O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. 5 modos de redefinir o artesanato na era pós-industrial

5 modos de redefinir o artesanato na era pós-industrial

  • 07:00 - 5 Março, 2016
  • por Jeff Link
  • Traduzido por Eduardo Souza
5 modos de redefinir o artesanato na era pós-industrial
5 modos de redefinir o artesanato na era pós-industrial, Escultura La Voûte de LeFevre. Cortesia de Matter Design
Escultura La Voûte de LeFevre. Cortesia de Matter Design

O artesanato é um daqueles temas que quase todo mundo tem uma opinião forte. Mas enquanto muitos lamentam o fato de que as práticas artesanais tradicionais estarem em declínio desde a revolução industrial, hoje uma nova geração de arquitetos e designers começam a redefinir e atualizar a noção de artesanato incluindo as mais modernas técnicas de design e fabricação existentes. Neste artigo, originalmente publicado em Autodesk Line//Shape//Space, como "5 Ways Architects and Postdigital Artisans Are Modernizing Craftsmanship,", Jeff Link explora alguns dos traços que conectam esses pioneiros com os artesãos de uma época passada.

Artesanato na era digital é algo difícil de definir. Para alguns, artesanato evoca uma pureza de estilo, uma preferência para o feito à mão sobre a máquina. Para outros, ele lembra a arquitetura artesanal de residências do início do século XX: telhados com empenas em balanço, varandas amplas e trabalhos manuais detalhados.

Mas, independentemente da compreensão intuitiva do termo, a noção de artesanato está evoluindo. Cada vez mais, o conhecimento milenar de entalhadores, pedreiros e outros artesãos é incorporado em processos de design inteligentes usando modelos computacionais geométricos e fabricação de máquina para desenvolver novos ofícios e ramos de arquitetura  -- desde conjuntos de móveis que desafiam a gravidade a fluxos de trabalho complexos para autômatos robóticos. Essas inovações ajudaram inserir arquitetos ao lado de artesãos no centro de um renascimento na cultura "maker", que, por exemplo, está em exibição em mercados artesanais, tais como Folksy e Etsy.

Então, o que é exatamente artesanato digital? E como aparece no trabalho de designers de ponta? Aqui, arquitetos inovadores identificam cinco coisas que artesãos pós-digitais estão fazendo para transformar o artesanato.

Periscope: Foam Tower. Cortesia de Matter Design
Periscope: Foam Tower. Cortesia de Matter Design

1. Eles cuidadosamente avaliam e manipulam materiais

Para a prática interdisciplinar de concepção-construção de Brandon Clifford e Wes McGee, Matter Design, desenho e fabricação são indissociáveis. "Nós não estamos produzindo um desenho e enviando-o a outro lugar", diz Clifford. "Se o produto final é uma aliança de casamento, cabide, ou uma construção, estamos muito dedicados a ter todo o processo."

De um projeto ao outro, esse processo pode parecer e ser muito diferente. Para seu projeto Periscope: Foam Tower, de 20 metros de altura, Clifford e McGee roboticamente cortaram, empilharam e colocaram blocos de espuma de poliestireno em compressão com cabos tensionados. Enquanto isso, La Voûte de LeFevre é um volume de favo de mel independente construído com restrições geométricas definidas pelo computador. A equipe usou uma grande router CNC com cinco eixos para cortar aberturas côncavas em uma forma equilibrada, contemporâneo, que se baseia na estereotomia antiga.

"Não estamos definindo artesanato como o lixar um pedaço de madeira", diz Clifford. "Artesanato é incorporado na computação, mas também na forma como o material é processado. Assim que começa-se a falar sobre materiais, outra lógica -- matemática, peso, estrutura, condição térmica -- pode ser computada.

"Quando comecei a estudar arquitetura em 2000," Clifford continua, "gostaríamos de passar por todo o processo de projeto e, em algum lugar ao longo do caminho, colocar um rótulo em uma parede: 'Este é tijolo; aquele é gesso; esse piso é de madeira'. Os materiais eram escolhidos com base em uma seleção de padrões da indústria. Agora, os alunos estão envolvidos em materiais de uma forma muito íntima, o que não é comum desde a industrialização. Nós temos mais em comum hoje com os mestres fabricantes pré-industriais do que fazer com os mestres modernos. "

Revestimento de coluna para o cliente YOO/Philippe Starck em residência Icon Brickell, Miami. Cortesia de Guy Martin Design
Revestimento de coluna para o cliente YOO/Philippe Starck em residência Icon Brickell, Miami. Cortesia de Guy Martin Design

2. Eles preservam a intenção e o artesanato tradicional

Guy Martin é um "maker", cuja empresa de farbicação e esculturas digitais, Guy Martin Design, criou mobiliários personalizados digitalizados a laser para as livrarias Taschen, acessórios de filme para a Warner Brothers, e esculturas monumentais para Philippe Starck. Para ele, a pedra angular do artesanato digital é como ele usa robôs para replicar os métodos de construção antigos em grande escala, preservando a intenção do designer. "Não podemos construir uma catedral como costumávamos", diz ele. "Então, como vamos ter habilidades artesanais e transportá-las ao mundo digital? Considero máquinas e ferramentas digitais como extensões da mão, não apenas ferramentas geracionais ou algo abstrato ".

