O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Teatro
  4. Estados Unidos
  5. Edward Durell Stone & Associates
  6. 1932
  7. Clássicos da Arquitetura: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey

Clássicos da Arquitetura: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey

Clássicos da Arquitetura: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey
Clássicos da Arquitetura: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey, Courtesy of Flickr user Erik Drost
Courtesy of Flickr user Erik Drost

Ao abrir suas portas pela primeira vez em uma noite chuvosa de inverno em 1932, o Radio City Music Hall, em Manhattan, foi proclamado tão extraordinariamente lindo que não precisava de artistas. O primeiro componente construído do enorme Rockefeller Center, o Music Hall tem sido o maior teatro de rua do mundo há mais de oitenta anos. Com os seus elegantes interiores Art Deco e maquinário de palco, o teatro desafiou a tradição, definindo um novo padrão para locais de entretenimento modernos que permanecem até hoje.

Courtesy of Flickr user Ed Schipul Courtesy of Flickr user Roger Courtesy of Flickr user Steve Huang Courtesy of Flickr user Mattia Panciroli + 10

O notável filantropo industrial John D. Rockefeller Jr. foi abordado em 1928 por um grupo de líderes de Nova Iorque que procuravam construir uma nova ópera para a Metropolitan Opera Company. Embora o próprio Rockefeller não estivesse particularmente preocupado com a ópera, seu senso de dever cívico e o favorável clima econômico do final dos anos 1920 o convenceu a apoiar o projeto. Em outubro do mesmo ano, assinou um contrato de arrendamento com a Columbia University para uma parcela de terra em Midtown Manhattan. Infelizmente, as lutas internas entre os membros do comitê de ópera e a instabilidade do mercado de ações de 1929 levaram ao fim do projeto, deixando a Rockefeller com uma concessão de longo prazo que lhe custou US $ 3,3 milhões por ano. [1]

Courtesy of Flickr user Roger
Courtesy of Flickr user Roger

Ao invés de tentar romper seu contrato, Rockefeller tomou a decisão de construir um complexo de qualidade tão excepcional que atrairia o comitê, apesar do clima de negócio morno do início da década de 1930. Além de preocupações fiscais, no entanto, Rockefeller sonhava em criar algo que deixasse um poderoso impacto no tecido da cidade - um ícone que representaria otimismo e esperança - o "Sonho Americano" - em meio à tristeza da Grande Depressão econômica. [2]

A busca de Rockefeller por um comitê a substituir a Metropolitan Opera Company levou-o à Radio Corporation of America, que produzia programas de rádio e possuía a National Broadcasting Company e o estúdio de filmes RKO. Esta parceria, oficializada em junho de 1930, trouxe uma das estrelas de rádio da NBC, S.L. Rothafel - mais popularmente conhecido por seus ouvintes como "Roxy". Com aberturas de teatro bem sucedidas, ele saiu do Teatro Roxy para assumir um novo cargo como diretor geral dos dois teatros a serem construídos no Rockefeller Center. O Roxy Theatre ganhou a maior ocupação de qualquer um no mundo após sua abertura em 1927, e agora Roxy mais uma vez procurou reivindicar esse título para seu último projeto. [3]

Diagrama em corte a partir de uma edição de 1933 da Popular Science. Imagevia thomwall.com
Diagrama em corte a partir de uma edição de 1933 da Popular Science. Imagevia thomwall.com

Enquanto Roxy pode ter sido uma estrela em seu campo, o designer escolhido para criar os interiores do Music Hall era um parente desconhecido: Donald Deskey. Deskey, que anteriormente havia projetado salas para a casa de Rockefeller em Manhattan, era um defensor do ideal da Bauhaus de que o design não deveria se apegar ao passado, mas estabelecer um novo e atemporal clássico. Ele também frequentou a Exposição Internationale des arts decoratifs e industriels modernes, a exposição de 1925 que tornou-se o homônimo do Art Deco. Sua lógica ao futuro do projeto era perfeitamente adequada ao tema do Rockefeller Center: "O progresso do homem, suas realizações ao longo dos séculos na arte, na ciência e na indústria". [4]

via randylee.tv
via randylee.tv

Ao invés de contar com profusa ornamentação, como era típico para os teatros antes de 1930, o Radio City Music Hall fazia sua marca através de uma abordagem moderna e considerável restrição. Deskey projetou mais de trinta espaços, incluindo um grande Foyer, vários lounges e salas de fumo, cada um com seu próprio visual. Os artesãos contribuíram com têxteis, balaustradas e outros elementos decorativos, enquanto uma coleção de artistas criou diversos murais e esculturas. Enquanto Deskey utilizou materiais tradicionalmente luxuosos como ouro e mármore, também os combinou com novos produtos industriais como Baquelite, permatex e alumínio. O resultado não foi o choque típico da ornamentação frenética, mas um luxo art déco mais subjetivo e simplificado. [5]

Courtesy of Flickr user Steve Huang
Courtesy of Flickr user Steve Huang

Para o observador externo, a grande escala do Radio City Music Hall não é prontamente aparente. Enquanto o neon se estende por todo o quarteirão, a bilheteria é um espaço comparativamente modesto. Uma vez que os hóspedes atravessam as portas, no entanto, entram no Grande Foyer - um grande átrio com uma altura de dezoito metros. Este espaço era surpreendente em sua elegância silenciosa, com balaustradas de bronze elegantemente curvadas, espelhos na altura total apoiados com ouro em vez da prata usual e um imenso mural composto dos mesmos tons vermelhos e dourados pelo resto da sala. Os típicos teatros do período imitaram estilos exóticos de outras culturas ou o passado, evocando uma espécie de descolamento da realidade. O projeto de Deskey, entretanto, se aproximava mais adequadamente a um sofisticado hotel ou navio, do que a um teatro. [6]

