O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Como Paul Revere Williams se tornou o primeiro afro-americano a receber a maior honraria do AIA

Como Paul Revere Williams se tornou o primeiro afro-americano a receber a maior honraria do AIA

  • 07:00 - 29 Dezembro, 2016
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Como Paul Revere Williams se tornou o primeiro afro-americano a receber a maior honraria do AIA
Como Paul Revere Williams se tornou o primeiro afro-americano a receber a maior honraria do AIA, La Concha Motel, Las Vegas, 1961. Imagem Cortesia de AIA
La Concha Motel, Las Vegas, 1961. Imagem Cortesia de AIA

Este mês, o Instituto Americano de Arquitetos (AIA) anunciou o ganhador da Medalha de Ouro 2017, Paul Revere Williams. Apesar da altíssima taxa de produção de sua carreira de cinco décadas, aqueles que não estão familiarizados com a arquitetura dos primeiros anos de Hollywood podem ser perdoados por não reconhecer o nome de Williams. Mas ele é notável por ter projetado cerca de 3.000 edifícios, por ser "o arquiteto das estrelas", incluindo, entre muitos outros, Frank Sinatra ... e por ser o primeiro membro negro do AIA.

Paley Home .Imagem Cortesia de AIA Cortesia de AIA Edifício LAX, finalizado com Pereira & Luckman, 1961. Imagem © Flickr user thomashawk. Licensed under CC BY-NC 2.0 Paley Home .Imagem Cortesia de AIA + 7

Cortesia de AIA
Cortesia de AIA

Os detalhes da vida de Williams, como afro-americano que presta um serviço a algumas das pessoas mais ricas e poderosas do país, são tão surpreendentes que muitas vezes eclipsam os detalhes de seu trabalho. Ao aprender sobre sua vida, é provável que se leia muito sobre como ele aprendeu a desenhar de cabeça para baixo para que ele não tivesse que se sentar muito perto de seus clientes ou como ele desafiou um professor do ensino médio que lhe disse que não havia nenhuma demanda para arquitetos negros. Muito menos comuns são relatos da progressão de sua obra dos estilos Tudor e Georgiano, através de um estilo "proto-modernista" despojado, para um modernismo mais puro e até futurista, anos mais tarde em sua carreira. [1]

O LA Times  reivindicou uma vez que "se você tem um retrato em sua mente da Califórnia do sul nas décadas de 1950 e 1960, você provavelmente imaginaria um edifício criado por Paul Williams." [2] Entretanto, este período não é necessariamente representante das três primeiras décadas da carreira do arquiteto. Como afirmou a New York Times Magazine em 2002, "Williams não era revolucionário" [3] e é notável que hoje em dia LA seja conhecida tanto por suas McMansions, aquelas imitações chocantes e ineptas das casas - competentes, porém conservadoras - de Williams para as estrelas de Hollywood, quanto pelo modernismo elegante e experimental que Williams representou mais tarde em sua carreira.

Cortesia de AIA
Cortesia de AIA

Seria possível argumentar que a arquitetura residencial anterior de Williams foi o resultado de um desejo de capitular os caprichos de seus clientes: os relatos de sua carreira estão cheios de histórias como sua promessa de entregar um projeto em menos de 24 horas para ganhar uma comissão sobre seus contemporâneos brancos, [4] ou a razão acima mencionada para desenhar de cabeça para baixo. Da mesma forma, ele é notado como sendo "animado pela nova estética modernista e ansioso para trabalhar com ela, embora também faria residências conservadoras e coloniais para os clientes que as queriam." [5]

A análise de Williams das suas escolhas de projeto foi ainda mais centrada no cliente: "Quando perguntado qual era a minha teoria projetual - que eu fiz tantos edifícios contemporâneos, mas eu evitei a abordagem exótica - a minha resposta foi que os projetos conservadores permanecem no estilo por muito mais tempo e são um investimento melhor. "[6]

Paley Home .Imagem Cortesia de AIA
Paley Home .Imagem Cortesia de AIA

A necessidade de Williams em apaziguar potenciais clientes que podem ser céticos em razão de sua raça aparece, freqüentemente, em desacordo com seu desejo de ser reconhecido por seu grande talento, independente de sua cor. Os dois impulsos se encontraram de forma mais dramática em um ensaio de 1937 que Williams escreveu para American Magazine intitulado "I Am a Negro". Aqui, Williams exige que os brancos "lidem comigo e com outros homens e mulheres de minha raça como problemas individuais, não como um problema de raça ". No entanto, ele não consegue se manter firme em sua posição, acrescentando que "os americanos brancos têm uma base razoável para seu preconceito contra a raça negra " e que mesmo se as pessoas atendessem a sua demanda anterior, os brancos e os negros devem permanecer separados na sociedade e "com razão". [7]

Felizmente, depois de mais vinte anos demostrando seu talento, parece que Williams ganhou o suficiente respeito que ele foi capaz de participar da cena arquitetônica de Los Angeles nos anos 50 e 60, o que impressionou o Los Angeles Times na virada do milênio.

