O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Hotéis
  4. Chile
  5. Roberto Dávila Carson
  6. 1936
  7. Clássicos da Arquitetura: Cap Ducal / Roberto Dávila

Clássicos da Arquitetura: Cap Ducal / Roberto Dávila

Clássicos da Arquitetura: Cap Ducal / Roberto Dávila
Clássicos da Arquitetura: Cap Ducal / Roberto Dávila , © Natalia Yunis
© Natalia Yunis

O Cap Ducal é um restaurante em Viña del Mar, construído em 1936 pelo arquiteto Roberto Dávila. Situa-se sobre uma pedreira na Av. Marina, nos terrenos do que foi a primeira praia de banho pública de Viña. É o único edifício costeiro convertido em hotel que foi conservado desde os anos 30, evidenciando seu importante legado patrimonial. Como ocorreu em outras cidades latino-americanas, Viña del Mar testemunhou a paulatina integração entre as atividades marítimas e a vida urbana. [1] Durante os anos 30, aconteciam grandes reformas nos usos da cidade de Viña, que se estabeleceu como um dos balneários mais importantes do Chile. 

Vista fachada sul Cap Ducal. Imagem via Guía del Veraneante Viña del Mar, praia Miramar. Imagem via Guía del Veraneante Cap Ducal, 1939. Imagem via Revista En Viaje O edifício do Cap Ducal, 1938. Imagem via Revista de Arquitectura + 15

A massificação do turismo e o acesso às férias remuneradas exigia da arquitetura a criação de novas tipologias arquitetônicas que acolheram os programas necessários e que tiveram uma estética representativa da era moderna que estava sendo vivida. O Cap Ducal apresenta-se como representante dessa modernidade local, concebe-se como uma resposta a esta demanda, através de seu programa, arquitetura moderna e seu simbolismo.

O edifício do Cap Ducal, 1938. Imagem via Revista de Arquitectura
O edifício do Cap Ducal, 1938. Imagem via Revista de Arquitectura

O projeto do Cap Ducal nasce de um concurso privado, por parte de Domingo Tocornal Matte, aos escritórios dos arquitetos Roberto Dávila, Jorge Arteaga e de Corstabal y Garafulie, para a construção de um novo restaurante sobre as fundações de um antigo salão de chá.

Este seria finalmente atribuído a Roberto Dávila, arquiteto da Universidade do Chile, que acabava de voltar ao país após realizar estudos na Bauhaus de Dessau e trabalhar no escritório de Le Corbusier em Paris. Para o concurso, Dávila entregou cinco croquis relativos a quatro versões em estilos distintos: “um inspirado no castillo Wulff, próximo ao local com o nome de Vauberge Du Duc, outro de estilo espanhol com o nome de Palacio Ducal, outro que faz referência ao Palacio Ducal de Venecia com o nome Il Ducale, o quarto (com dois croquis) que utilizava a metáfora naval e que foi batizado de Cap Ducal (fazendo alusão a uma frota de barcos da época), do qual existem dois croquis desde a rua, mas olhando de norte a sul”. [2]

Embocadura do Marga-Marga, para a colina do castelo; a parte inferior da casa Mackenna Subercaseaux. Imagem via Colección del Museo Histórico Nacional
Embocadura do Marga-Marga, para a colina do castelo; a parte inferior da casa Mackenna Subercaseaux. Imagem via Colección del Museo Histórico Nacional

O projeto selecionado para o Cap Ducal configura-se em base a uma referência naval, fazendo alusão a um barco encalhado nas rochas. O arquiteto utiliza este simbolismo como forma de criar um vínculo com o entorno: o contexto social e urbano. O barco representa os avanços tecnológicos e a atividade portuária que caracterizam a cidade de Valparaíso.

© Natalia Yunis
© Natalia Yunis

A planta propõe claramente uma sequência espacial horizontal, em relação entre interior e exterior, através de três tipos de espaços: um núcleo rígido para a rua, espaços de continuidade desenvolvidos horizontalmente que se abrem para o exterior através da transparência gerada pela utilização de uma estrutura de pilares e janelas e, finalmente, espaços de extensão também desenvolvidos horizontalmente através das lajes em balanços sobre o mar. [3]

Reconstrução planta original
Reconstrução planta original

Seu programa público de restaurante e bar articula-se por um trajeto contínuo que começa na rua de pedestres e acaba em um terraço no quarto pavimento, que possui absoluto controle sobre as vistas ao mar. O trajeto perimetral do projeto desenvolve-se na forma de um 'Promenade Architectural', à medida que o visitante se desloca pela obra, desdobra-se ante sua ordem arquitetônica. É a facilidade e fluidez do trajeto que dotam o Cap Ducal de um caráter de espaço público permeável.

Vista fachada sul Cap Ducal. Imagem via Guía del Veraneante
Vista fachada sul Cap Ducal. Imagem via Guía del Veraneante

A consideração pelo entorno também é uma importante decisão de projeto, característica da arquitetura moderna da época. Atinge-se uma estreita relação entre o edifício e o contexto, através da abertura dos espaços internos para o exterior por meio de terraços que caem sobre o mar.

via Flickr user Liliane Etcheberrigaray
via Flickr user Liliane Etcheberrigaray

Através dos anos, o edifício tem sofrido uma série de transformações, resultando em uma clara deterioração de suas partes e sua relação com o entorno, mas tem conseguido conservar sua imagem moderna. Essa obra foi projetada como uma peça arquitetônica permeável, um espaço público aberto que articula o encontro dessa nova e moderna sociedade costeira. As ampliações e modificações dessa obra converteram o edifício hermético e privado, sem vinculação a seu contexto urbano. Apesar disso, o Cap Ducal segue tendo êxito e se mantendo ativo durante todo o ano.

Vista Av. La Marina. Imagem © Natalia Yunis
Vista Av. La Marina. Imagem © Natalia Yunis

[1] Para entender la urbanización del litoral: el balneario en la conformación del gran Valparaíso (siglos XiX y XX). Gonzalo Cáceres + Francisco Sabatini. ARQ nº55 dic 2003.
[2] Un nuevo espacio de veraneo: El Cap Ducal en la génesis de la modernidad. Macarena Cortés. ARQ nº55 dic 2003.
[3] Un nuevo espacio de Veraneo y la Metáfora Naval: el Cap Ducal en la Génesis de la Modernidad”. Macarena Cortés. Tesis Pontifica Universidad Católica, Magíster en Arquitectura, 2012.

  • Arquitetos

    Roberto Dávila Carson
  • Arquiteto Responsável

    Roberto Dávila Carson
  • Área

    700 m²
  • Ano do Projeto

    1936
  • Fotografias

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Roberto Dávila Carson
Escritório
Cita: Yunis, Natalia. "Clássicos da Arquitetura: Cap Ducal / Roberto Dávila " [Clásicos de Arquitectura: Cap Ducal / Roberto Dávila ] 24 Ago 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/793937/classicos-da-arquitetura-cap-ducal-roberto-davila> ISSN 0719-8906