Se o uso de estratégias de fabricação para a moldes, corte de fios, escultura, ou fresagem, Martin tem a intenção de captar a nuance das formas feitas à mão. Suas banquetas com pernas em mogno para o restaurante Trois Mec e sua mesa Cypriere (roboticamente esculpida a partir de um modelo de argila digital) são belos exemplos deste toque humano.

Em um projeto com o escultor Ken gangbar de San Diego e Landmark Aviation, Martin diz, um dispositivo háptico usa um braço articulado "como um rato em um espaço 3D" para simular escultura de argila com a resistência digitalmente modelada. Em outros projetos, software intuitivos, como Delcam PowerMILL, permitem a ferramenta de manipulação vetorial no modo de artesão. Imagine um robô pulverizando pintura em um padrão -- imitando a técnica a mão, girando o pulso ao aplicar a tinta para criar textura e energia em uma fachada.

Fabricação de revestimento de coluna para o cliente YOO/Philippe Starck em residência Icon Brickell, Miami. Cortesia de Guy Martin Design
Fabricação de revestimento de coluna para o cliente YOO/Philippe Starck em residência Icon Brickell, Miami. Cortesia de Guy Martin Design

3. Eles usam modelagem paramétrica para alterar a escala

Ao trabalhar em trabalhos arquitetônicos de grande escala -- ou alterando o tamanho ou materiais de um modelo -- Martin diz que a modelagem paramétrica é central para o artesanato digital. As regras globais permitem uma forma, tal como uma cadeira, alterar o tamanho, mantendo sua essência e preservando as relações entre as partes. Modelos paramétricos também podem ser aplicados para criar efeitos estéticos repetidos. "Imagine uma fachada com milhares de triângulos, cada um ligado a um parafuso", diz Martin. "Se você alterar uma perna do triângulo, ao longo de milhares de triângulos, as alterações começam a construir uma paisagem de curvas e ondas."

Mobiliário Livraria Taschen. Cortesia de Guy Martin Design
Mobiliário Livraria Taschen. Cortesia de Guy Martin Design

4. Eles fazem do projeto e da fabricação um ciclo de feedbacks recíprocos

Clifford e McGee utilizam Autodesk T-Splines Plug-in para Rhino; C#; e um plug-in script desenvolvido em conjunto pela McGee, juntamente com Dave Pigram e Iain Maxwell, co-fundadores da empresa autraliana supermanoeuvre, para pesquisar e criar novos métodos de produção. Segundo McGee, essa abordagem bidirecional em que o modelo pode inspirar uma lógica de fabricação, ou vice-versa, leva a uma arquitetura performativa que melhora o design, encurta o ciclo de feedback entre design e fabricação, e confronta os desafios logísticos de como máquinas se movem através do espaço para fazer as coisas.

"Tradicionalmente, tem havido uma separação clara entre o processo de design e fabricação", diz McGee. "Um arquiteto projeta um edifício, em seguida, envia o projeto a alguém que traduz para o ambiente CAD/CAM para uma CNC ou construção robótica. Vemos isso como um gargalo ".

Chelsea Workspace. Cortesia de Synthesis Design + Architecture
Chelsea Workspace. Cortesia de Synthesis Design + Architecture

5. Eles falam a linguagem da produção sob encomenda

Alvin Huang, fundador e diretor da Synthesis Design + Architecture, diz que a relevância dos objetos bespoke (aqueles feitos por encomenda) na cultura contemporânea tem muito a ver com o termo "ofício". "Se você olhar historicamente a cultura de consumo norte-americana, ela começou quando o consumo de massa tornou-se disponível através das grandes marcas e 'one-stop-shop' onde você pode ir e conseguir tudo, seja através da Sears Roebuck ou do Costco ", diz Huang. "Mais recentemente, tem havido um retorno às origens -- indo ao padeiro para comprar o pão ou ao açougueiro para a carne. A noção de bespoke é que as pessoas que querem coisas incomuns únicas para a sua identidade e desejos. Este é o lugar onde fabricação digital torna-se importante: a customização em massa ao invés de produção em massa. Há valor e os benefícios de algo bespoke ".

Um excelente exemplo é o Chelsea Workspace, um home-office de 7 metros quadrados feito com nervuras de compensado fresado em CNC e montada por Cutting Edge em Oxford, Inglaterra. As nervuras e orientação da forma capitalizam a luz natural na única janela da sala, e uma série de painéis estilo colméias de abelhas são apoiados por espaçadores expostos que descrevem um mapa do mundo. "Uma das coisas que gostaria de dizer é que não é um trabalho digital, mas pós-digital. Isso significa que não é impulsionado pela definição de ser digital, porque essa é a nossa forma de trabalhar", diz Huang. "As pessoas fazem referência à carruagem sem cavalos como sendo o primeiro carro. Não é definido pelo fato de que ele não tinha um cavalo, mas pelo fato de ser o primeiro carro ".

Sobre este autor
Jeff Link
Autor
Cita: Link, Jeff. "5 modos de redefinir o artesanato na era pós-industrial" [5 Ways Architects Are Redefining Craftsmanship For a Postdigital Age] 05 Mar 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/783265/5-formas-arquitos-estao-redefinindo-craftsmanship-para-a-era-pos-digital> ISSN 0719-8906