O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Estudantes usam análise computacional complexa para criar um pavilhão aparentemente impossível

Estudantes usam análise computacional complexa para criar um pavilhão aparentemente impossível

Estudantes usam análise computacional complexa para criar um pavilhão aparentemente impossível
Estudantes usam análise computacional complexa para criar um pavilhão aparentemente impossível, © Maggie Janik
© Maggie Janik

Testando os limites da viabilidade estrutural e modelagem computacional, o Komorebi Pavilion 2017 utilizou chapas finas de tereftalato de polietileno (PETG) de forma única para desenvolver um fechamento etéreo e autoportante. O pavilhão é o resultado de uma colaboração entre estudantes de arquitetura da Harvard Graduate School of Design (GSD) e pesquisadores de engenharia da Universidade de Tóquio.

© Maggie Janik
© Maggie Janik

O projeto, que durou seis meses, foi liderado pelo arquiteto de Cambridge Mark Mulligan (Professor Associado em Prática, GSD) e o engenheiro estrutural Jun Sato, professor associado de Tóquio, que se reuniu pela primeira vez em julho de 2016 para organizar o quadro para o projeto. Uma charrette em novembro de 2016 da GSD pediu a 60 alunos que criassem um pavilhão auto-portante que usasse somente as folhas de 3/32 "de PETG. O projeto procurou explorar como a aplicação de análises computacionais avançadas poderia ser usada para projetar, fabricar e montar formas estruturais redundantes.

© Maggie Janik
© Maggie Janik

Komorebi - uma palavra japonesa que descreve os efeitos espaciais da "transmissão da luz solar através das árvores" foi oferecido por Sato como diretriz do projeto, incentivando os alunos a considerarem as condições de luz e fechamento e usar o software 2D Spectrum Analysis para testar os efeitos de luzes aleatórias. Isso também teria o efeito de enfatizar a legibilidade estrutural do sistema.

Algoritmos Sato e sua equipe desenvolveram para converter configurações de forma livre em modelos de análise estrutural. Imagem © Maggie Janik
Algoritmos Sato e sua equipe desenvolveram para converter configurações de forma livre em modelos de análise estrutural. Imagem © Maggie Janik
© Maggie Janik
© Maggie Janik

A ideia era empurrar os limites do material, as possibilidades de conexão e a forma produzida. Não foram permitidos materiais ou conectores adicionais. Os alunos foram desafiados a evitar formas estruturais convencionalmente "estáveis", a fim de testar a viabilidade de formas irregulares.

© Maggie Janik
© Maggie Janik
© Maggie Janik
© Maggie Janik

Três equipes foram selecionadas no final da charrette para fundir suas melhores ideias em um único esquema de design que seria desenvolvido ao longo dos dois meses seguintes, usando modelagem física e computacional e trocando esboços e dados com a equipe de Sato em Tóquio. Uma variedade de geometrias modulares foram analisadas quanto à sua capacidade de interligação em diferentes configurações, orientações, ângulos e distâncias para outros módulos.

O processo não foi feito sem tentativas. As maquetes precoces provaram que as folhas da PETG eram mais propensas a dobrar que o esperado. A rigidez foi aumentada através do uso de calor - introduzindo curvatura dupla. Juntamente com o desenvolvimento em pequena escala de geometria de módulos e opções de junções, os esquemas de massa das formas potenciais foram propostos e avaliados por algoritmos complexos produzidos pela equipe de Sato que convertem configurações de forma livre em modelos de análise estrutural.

Módulo Típico. Image © Maggie Janik
Módulo Típico. Image © Maggie Janik
Croquis das iterações dos módulos
Croquis das iterações dos módulos

O projeto foi fabricado na instalação de fabricação da Autodesk em Boston - BUILD Space, que hospedou a equipe GSD e dois pesquisadores por duas semanas em janeiro. A montagem do pavilhão, incluindo alguns colapsos, reforçou para os alunos que eles estavam trabalhando com um sistema à beira da viabilidade estrutural e destacou as discrepâncias entre o artefato real e o modelo de computador idealizado.

© Maggie Janik
© Maggie Janik

O Pavilhão Komorebi esteve em exibição no BUILD Space por um mês e depois foi novamente montado para a exposição de GSD em maio de 2017 no Gund Hall. Foi bem recebido e muitos perguntando-se sobre o que o sustentava, provando o sucesso da experimentação, o conceito e o produto final.

Título do Projeto: Komorebi Pavilion
Arquitetos: Harvard Graduate School of Design, Tokyo University
Ano: 2017
Área Construída: 6,2 m²
Localização do Projeto: Gund Hall, Cambridge, MA
Instrutores: Mark Mulligan, Associate Professor in Practice (Harvard GSD) / Jun Sato, Associate Professor (University of Tokyo)
Equipe de estudantes GSD: Ignacio Cardona, DDes ’19: teaching fellow and team supervisor Paul Mok, M.Arch ’18 Carly Gertler, M.Arch ’17 Chao Gu, MDE ’18 Cari Alcombright, M.Arch ’18 Scott Smith, M.Arch ‘17 LeeAnn Suen, M.Arch ‘17 Yousef Hussein Awaad, M.Arch ‘18 Danielle Kasner, M.Arch ’18 Gary Lin, M.Arch ’18 Meric Ozgen, M.Arch ’18 Anne Schneider, M.Arch ’18 Valeria Fantozzi, M.Arch ‘18 Irene Preciado, M.Arch ‘18 James Zhang, M.Arch ‘18
Equipe de estudantes University of Tokyo: Ying Xu Iris Zhang
Equipe Autodesk BUILD Space: Athena Moore Adam Allard, Taylor Tobin, Joshua Aigen
Fotografias: Maggie Janik

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Tessa Forde
Autor
Cita: Forde, Tessa. "Estudantes usam análise computacional complexa para criar um pavilhão aparentemente impossível" [Students use Complex Computer Analysis to Generate Seemingly Impossible Plastic Pavilion] 11 Jan 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/886726/estudantes-usam-analise-computacional-complexa-para-criar-um-pavilhao-aparentemente-impossivel> ISSN 0719-8906