo foi enviado por um de nossos leitores. Envie o seu também para colabore@archdaily.com

Quem vai poder morar em Lisboa? Da gentrificação e do turismo à subida no preço da habitação: causas, consequências e propostas

O Estado adoptará uma política tendente a estabelecer um sistema de renda compatível com o rendimento familiar e de acesso à habitação própria. Ponto 3 do artigo 65º da Constituição Portuguesa Um grupo informal de habitantes da cidade de Lisboa juntou­-se à volta de uma preocupação comum: a percepção de uma abrupta alteração das dinâmicas da cidade e sobretudo da grande subida do preço da habitação.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Sérgio Ulisses Jatobá
Autor
Cita: Sérgio Ulisses Jatobá. "Contradições no turismo de massa em Lisboa" 28 Fev 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/889867/contradicoes-no-turismo-de-massa-em-lisboa> ISSN 0719-8906