O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Bélgica
  5. Victor Horta
  6. 1895
  7. Clássicos da Arquitetura: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta

Clássicos da Arquitetura: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta

Clássicos da Arquitetura: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta
Clássicos da Arquitetura: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta, Cortesia de Wikimedia user Zinneke (CC BY-SA 3.0)
Cortesia de Wikimedia user Zinneke (CC BY-SA 3.0)

Para o observador contemporâneo, as linhas fluidas e a ornamentação naturalista do Art Nouveau não parecem particularmente radicais. Para alguns, o Art Nouveau pode até parecer um suspiro agonizante do classicismo do século 19, pouco antes do inconfundivelmente moderno Art Deco e estilos internacionais suplantassem-no como modos de escolha de projetos. O Hôtel van Eetvelde, projetado em 1897 por Victor Horta -o arquiteto considerado o pai do Art Nouveau- sugere uma história diferente. Com a sua inovadora estratégia espacial e a utilização expressiva de novos materiais industriais, o Hôtel van Eetvelde é um testemunho da novidade da "Nova Arte".

Cortesia de Wikimedia user Zinneke (CC BY-SA 3.0) Cortesia de Flickr user T P (CC BY-NC-ND 2.0) Cortesia de Wikimedia user Koenvde (Domínio Público) Esta fachada compreende as residências (townhouses) típicas de Bruxelas: estreitas, vários pavimentos, e altamente individuais em sua ornamentação. Cortesia de Flickr user Steve Cadman (CC BY-SA 2.0) + 6

Em 17 de dezembro de 1865, Leopoldo II subiu ao trono e tornou-se rei dos belgas. Desde o início de seu reinado ele perseguiu grandes planos para a revitalização da capital Bruxelas. Apoiado pelo poder (e ocasionais fundos) da coroa, avenidas elegantes, parques bem cuidados e museus majestosos começaram a proliferar em toda a cidade. Trata-se de uma transformação não muito diferente daquela que o Barão Haussmann e Napoleão III realizaram em Paris nas duas décadas precedentes, embora com uma distinção-chave: enquanto Paris se definia por blocos de apartamentos monolíticos esteticamente uniformes, a burguesia de Bruxelas encomendou casas privadas, cada uma projetada para se destacar expressivamente de seus vizinhos. O resultado, embora não menos impressionante do que as fachadas ordenadas parisienses, foi de extrema diversidade. [1]

Esta fachada compreende as residências (townhouses) típicas de Bruxelas: estreitas, vários pavimentos, e altamente individuais em sua ornamentação. Cortesia de Flickr user Steve Cadman (CC BY-SA 2.0)
Esta fachada compreende as residências (townhouses) típicas de Bruxelas: estreitas, vários pavimentos, e altamente individuais em sua ornamentação. Cortesia de Flickr user Steve Cadman (CC BY-SA 2.0)

Foi em meio a este boom de desenvolvimento que Edmond van Eetvelde, o secretário belga do Estado Livre do Congo -a colônia belga da África Central, que rapidamente se tornou infame por seus abusos de direitos humanos- encomendou a Victor Horta o projeto de sua nova casa. Os requisitos programáticos eram, segundo Van Eetvelde, "como os de todos os outros. Tenho que me entreter, então vou precisar de um salão grande, pelo menos, e uma sala de jantar tão grande que eu possa gerenciar. "[2] Isso não era tão comum como Van Eetvelde parecia acreditar. Apesar da sua diversidade exterior, casas em Bruxelas tendiam para praticamente idênticos layouts interiores; Como a grande maioria das casas eram profundas e estreitas, a incapacidade de tirar proveito da iluminação natural em outras partes, senão as paredes frontais e traseiras, tornou quaisquer desvios insustentáveis. Cabia a Horta encontrar uma forma de romper com o modus operandi estabelecido e satisfazer o sonho de seu cliente. [3]

A proeminência espacial do átrio, que também serviu como um poço de luz e escada, é facilmente aparente nos planos originais de Horta para os níveis de solo e principal. Desenho Original de Victor Horta
A proeminência espacial do átrio, que também serviu como um poço de luz e escada, é facilmente aparente nos planos originais de Horta para os níveis de solo e principal. Desenho Original de Victor Horta
A proeminência espacial do átrio, que também serviu como um poço de luz e escada, é facilmente aparente nos planos originais de Horta para os níveis de solo e principal. Desenho Original de Victor Horta
A proeminência espacial do átrio, que também serviu como um poço de luz e escada, é facilmente aparente nos planos originais de Horta para os níveis de solo e principal. Desenho Original de Victor Horta

Foi para resolver esse dilema que Horta criaria o grande gesto arquitetônico para o qual o Hôtel van Eetvelde viria a ser conhecido. De uma entrada relativamente modesta, os visitantes acessam por um pequeno corredor e ascendem a um átrio octogonal de pé-direito duplo. Este átrio, além de funcionar como um ponto de entrada e conter a escada principal da casa, também serve como um local ideal para receber os hóspedes- desde apenas alguns visitantes casuais ou até uma multidão reunidos para uma ocasião importante. Um anel de esbeltas colunas de ferro sobe em torno da periferia da sala, culminando em uma cúpula de vitrais brilhantes. [4,5]