O Medalhão dos Dançarinos no exterior do Salão. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>. ImageCourtesy of Flickr user Heather Paul
O Medalhão dos Dançarinos no exterior do Salão. Used under Creative Commons. ImageCourtesy of Flickr user Heather Paul

Embora o Grand átrio seja deslumbrante em si, o auditório é, naturalmente, a peça central do Music Hall. Uma série de arcos, o maior dos quais é um comprimento total de 18,3 metros de altura, irradiam a partir do palco. Esta série escalada de arcos era a ideia de Roxy; Ele explicou à imprensa que desejava recriar, através da arquitetura e iluminação, o mesmo efeito que um nascer do sol que ele havia testemunhado em uma travessia transatlântica. Graças às luzes coloridas escondidas atrás de cada arco sucessivo, uma infinidade de efeitos visuais além do  "nascer do sol" podem ser alcançados. [7]

Courtesy of Flickr user Mattia Panciroli
Courtesy of Flickr user Mattia Panciroli

O teto curvo também colaborou na acústica, embora fosse reforçada pela instalação de alto-falantes atrás de grelhas douradas nas paredes. A tecnologia e a arquitetura se complementaram neste sistema: o gesso que cobre os arcos absorve o excesso de reverberação do som, permitindo a transmissão através dos alto-falantes do auditório de forma clara. [8]

As realizações técnicas mais elaboradas, no entanto, foram encontradas no próprio palco. Diversos recursos foram incluídos para garantir que o Music Hall pudesse deslumbrar o público observando a variedade completa de produções de palco. O palco foi dividido em três seções, cada uma das quais poderia ser hidraulicamente levantada ou abaixada independentemente de seus vizinhos. Além disso, um círculo que irradia quase dez metros do centro do palco poderia girar em qualquer direção, a primeira vez que essas duas capacidades foram combinadas em uma única etapa. Mesmo a própria cortina era uma novidade tecnológica, com treze motores elétricos que operavam cabos que permitiam que a cortina adotasse uma variedade de configurações incomuns além de apenas serem abertas ou fechadas. [9]

Salão de cavalheiros. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>. ImageCourtesy of Flickr user Kristina D.C. Hoeppner
Salão de cavalheiros. Used under Creative Commons. ImageCourtesy of Flickr user Kristina D.C. Hoeppner

Embora o programa de abertura da Radio City Music Hall, em 27 de dezembro de 1932, tenha sido criticado por Crítica, o próprio prédio não recebeu tal reclamação. [10] Na verdade, enquanto a falta de resposta ao programa literalmente enviou Roxy ao hospital, os elegantes interiores Art Deco de Deskey foram um sucesso instantâneo com os visitantes do teatro. Um artigo publicado na manhã seguinte no New York Tribune declarou que "o item menos importante no evento da última noite foi o próprio show... foi dito sobre o novo Music Hall que não precisa de artistas; que a beleza e conforto por si só são suficientes para satisfazer os mais graciosos dos espectadores ". [11]

Salão das senhoras. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>. ImageCourtesy of Flickr user Kristina D.C. Hoeppner
Salão das senhoras. Used under Creative Commons. ImageCourtesy of Flickr user Kristina D.C. Hoeppner

Nas décadas que se seguiram àquela noite de inverno chuvoso em 1932, o Radio City Music Hall cimentou seu status como um dos principais locais de performance do mundo. 300 milhões de pessoas participaram de shows e eventos no teatro desde a sua inauguração, e tem visto consistentes performances de atores e músicos ao longo de sua ilustre vida operacional. [12] Os interiores do teatro também estão praticamente inalterados em relação ao sua estado original, graças à cuidadosa manutenção e preservação dos interesses da Rockefeller. Aqueles que vão ver um show no Radio City Music Hall hoje, portanto, caminham em uma história cuidadosamente preservada, que parece ter alcançado o objetivo de Deskey em criar sua própria beleza atemporal. [13]

Referências
[1] Francisco, Charles. The Radio City Music Hall: An Affectionate History of the World's Greatest Theater. New York: Dutton, 1979. p2-3.
[2] "History." Radio City Music Hall. Accessed July 19, 2016. [link].
[3] Francisco, p3-5.
[4] Francisco, p8-10.
[5] “History.”
[6] Francisco, p24-27.
[7] Francisco, p15.
[8] Thompson, Emily Ann. The Soundscape of Modernity: Architectural Acoustics and the Culture of Listening in America, 1900-1933. Cambridge, MA: MIT Press, 2002. p221-223.
[9] "World's Biggest Stage Is Marvel of Mechanics." Popular Science, February 1933, 16-17. p16.
[10] Thompson, p221.
[11] Francisco, p24.
[12] “History.”
[13] Francisco, p24.

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey" [AD Classics: Radio City Music Hall / Edward Durell Stone & Donald Deskey] 24 Nov 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/884116/classicos-da-arquitetura-radio-city-music-hall-edward-durell-stone-and-donald-deskey> ISSN 0719-8906