O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Como o ar-condicionado ajudou a moldar a história da arquitetura (para melhor ou pior)

Como o ar-condicionado ajudou a moldar a história da arquitetura (para melhor ou pior)

  • 15:00 - 11 Junho, 2017
  • por Patrick Sisson
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Como o ar-condicionado ajudou a moldar a história da arquitetura (para melhor ou pior)
Como o ar-condicionado ajudou a moldar a história da arquitetura (para melhor ou pior), © <a href='http://www.cwcs.co.uk/'>CWCS Managed Hosting</a> via <a href='https://www.flickr.com/photos/122969584@N07/13778436885'>Flickr</a> licenesed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© CWCS Managed Hosting via Flickr licenesed under CC BY 2.0

Este artigo foi originalmente publicado na Curbed como "How air conditioning shaped modern architecture—and changed our climate."

Durante uma conversa com a New Yorker, um limpador de janelas que trabalhou no Empire State Building disse que alguns dos seus momentos mais difíceis teriam sido limpar o lixo que os inquilinos lançam pelas janelas. Em seus muitos anos trabalhando no arranha-céu da era da Depressão, ele encontrou inúmeros copos de café meio vazios nas janelas e até teve que limpar 20 potes de conserva de morango da fachada do prédio. Jogados para fora no inverno, eles grudam no exterior do arranha-céu.

Ver uma janela aberta em um arranha-céu parece ser uma peculiaridade, especialmente hoje, quando os gigantes de aço e vidro hermeticamente fechados oferecem a promessa de conforto climático controlado. Mas desde o Home Insurance Building de Chicago, inaugurado em 1884 e considerado um dos primeiros arranha-céus do mundo, o desafio da ventilação, resfriamento e aquecimento foi uma importante consideração da engenharia que ajudou a moldar a arquitetura moderna.

Os grandes edifícios comerciais da era moderna devem sua existência, em muitos aspectos, ao ar-condicionado, uma invenção com um legado decididamente ambíguo.

Home Insurance Building em Chicago, Illinois. Imagem <a href='https://www.loc.gov/item/2010634573/'>via Library of Congress</a>
Home Insurance Building em Chicago, Illinois. Imagem via Library of Congress

O ar-condicionado permitiu que nossos grandes edifícios modernistas aumentassem, mas também alimentaram a crise energética e ambiental de hoje. O ar-condicionado ajudou a criar uma nova tipologia de construção que os arquitetos e designers conscientes do meio ambiente estão tentando avançar com novos projetos e técnicas de refrigeração passiva.

"Os edifícios modernos não podem sobreviver a menos que estejam conectados a uma máquina de suporte de vida" afirmou o professor da Universidade de Cambridge, Alan Short. “No entanto, esse fetiche com arranha-céus de vidro, aço e ar-condicionado continua; Eles são símbolos de status ao redor do mundo em uma escala cada vez maior.”

Soluções clássicas para um problema antigo

O design inicial dos arranha-céus foi extraído das referências arquitetônicas clássicas para sombrear, esfriar e circular o ar. As torres clássicas em cidades como Chicago e Nova York tomam forma, em parte, pela necessidade de criar um ambiente viável antes do advento do ar-condicionado.

Como os edifícios vernáculos que formaram nossas metrópoles, os primeiros arranha-céus foram criados com a ventilação e o fluxo de ar levados em conta. Muitas das mesmas técnicas utilizadas em estruturas menores foram simplesmente adaptadas e ampliadas à medida que esses novos colossos, cingidos por esqueletos de aço, surgiam nos distritos comerciais de Nova York e Chicago.

Tetos altos, janelas operáveis e exposição extensa ao perímetro ajudaram a favorecer a ventilação e o fluxo de ar. Em Chicago, as torres iniciais foram projetadas com pátios centrais abertos e poços de luz; Alguns, como o famoso edifício Monadnock de tijolos, um proto-arranha-céu, foram projetados com um perfil longo e fino em mente, enquanto outras estruturas sugeriam letras quando vistas de cima, em forma de "C" ou "E." Estas formas garantiam que a luz do dia e a ventilação cruzada estivessem disponíveis em todos os lugares.

Erguido na esquina das ruas Randolph e State, o Templo Maçônico, o prédio comercial mais alto do mundo, até então, orgulhosamente proclamou seu domínio do horizonte. Projetado por John Wellborn Root da empresa Burnham & Root, o gigante de 21 pavimentos elevou-se um pouco acima de todos os outros na cidade que deu à luz ao arranha-céu. Mas sua altura não era a única característica que o fazia excepcional.