A luz fluindo através do teto envidraçado sobre os pilares de ferro é uma reminiscência de uma estufa, um efeito que Horta reforçou com a ornamentação de inspiração botânica. Os padrões no vitral dão a impressão que o alto de cada coluna ramifica-se como uma copa de uma palmeira; As curvas sinuosas da ferragem nos corrimões inspiram-se nas vinhas. [6] Como a Bélgica era uma nação industrializada na década de 1890, o ferro e aço que produzia já eram vistos em muitas casas locais, como um meio de alargar as vergas das janelas. No entanto, não foi até o advento do Art Nouveau que ele descobriria uma expressão tão aberta e sofisticada no projeto arquitetônico - uma sugestão do Modernismo subjacente a um estilo que estava evidentemente preocupado com a imitação do mundo natural [7].

A ramificação do átrio era uma série de espaços organizados de uma forma que ecoava os ideais do urbanismo do século 19. Muito parecido com a cidade que se situa, o Hôtel van Eetvelde era uma mistura de pitorescas e sinuosas vias de circulação e vistas para os espaços importantes da casa. Da entrada ao nível do térreo à área de recepção no andar superior, os visitantes devem mudar de direção seis vezes, seguindo o perímetro do átrio à medida que sobem. A mudança de curso final oferece uma visão oblíqua da área de recepção, um fio condutor nos esquemas de circulação de Horta; alguns percursos na casa levam a uma vista frontal de paredes ou espaços. [8]

Cortesia de Wikimedia user Koenvde (Domínio Público)
Cortesia de Wikimedia user Koenvde (Domínio Público)

Com sua profusão de folhagens, forjadas de ferro e capturada em vitrais, o Hôtel van Eetvelde não é uma expressão óbvia das tendências modernistas. Sua ornamentação luxuosa e curvilínea é um forte contraste com o funcionalismo de edifícios como a Villa Savoye de Le Corbusier e até mesmo com o estilo Art Deco mais refinado de exemplos como o Edifício Chrysler; dependentes dos materiais industriais, eram altamente individualistas e não facilmente adaptáveis para uso difundido. No entanto, nada como o Art Nouveau tinha sido visto antes do final do século XIX. Como Art Deco e o Modernismo posterior, foi um estilo nascido de uma rejeição das tradições que tinham sido construídas na prática arquitetônica ocidental desde a época do Renascimento. Que a sua inspiração tenha vindo da natureza, isso não muda o fato de que o Art Nouveau tenha sido o primeiro passo na direção arquitetônica que seria tomado após a Primeira Guerra Mundial, por mais curto que tenha sido seu apogeu,

Cortesia de Flickr user T P (CC BY-NC-ND 2.0)
Cortesia de Flickr user T P (CC BY-NC-ND 2.0)

Mais de um século se passou desde que Horta finalizou o Hôtel van Eetvelde em 1900, e ainda assim, apesar da passagem do tempo e sua conversão para um edifício de escritórios, a casa foi deixada quase completamente intacta. Em 2000, o edifício foi nomeado Patrimônio Mundial da UNESCO, juntamente com três dos mais notáveis projetos de Horta: o Hotel Tassel, o Hôtel Solvay, e sua própria casa. [10] Com este reconhecimento e a proteção que oferece, este Hotel será preservado para o benefício das gerações futuras que, em vez de se maravilharem com a novidade que seus interiores possuíam, admirarão a elegância duradoura de seu gracioso e único desenho.

Referências

[1] Greenhalgh, Paul. Art Nouveau: 1890-1914. London: Victoria and Albert Museum, 2000. p275.
[2] Aubry, Françoise, and Jos Vandenbreeden. Horta: art nouveau to modernism. Ghent: Ludion Press, 1996. p46.
[3] Aubry and Vandenbreeden, p48.
[4] James-Chakraborty, Kathleen. Architecture Since 1400. University of Minnesota Press, 2014.
[5] Aubry and Vandenbreeden, p44.
[6] Banham, Joanna, and Leanda Shrimpton. Encyclopedia of interior design. London: Fitzroy Dearborn Publishers, 1997.
[7] James-Chakraborty.
[8] Aubry and Vandenbreeden, p47.
[9] Kostof, Spiro. A History of Architecture: Settings and Rituals. New York: Oxford University Press, 1985.
[10] "Major Town Houses of the Architect Victor Horta (Brussels)." UNESCO World Heritage Centre. Accessed January 03, 2017. [link].

Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta" [AD Classics: Hôtel van Eetvelde / Victor Horta] 13 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/805227/classicos-da-arquitetura-hotel-van-eetvelde-victor-horta> ISSN 0719-8906