O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Tema da Bienal de Veneza oferece uma esperança para o futuro da profissão

Tema da Bienal de Veneza oferece uma esperança para o futuro da profissão

  • 07:00 - 8 Setembro, 2015
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Tema da Bienal de Veneza oferece uma esperança para o futuro da profissão
Tema da Bienal de Veneza oferece uma esperança para o futuro da profissão, Cortesia de Biennale di Venezia
Cortesia de Biennale di Venezia

No final de agosto, a Bienal de Veneza 2016, que será dirigida pelo arquiteto chileno Alejandro Aravenaanunciou o tema de seu evento. O provocativo título escolhido por Aravena - "Reporting From the Front" - é carregado de implicações de uma batalha contra o que ele chama de "inércia da realidade."

"Mais e mais pessoas no planeta estão em busca de um lugar decente para viver e as condições para alcançá-lo estão cada vez mais difíceis", explica Aravena em seu comunicado. "Mas ao contrário de guerras militares, onde ninguém ganha e onde há um sentimento predominante de derrota, na linha de frente do ambiente construído há uma sensação de vitalidade, porque a arquitetura consiste em olhar para a realidade com uma proposta."

Aravena terá um grande desafio pela frente. A Bienal anterior, de 2014, que teve como curador Rem Koolhaas, foi extremamente bem sucedida e muito elogiada pelos críticos. Ela também foi considerada como o evento mais esperado da história da Bienal, após anos de tentativa em convencer Koolhaas. Mas se a Bienal de Koolhaas foi o evento em que as pessoas olhavam para a frente, eu acredito - ou melhor, espero - que Bienal de Aravena será aquele evento em que as pessoas olharão para trás nas próximas décadas.

Alejandro Aravena e Paolo Baratta. Imagem Cortesia de Biennale di Venezia
Alejandro Aravena e Paolo Baratta. Imagem Cortesia de Biennale di Venezia

O tema de Aravena aborda a crescente tendência da arquitetura socialmente consciente que vem sendo fermentada há alguns anos - uma tendência na qual Aravena é um dos principais praticantes com seus projetos para habitação de baixo custo e seus esquemas de reconstrução pós-desastre. Por sua vez, o presidente da Bienal de Veneza, Paolo Baratta, destaca a contribuição de Aravena como uma continuação das perguntas desafiadoras propostas pelas Bienais desde 2008, afirmando que "ficar de fora da batalha leva a não saber mais que perguntas fazer e a não ser capaz de imaginar soluções diferentes e alternativas - ou à frustração, por conta das propostas irrealizáveis".

O tema de Aravena, contudo, é claramente o mais explicitamente fora do padrão assumido pela Bienal, aparentemente com o objetivo de destacar os problemas políticos e sociais ao redor do mundo e apresentar soluções arquitetônicas. Aravena também está bem colocado em sua ambição de incluir questões em todo o mundo: sendo apenas o terceiro diretor da Bienal nascido fora da Europa, e o primeiro que nem sequer veio de um dos três centros de arquitetura da Europa, dos EUA ou do Japão. Aravena pode trazer a perspectiva de um estrangeiro, alguém que passou sua vida em torno de problemas arquitetônicos que raramente cruzam a mente dos líderes arquitetônicos estabelecidos.

Curiosamente, porém, quão frequentemente nós ouvimos falar sobre arquitetura socialmente consciente hoje em dia, a palavra usada é geralmente "tendência". Por que tantos escritores reticentes utilizam um termo mais definitivo e o chamam de movimento?

ELEMENTAL's low-cost Quinta Monroy housing. Image © ELEMENTAL
ELEMENTAL's low-cost Quinta Monroy housing. Image © ELEMENTAL

"A história nunca se parece com a história quando você está vivendo com ela. Ela parece sempre confusa e bagunçada, e sempre se sente desconfortável." - John W. Gardner, Secretário da Saúde, Educação e Bem-Estar dos EUA em 1965-68

O curso da história raramente funciona tão bem como ele aparece em retrospectiva. No Modernismo, por exemplo: a maioria dos arquitetos conhecem a história de seu nascimento na década de 1910 com Walter Gropius, Adolf Meyer e a Fábrica Fagus. Depois disso veio De Stijl, a Bauhaus, as publicações de Le Corbusier L'Esprit Nouveau e Vers Une Architecture, o concurso da Chicago Tribune Tower, o Weissenhofsiedlung. Finalmente, em 1932, a exposição Hitchcock's International Style de Philip Johnson e Henry-Russell  em Nova York marcou a aceitação generalizada do Modernismo e o início de quatro décadas de domínio total no campo da teoria da arquitetura.

Mas, na época, essa trajetória não foi tão clara. Para outros, a década de 1920 foi um período de decadência, a era do Grande Gatsby, em vez da doutrina da eficiência industrial do Modernismo. O estilo arquitetônico dominante nos EUA e em partes da Europa, pelo menos, era o Art Deco. Dois anos depois na década seguinte, a exposição de Johnson e Hitchcock  foi organizada no contexto da Grande Depressão. No entanto, na arquitetura, é a mais antiga e clara história que será lembrada.

Modelo da Villa Savoye de Le Corbusier: International Exhibition [MoMA Exh. #15, February 9-March 23, 1932] Photo: Modern Architecture, International Exhibition. 1932. The Museum of Modern Art, New York. Photographic Archive
Modelo da Villa Savoye de Le Corbusier: International Exhibition [MoMA Exh. #15, February 9-March 23, 1932] Photo: Modern Architecture, International Exhibition. 1932. The Museum of Modern Art, New York. Photographic Archive

Em nossos tempos, arquitetura socialmente consciente tem conquistado defensores desde a virada do milênio, lutando contra a ortodoxia do estabelecimento arquitetônico para a melhor parte de uma década. A crise financeira colocou-a na cabeça de muitos arquitetos, virando-se contra o hedonismo perceptivo do chamado projeto "icônico" e o projeto socialmente consciente foi apresentado como sua antítese. Amplamente reconhecido como a maior tendência desta década, esta arquitetura de justiça social ganhou pequenas vitórias no mundo com o Leão de Ouro na Bienal de Veneza de 2012 entregue ao Urban Think Tank, Justin McGuirk e Iwan Baan e a vitória do Prêmio Pritzker de 2014 por Shigeru Ban.

É ingênuo comparar justiça social arquitetônica da década passada com o movimento moderno na década de 1920? Possivelmente. É muito cedo para comparar a próxima Bienal de Aravena com a exposição de Johnson e Hitchcock em 1932? Absolutamente - precisaremos de muitas década para que possamos dizer com certeza os efeitos da Bienal de Veneza de 2016. Mas esse parece ser o momento certo para um evento tão importante, e tudo que eu posso dizer é que espero que possamos olhar para trás, em 2030, 2040 ou mesmo mais além, e perceber o evento como uma virada do movimento para a consciência social arquitetônica.

E se isso não acontecer, que assim seja. Como Aravena afirma em sua declaração curatorial:

"Quando o problema é grande, a melhoria de um milímetro que seja já é relevante; o que pode ser exigido é ajustar nossa noção de sucesso, pois as realizações na linha de frente são relativas, não absolutas."

Cita: Stott, Rory. "Tema da Bienal de Veneza oferece uma esperança para o futuro da profissão" [Aravena's Venice Biennale Theme Offers Hope for the Future of the Profession] 08 Set 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/773174/tema-da-bienal-de-veneza-por-aravena-oferece-esperanca-para-o-futuro-da-profissao> ISSN 0719-8906