O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times

A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times

A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times
A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times, Esquerda: Frank Lloyd Wright fotografado por Al Ravenna. Imagem <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Frank_Lloyd_Wright_portrait.jpg'>via Wikimedia</a> em Domínio Público. Direita: Le Corbusier. Image © Willy Rizzo
Esquerda: Frank Lloyd Wright fotografado por Al Ravenna. Imagem via Wikimedia em Domínio Público. Direita: Le Corbusier. Image © Willy Rizzo

Frank Lloyd Wright e Le Corbusier são arquitetos conhecidos por suas ideias grandiosas e inovadoras, bem como pela alta estima por suas próprias opiniões. Entretanto, os dois não compartilharam das mesmas visões para o futuro das cidades americanas e a civilização. Ambos os arquitetos tinham planos utópicos e abrangentes para sua cidade americana ideal, combinando ideias sociais e arquitetônicas. Em 1932, os dois descreveram essas ideias no The New York Times; nestes dois artigos Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tornaram muito claras  para o público suas diferenças de opinião sobre o futuro das cidades.

O desacordo começou em 3 de janeiro de 1932, quando Le Corbusier publicou um artigo no The Times sob o título “A Noted Architect Dissects Our Cities – Le Corbusier Indicts Them as Cataclysms and Describes His Ideal Metropolis.” (Um arquiteto notável destrói nossas cidades - Le Corbusier as considera desastres e descreve sua metrópole ideal". Discutindo cidades como Paris, Nova Iorque e Chicago, Le Corbusier explica sua visão do que conhecemos hoje como Ville Radieuse, queno artigo ele chama de Cidade Verde. Escrevendo que os arranha-céus americanos ainda não teriam ganho o título de arquitetura, mas que eram "meramente objetos pequenos, como estatuetas ou bugigangas, ampliados para proporções colossais", Le Corbusier propõe seu plano para os arranha-céus.

Ville Radieuse. Imagem <a href='http://land8.com/'>via land8.com</a>
Ville Radieuse. Imagem via land8.com

Incluindo espaços de estar isolados acusticamente e fachadas duplas de vidro bem iluminadas controlando os efeitos da temperatura exterior, as torres habitáveis ​​de Le Corbusier incluíam no mínimo 12 pavimentos de habitação e acomodavam 1.000 pessoas por hectare (2,47 acres). Além das próprias torres, sua visão incluía recomendações mais amplas para a vida urbana, principalmente na separação de pedestres e carros. O aspecto-chave desta solução que ele chamou de "autoestradas", elevava as rodovias em 4,8 metros acima do domínio dos pedestres no solo. Acreditando que esta separação resolveria a segurança dos pedestres e as preocupações com o tráfego de automóveis, Le Corbusier afirma que "a única solução é restaurar ao pedestre para a superfície da cidade, toda a superfície, a terra". Crendo que a sociedade de sua época não usava adequadamente as máquinas que criaram e que as cidades estavam "desatualizadas", o cerne das ideias de Le Corbusier para Ville Radieuse resume-se na descrição, "conhecimento, ética e estética", todos são um, expresso arquitetonicamente; uma nova unidade ".

Ville Radieuse. Imagem <a href='https://iamyouasheisme.wordpress.com/?s=corbusier#jp-carousel-914'>via iamyouasheisme.wordpress.com</a>
Ville Radieuse. Imagem via iamyouasheisme.wordpress.com

Quase três meses depois, veio a réplica de Frank Lloyd Wright. “‘Broadacre City’: An Architect’s Vision – Spread Wide and Integrated, It Will Solve the Traffic Problem and Make Life Richer, Says Frank Lloyd Wright” ('Broadacre City': a visão de um arquiteto - ampliada e integrada, solucionará o problema do trânsito e tornará a vida melhor, diz Frank Lloyd Wright" foi publicado no The New York Times em 20 de março de 1932. Nunca mencionando Le Corbusier pelo nome, Wright, entretanto, faz referência aos argumentos de seu contemporâneo usando os termos e ideias de Corbusier diretamente e respondendo (desfavoravelmente) para elas. A introdução do jornal torna a conexão com o artigo anterior de Le Corbusier perfeitamente clara, descrevendo as ideias de Wright como "diametralmente opostas" às de Le Corbusier. Em sua frase de abertura, Wright nos implora em não "tentar infantilmente tirar a cidade para conseguir um país verde e colocar a cidade novamente em seu antigo terreno - torres feudais um pouco mais distantes", em uma clara primeira alfinetada.

