O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Esta cidade murada medieval mostra como o urbanismo tradicional pode suportar altas densidades

Esta cidade murada medieval mostra como o urbanismo tradicional pode suportar altas densidades

Esta cidade murada medieval mostra como o urbanismo tradicional pode suportar altas densidades
© Sabine de Villeroy
© Sabine de Villeroy

A fortaleza protetora, as ruas de paralelepípedos e a disposição urbana medieval são características de muitas cidades costeiras da Europa. Mas ao explorar a cidade francesa de Saint-Malo, é difícil acreditar que esta seja a cidade original. O que separa Saint-Malo de muitas outras cidades europeias localizadas junto ao mar, desde sua localização marcante, - é a complexa história de como ela foi completamente destruída na Segunda Guerra Mundial, mas reconstruída com a sua estética original.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/ferrariguy90/8467381701'>Flickr user Trevor Huxham</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-NC-ND 2.0</a> © <a href='https://www.flickr.com/photos/archer10/15206970485'>Flickr user Dennis Jarvis</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> Desconhecido, <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Saint-Malo_après_la_bataille_de_1944.jpg">Saint-Malo après la bataille de 1944</a>, marked as public domain, more details on <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/Template:PD-old">Wikimedia Commons</a> © <a href='https://www.flickr.com/photos/lutherankorean/2652730156'>Flickr user Pom Angers</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> + 7

© <a href='https://www.flickr.com/photos/lutherankorean/2652730156'>Flickr user Pom Angers</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
© Flickr user Pom Angers licensed under CC BY-SA 2.0

Saint-Malo foi fundada no século I aC, a uma curta distância a sul de sua localização atual na Bretanha, no noroeste da França. O primeiro assentamento, que atualmente é St-Servan, foi construído por tribos celtas para controlar a entrada do rio Rance para fins econômicos e militares. Após a queda do Império Romano, um novo assentamento que eventualmente se tornaria a cidade murada de St Malo foi criado por monges que fugiam das Ilhas Britânicas.

Em 1144, o bispo Jean de Châtillon deu à cidade de Saint-Malo o status de direito de asilo que encorajava todo tipo de ladrões e bandidos a se deslocarem para lá, tornando-se a casa ideal para os corsários franceses ou piratas nomeados pelo rei da França. Os Corsários aumentaram suas riquezas saqueando navios estrangeiros no Canal da Mancha, viajando até Plymouth na costa inglesa. À medida que a riqueza de Saint-Malo começou a crescer, os limites da cidade se expandiram, passando da ilha para o continente. No entanto, o litoral murado continuou a desempenhar um papel fundamental na definição do lugar de Saint-Malo no mundo durante séculos vindouros.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/ferrariguy90/8467381701'>Flickr user Trevor Huxham</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-NC-ND 2.0</a>
© Flickr user Trevor Huxham licensed under CC BY-NC-ND 2.0

Em 1940, os nazistas invadiram a cidade de Saint-Malo e a ocuparam como parte do Muro Atlântico. Embora, no final da guerra, menos de 100 tropas e duas instalações antiaéreas permanecessem, os Aliados acreditavam que os poderes do Eixo possuíam grandes armamentos nas paredes da cidade. Como resultado, Saint-Malo foi severamente bombardeada pelos Aliados em 1944 e quase completamente destruída pelos bombardeios americanos e navais britânicos. 80% da cidade estava perdida.

Desconhecido, <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Saint-Malo_après_la_bataille_de_1944.jpg">Saint-Malo après la bataille de 1944</a>, marked as public domain, more details on <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/Template:PD-old">Wikimedia Commons</a>
Desconhecido, Saint-Malo après la bataille de 1944, marked as public domain, more details on Wikimedia Commons
Fonte da imagem: British official photo from OWI., <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/File:RAF_attack_Saint_Malo_31_Jul_1942.jpg">RAF attack Saint Malo 31 Jul 1942</a>, marked as public domain, more details on <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/Template:PD-UKGov">Wikimedia Commons</a>
Fonte da imagem: British official photo from OWI., RAF attack Saint Malo 31 Jul 1942, marked as public domain, more details on Wikimedia Commons

Ao longo do período de 12 anos entre 1948 e 1960, a cidade foi reconstruída com tijolos por tijolos pelos determinados Malouins. No entanto, em vez de tentar modernizar o estilo de arquitetura em Saint-Malo, ela foi restaurada em sua glória original, mantendo seu caráter medieval.

Os responsáveis pela sua reconstrução planejaram que ela fosse próxima ao original, com algumas modificações. Enquanto o castelo foi replicado e transformado na prefeitura, o hospital e a prisão foram transferidos para fora das muralhas da cidade. As mansões foram reconstruídas com fachadas de granito idênticas e apenas um punhado de casas enxaimel de 1600 foram mantidas. Em contraste com outras cidades que foram reconstruídas após a guerra, como Varsóvia e Dresden, não há sinais evidentes de construção moderna.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/archer10/15206970485'>Flickr user Dennis Jarvis</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
© Flickr user Dennis Jarvis licensed under CC BY-SA 2.0

Saint-Malo parece ser o estudo de caso perfeito para examinar uma época em que as cidades europeias foram desenvolvidas em torno de sistemas de trânsito medievais, quando era necessária a caminhada e quando os mais ricos moravam no núcleo urbano. Hoje, durante a alta temporada turística de Saint-Malo, a cidade acomoda mais de 200 mil pessoas. Com aproximadamente 57 pessoas / acre, isso é mais do que a densidade média de Tóquio (25 pessoas por acre) e Vancouver (22 pessoas por acre), tornando-se um exemplo fantástico de como o urbanismo tradicional ainda pode ser construído e acomodar populações densas sem o padrão de se tornar uma megacidade de arranha-céus.

Ver a galeria completa

Cita: Overstreet, Kaley. "Esta cidade murada medieval mostra como o urbanismo tradicional pode suportar altas densidades" [This Medieval Walled Town with a Storied History Shows How Traditional Urbanism Can Support High Density] 19 Fev 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/889231/esta-cidade-murada-medieval-mostra-como-o-urbanismo-tradicional-pode-suportar-altas-densidades> ISSN 0719-8906