O Templo Maçônico em Chicago, 1901. Imagem <a href='https://www.loc.gov/item/2008678295/'>via Library of Congress</a>
O Templo Maçônico em Chicago, 1901. Imagem via Library of Congress

Os maçons secretos usavam muitos dos pavimentos mais altos para seus próprios ritos e rituais. Um jardim coberto de vidro e um espaço aquecido a vapor decorado com painéis de carvalho estavam disponíveis para festas privadas de gala. Mas, em sua maior parte, os hóspedes entravam pelo lobby dourado, se direcionavam a um dos elevadores para 14 passageiros e começavam a trabalhar. Eles entrariam em seu escritório, projetados com tetos altos para ajudar a capturar a luz natural e abririam uma janela para fornecer alguma ventilação.

Os arquitetos desses planos utilizaram influências da arquitetura clássica, bem como suas fachadas levavam pistas de referências históricas. Um dos grandes nomes da arquitetura de Chicago na época, Louis Sullivan, projetou um prédio em St. Louis, o Edifício Wainwright, destinado a imitar o layout do Uffizi, um edifício administrativo de Florença, Itália, construído no século XVII. Os arranha-céus de Chicago ainda tinham projetos de janelas específicas, com um painel grande e fixo, cercado por janelas menores que podiam ser abertas para ventilação.

The Wainwright Building em St. Louis. Imagem <a href='https://www.loc.gov/resource/hhh.mo0297.photos/?sp=6'>via Library of Congress</a>
The Wainwright Building em St. Louis. Imagem via Library of Congress

A nova classe de trabalhadores de colarinho branco que ocuparam esses escritórios de nível superior sofreu nos verões úmidos não apenas porque eles não conheciam nada melhor, mas porque os costumes sociais vitorianos não se importavam muito com conforto pessoal. De fato, a adoção de sistemas de ventilação mecânica, que foram inventados por Benjamin Franklin Sturtevant, na década de 1860, e tornou-se mais comum em edifícios mais altos no final do século XIX, deveu-se em grande parte aos problemas de calor e das lâmpadas e aquecedores de carvão e gás que traziam fumaça tóxica para os cômodos aumentando a crença de que as doenças eram causadas por miasma ou ar sujo.

Ainda assim, na época, a ventilação estava mais relacionada a um problema de saneamento do que pela necessidade de ser uma brisa reconfortante  - removendo o ar úmido e fétido de oficinas e espaços de trabalho lotados. Em meados da década de 1890, designers e arquitetos em Nova York precisaram arquivar seus planos de construção com o Bureau of Light and Ventilation. O edifício americano de segurança de 21 pavimentos em Nova York, construído em 1896, incluiu um sistema de ventilação, mas apenas para os sete pavimentos inferiores. Os trabalhadores nesses níveis não conseguiram abrir suas janelas devido à sujeira das ruas da cidade.

Telhado jardim e tubos de gelo

As primeiras tentativas de resfriamento interno ocorreram nos cinemas, de acordo com Cool: How Air Conditioning Changed Everything de Salvatore Basile, que se tornavam insuportavelmente abafados durante as apresentações no final do verão. Bombeando o ar resfriado pelo gelo ou concedendo acesso aos jardins no telhado, foram fatores que ocasionalmente ajudaram a evitar que os espectadores fossem ofuscados pelo ar úmido, mas a maioria falhou ou fez uma diferença quase imperceptível.

Isso não impediu que os telhados jardim se tornassem uma grande parte do circuito de entretenimento. Na cidade de Nova York, a cobertura do Madison Square poderia acomodar 4.000 pessoas. Para não ser ultrapassado, o jardim do Paradise Theatre apresentou uma aldeia falsa com um moinho de vento, cachoeira e duas vacas vivas leiteiras. Embora não pudessem oferecer um verdadeiro refúgio, poderiam oferecer pelo menos a ilusão de legal. O Victoria Theatre, na vizinhança, aqueceu o elevador que levava os clientes ao telhado, de modo que ganhariam a ilusão de alívio.