Croquis da Broadacre City de Frank Lloyd Wright. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/41894185893@N01/3444914'>Flickr user kjell</a> licensed under <a href='http://https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/deed.en'>CC BY-SA 2.0</a>
Croquis da Broadacre City de Frank Lloyd Wright. Imagem © Flickr user kjell licensed under CC BY-SA 2.0

As ideias de Wright, em vez disso, se concentravam na descentralização, defendendo que temos muito espaço e que os arranha-céus são desnecessários, exceto para os proprietários que cobram aluguel. Concentrando-se no crescimento orgânico, Wright via isso como o próximo passo natural para que a humanidade se removesse da vida agitada das cidades baseado(no que via como) as futuras inovações nos transportes. "Por que empilhar as ruas da cidade a um custo de bilhões de dólares, apenas incentivando a aumentar e enfrentar uma derrota inevitável?" Wright indaga sobre os autoestradas de Le Corbusier. Obviamente, acreditando que as ideias do adversário seriam impraticáveis e benéficas apenas para os ricos, Wright criticava ainda mais as torres habitacionais de Le Corbusier, afirmando que "não havia vida nelas. Só aluguéis."

Declarando que a a Broadacre City seria a única forma democrática para uma cidade por conta de sua integração sistemática de unidades individuais, Wright abrange o sistema rodoviário existente. As comodidades são espalhadas pelas rodovias e as residências aninhadas em parques e jardins e pequenas fazendas, todas cercadas por belas paisagens naturais; Wright argumenta que "1.000 pessoas por hectare parece demais. "Com a conveniência do transporte moderno e as inovações futuras, Wright pergunta por que a proximidade da cidade é importante. Em contraste, novamente com Le Corbusier, Wright prevê que "o problema de trânsito será resolvido como arquitetura. Mas não pela verticalidade ".

Maquete da Broadacre City. Imagem Cortesia da The Frank Lloyd Wright Foundation Archives (The Museum of Modern Art | Avery Architectural & Fine Arts Library, Columbia University, New York)
Maquete da Broadacre City. Imagem Cortesia da The Frank Lloyd Wright Foundation Archives (The Museum of Modern Art | Avery Architectural & Fine Arts Library, Columbia University, New York)

Nenhum dos dois viveu para ver suas visões tornarem-se realidades. Mas, ambos estavam certos sobre alguns aspectos de seu futuro, o presente de hoje. As opiniões de Le Corbusier sobre a tecnologia durante o seu tempo continuam a tocar com curiosidade atualmente. "Nós inventamos as máquinas e isso deveria estar liberando nossas mentes e nossas horas de lazer. Em vez disso, elas foram aproveitadas e nos mergulharam na escravidão", escreveu ele. Além disso, ainda não fizemos o progresso em direção à integração tecnológica perfeita que ele esperava. A tecnologia atual, de fato, parece estar se afastando da padronização que Le Corbusier esperava e mais perto da personalização e customização defendida por Wright em seu artigo.

Por outro lado, nem Wright teve sucesso em seus desejos de livrar nossas cidades de arranha-céus e proprietários (e, na verdade, propôs seu próprio arranha-céu de 1,6 km de altura duas décadas depois.) Seus sonhos de uma certa quantidade de terra para cada pessoa foram realizados até certo ponto nos subúrbios americanos, mas muitas dessas cidades dormitórios não possuem as comodidades que Wright insistia. Para não mencionar, a paisagem natural certamente não teve prioridade no planejamento da maioria dos assentamentos suburbanos. Embora vemos automóveis andando sem obstáculos a 16 metros acima do solo, como preconizava Le Corbusier, vários métodos de separação de carros de pedestres foram tentados em cidades ao redor do mundo. Hoje, os arranha-céus e outros edifícios ocupam mais de 12% da área disponível de terras nas cidades, mas os planejadores urbanos e arquitetos de hoje estão pressionando por uma maior densidade, algo que Le Corbusier provavelmente teria apreciado.

Ville Radieuse. Imagem <a href='http://land8.com/'>via land8.com</a>
Ville Radieuse. Imagem via land8.com

Não se pode dizer que Le Corbusier ou Frank Lloyd Wright realmente venceu a discussão ocorrida nos jornais de 1930, já que ambos tinham algumas ideias corretas e outras equivocadas. Mas se você olhar para suas visões mais como um comentário sobre a sociedade e uma exploração de conceitos, em vez de um plano literal para destruir e reconstruir cidades (embora, certamente, o último possa ter pretendido isso), fica claro que ambos os arquitetos reconheceram os mesmos problemas inerentes nas cidades. Ao tomar caminhos opostos para a solução, o público ficou com uma abundância de ideias para resolver problemas, e as futuras gerações podem escolher as melhores ideias de ambos os projetos. Nossas cidades atuais, certamente, ainda não são perfeitas e, provavelmente, os dois arquitetos ficariam desapontados - mas ambos, no entanto, estabeleceram uma base para o discurso (e o debate público) que continua a influenciar o planejamento urbano e a arquitetura atualmente.

Cita: Fowler, Megan. "A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times" [When Frank Lloyd Wright and Le Corbusier Had a Public Argument in The New York Times] 08 Jun 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/873168/a-vez-em-que-frank-lloyd-wright-e-le-corbusier-tiveram-uma-discussao-publica-no-new-york-times> ISSN 0719-8906
Ler comentários