Paley Home .Imagem Cortesia de AIA
Paley Home .Imagem Cortesia de AIA

Aqueles que acompanham os premiados da Medalha de Ouro da AIA podem traçar paralelos entre as circunstâncias em torno do prêmio deste ano e daquelas em torno da Medalha de Ouro de 2014, concedida a Julia Morgan. Naquele ano, Morgan foi a primeira mulher a receber a Medalha de Ouro, assim como Williams é o primeiro arquiteto negro a receber o prêmio. Enquanto Williams foi o primeiro arquiteto negro a ser membro da AIA, Morgan foi a primeira mulher a se formar na École des Beaux-Arts, de Paris, e a primeira arquiteta licenciada na Califórnia. E, enquanto Williams morreu em 1980, Morgan morreu quase 60 anos antes de seu prêmio póstumo.

Mas, enquanto o prêmio concedido a Julia Morgan foi criticado na época por "destacar as realizações da Sra. Morgan sem referência a gênero, cultura ou sua própria história", com uma pessoa acrescentando que "esse gesto é muito ruim para a nossa profissão já que premiar postumamente uma arquiteta do sexo feminino, 56 anos após sua morte, é considerado progresso ", [8] este ano o AIA tem tratado a situação de forma muito diferente. Seu comunicado de imprensa reconhece abertamente Williams como o primeiro afro-americano a receber a medalha e discute brevemente os desafios que ele enfrentou na sua trajetória.

Edifício LAX, finalizado com Pereira & Luckman, 1961. Imagem © Flickr user thomashawk. Licensed under CC BY-NC 2.0
Edifício LAX, finalizado com Pereira & Luckman, 1961. Imagem © Flickr user thomashawk. Licensed under CC BY-NC 2.0

Uma análise da carreira profissional de Williams e as restrições sociais subjacentes resultantes de sua cor de pele mostram quão difícil foi seu caminho. Claramente, adotar o comportamento do visionário abrasivo - no molde de um arquiteto como Frank Lloyd Wright - simplesmente não era uma opção para um arquiteto negro que trabalhava em meados do século XX. Como resultado, a arquitetura de Williams pode não ser tão proeminente nos livros de história arquitetônica como poderia ter sido, mas o AIA fez ao seu primeiro arquiteto negro um enorme serviço não só em reconhecer seu trabalho, mas em enquadrá-lo adequadamente no contexto da sua vida.

Em um artigo de 1994 na revista Ebony, Karen Hudson, neta de Williams e autora dos livros "Paul R. Williams, Arquiteto: Um Legado de Estilo" e "A Vontade e o Caminho: Paul R. Williams", afirma seu desejo de que livro sobre seu avô fosse o mais completo e equilibrado possível, afirmando que "tinha que aceitar que este poderia ser o único livro de Paul Williams". [9] À luz dessa citação de 22 anos, a escolha do AIA para a Medalha de Ouro 2017 mostra o quão longe nós viemos nas últimas décadas - mas também o quanto ainda há para ir.

Edifício LAX , finalizado com Pereira & Luckman, 1961. Imagem Cortesia de AIA
Edifício LAX , finalizado com Pereira & Luckman, 1961. Imagem Cortesia de AIA

Referências

  1. Ellen Weiss, “Reviewed Works: Paul R. Williams, Architect: A Legacy of Style by Karen E. Hudson; The Will and the Way: Paul R. Williams, Architect by Karen E. Hudson,” Journal of the Society of Architectural Historians, Vol. 53, No. 4 (Dez., 1994), p. 478
  2. Citado em Shashank Bengali, “Williams the Conqueror,” USC Trojan Family Magazine, Primavera 2004
  3. Pilar Viladas, “Star Turns,” New York Times Magazine, Agosto 18 2002, p. 189
  4. Bengali
  5. Weiss, p. 479
  6. Bengali
  7. Citado em Weiss, p. 480
  8. Guy Horton & Sherin Win, "The Indicator: O que a AIA Gold Medal de Julia Morgan significa para a igualdade na arquiteturaArchDaily, 06 Janeiro, 2014
  9. Karima A Haynes, “The Rich Legacy of a Black Architect,” Ebony Magazine, Março 1994, p. 102

Cita: Stott, Rory. "Como Paul Revere Williams se tornou o primeiro afro-americano a receber a maior honraria do AIA" [Black and Gold: How Paul Revere Williams Became the First African-American to Win the AIA's Highest Honor] 29 Dez 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/802003/como-paul-revere-williams-se-tornou-o-primeiro-afro-americano-a-receber-a-maior-honraria-do-aia> ISSN 0719-8906