Antes que a tecnologia confiável fosse inventada, o resfriamento era um assunto muito mais complicado, embora isso não impedisse os empresários de tentar. De acordo com Basile, suas tentativas geralmente envolveram meios relativamente brutos de circulação mecânica de ar frio. A Colorado Automatic Refrigerating Company criou um sistema de "refrigeração por tubulação" no centro de Denver, com quilômetros de tubos subterrâneos através do distrito de negócios, oferecendo uma conexão para proprietários de edifícios locais à procura de ar refrigerado por gelo. Em Nova York, a Stock Exchange inaugurou um sistema de refrigeração de conforto, um sistema de ventilação forçada, o maior do país na época.

Alguns pioneiros tentaram outras formas primitivas de resfriamento mecânico. Talvez o primeiro exemplo seja o edifício Armor em Kansas City. Construído em 1900, a fábrica de embalagem, projetada por William Rose, o prefeito da cidade, apresentou uma sala de pulverização que enviava o ar através de um sistema de nebulização e "lavava" o ambiente, esfriando apenas alguns graus.

A invenção de Willis Carrier de refrigeração artificial no Brooklyn, em 1902, seria um ponto crucial, mas não uma solução imediata. Ele encontrou-se com a tecnologia enquanto tentava criar uma máquina que secasse as salas de impressão, de modo que a tinta não fervesse nas prensas em temperaturas úmidas. A máquina do portador "secava" o ar, passando-o através da água para criar nevoeiro, que teve o subproduto do arrefecimento do espaço circundante.

De forma adequada havia uma ampla gama de usos industriais e Carrier concentrou-se nesse mercado do início. Enquanto Carrier acabaria por pressionar as aplicações residenciais, também visando o novo mercado de cinema, a adoção de ar-condicionado residencial e comercial foi relativamente lenta.

Os primeiros edifícios com ar-condicionado

Em 1913, Carrier teve sua primeira instalação residencial, na mansão de Minneapolis de Charles G. Gates. Um homem rico tão livre com sua riqueza herdada que ele foi apelidado de "Gaste um milhão". Gates queria o melhor dos melhores para sua nova casa de 38 mil metros quadrados, incluindo um órgão de cano e maçanetas de ouro. Ele comprou uma unidade transportadora projetada para uma pequena fábrica, de acordo com Basile, mas ele infelizmente não conseguiu apreciar sua glória dourada; Morreu durante um acidente de caça antes que a casa estivesse terminada (sua esposa viveria lá apenas brevemente e a edificação foi vendida e finalmente demolida em 1933).

Larkin Administration Building de Frank Lloyd Wright, Que ele repetidamente alegou ser o primeiro edifício com ar-condicionado na história. Imagem <a href='https://en.wikipedia.org/wiki/File:LarkinAdministrationBuilding1906.jpg'>via Wikimedia</a> under public domain
Larkin Administration Building de Frank Lloyd Wright, Que ele repetidamente alegou ser o primeiro edifício com ar-condicionado na história. Imagem via Wikimedia under public domain

Frank Lloyd Wright também fez uma tentativa inicial de ar-condicionado com o Larkin Administration Building em Buffalo. Um projeto de discussão para o jovem arquiteto, a nova sede corporativa de uma empresa regional de sabão mostrou sua habilidade em tornar as pessoas "confortáveis" da sua própria maneira. Os passadores da claraboia adicionados para permitir a luz natural apenas tornaram o escritório desconfortavelmente quente e as mesas e cadeiras estranhas e customizadas que ele criou foram apelidadas de "cadeiras suicidas" por sua propensão a derrubar.  A Architectural Record chamou-o de "um monstro estranho".

Como o escritório era adjacente à fábrica da empresa, Wright também decidiu selar a estrutura das nuvens de gases tóxicos. Foi instalado um sistema de circulação de ar e refrigeração, utilizando um sistema de lavagem semelhante ao do Armor Building, mas, como no projeto de Kansas City, não fez muita diferença, especialmente com todo o ganho solar proporcionado pelas claraboias. Equipamentos adequados de ar-condicionado seriam adicionados anos mais tarde, mas isso não impediu Wright de reescrever a história para se adequar aos seus propósitos. Mais tarde, ele afirmou repetidamente que este foi o primeiro edifício com ar-condicionado.

Leia o restante do artigo na Curbed.

Sobre este autor
Patrick Sisson
Autor
Cita: Sisson, Patrick. "Como o ar-condicionado ajudou a moldar a história da arquitetura (para melhor ou pior)" [How Air Conditioning Helped Shape Architectural History (For Better or Worse)] 11 Jun 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/872931/como-o-ar-condicionado-ajudou-a-moldar-a-historia-da-arquitetura-para-melhor-ou-pior> ISSN 0719-8906