O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Um projeto de biotecnologia para iluminar ruas e fachadas sem usar eletricidade

Um projeto de biotecnologia para iluminar ruas e fachadas sem usar eletricidade

Um projeto de biotecnologia para iluminar ruas e fachadas sem usar eletricidade
Um projeto de biotecnologia para iluminar ruas e fachadas sem usar eletricidade, © Glowee
© Glowee

A integração de biotecnologia nas cidades é o foco da startup francesa Glowee, que desenvolveu um sistema de iluminação que usa bactérias geneticamente modificadas; O objetivo da empresa é utilizar este método que não consume energia elétrica para iluminar fachadas, monumentos, vitrines e espaços públicos.

A ideia nasceu depois dos fundadores do Glowee assistirem um documentário sobre peixes e animais marinhos que produzem luz própria. Como transferir este sistema da natureza para as cidades? As bactérias, que não são tóxicas, recebem das lulas um gene de luminescência e são cultivadas em uma solução de nutrientes e açúcar para se multiplicarem.

© Glowee
© Glowee

A luz obtida através deste método é mais fria e suave, podendo contribuir para diminuir a "poluição luminosa" das cidades, além da vantagem ecológica de não utilizar energia elétrica, o que ajuda a reduzir as emissões de CO2.

Até o momento, a vida útil do sistema é de apenas três horas, porém, a empresa espera aumentar esse tempo para um mês, o que tornaria a solução adequada para o uso em vitrines até o próximo ano. Para 2018, espera-se que se possa utilizar as luzes em fachadas de edifícios, pontos de ônibus e placas. Os clientes, sejam públicos ou privados, pagarão uma taxa de inscrição para que a iluminação seja renovada cada vez que as bactérias deixem de emitir luz. 

Graças ao projeto, a Glowee ganhou um prêmio do polo francês de biotecnologia Genopole, um dos maiores polos da Europa no setor.

© Glowee
© Glowee
© Glowee
© Glowee

para saber mais sobre a iniciativa, acesse a página oficial da Glowee, sua página no Twitter ou no Facebook

Sobre este autor
Amanda Marton
Autor
Cita: Amanda Marton. "Um projeto de biotecnologia para iluminar ruas e fachadas sem usar eletricidade" [Un proyecto de biotecnología para iluminar calles y fachadas sin gastar electricidad] 13 Mai 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/787096/um-projeto-de-biotecnologia-para-iluminar-ruas-e-fachadas-sem-usar-eletricidade> ISSN 0719-8906