O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A arquitetura não precisa de reconstrução, precisa de críticos mais conscientes

A arquitetura não precisa de reconstrução, precisa de críticos mais conscientes

  • 07:00 - 15 Fevereiro, 2015
  • por Matthew Johnson
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
A arquitetura não precisa de reconstrução, precisa de críticos mais conscientes
A arquitetura não precisa de reconstrução, precisa de críticos mais conscientes

Nas últimas semanas, uma série de comentaristas de arquitetura reacionários saíram da toca para denunciar o que vêem como o rumo atualmente negativo da arquitetura contemporânea. Eles afirmam que a arquitetura deve ser "reconstruída" ou que ela está “implodindo.” A partir de suas indicações, a arquitetura está no limite de sua vida, dando o seu último suspiro. A crítica que eles oferecem é de que a arquitetura contemporânea tornou-se (ou sempre foi?) insensível aos usuários, às condições do local, à história - dificilmente um romance. Todos os anos, este tipo de ataque frontal contra o valor da arquitetura contemporânea é lançado, mas as críticas desta vez parecem especialmente superficiais e equivocadas. Analisando a cena contemporânea da arquitetura global, eu realmente sinto que estamos em um lugar surpreendentemente saudável, se você olhar para além das vitrines óbvias. Temos escapado dos dogmas evidentes do passado e renovamos nosso foco nas questões de meio ambiente e ação social, estamos mais preocupados do que nunca com a tectônica e em como construir com qualidade. Mas os críticos perenes da arquitetura contemporânea parecem não ter analisado profundamente, ou mesmo cuidadosamente. E, infelizmente, as várias contestações às suas críticas, em apoio à arquitetura moderna e experimental, têm sido mal argumentadas.

O Still Museum da Allied Works é um edifício mais tranqüilo e eficaz do que o seu vizinho, Denver Art Museum de Daniel Libeskind. Imagem © Jeremy Bittermann O desenvolvimento Borneo Sporenburg em Amsterdam demonstra uma paisagem urbana de diversas fachadas modernas e integradas. Imagem © Flickr CC user Fred (bigiof) As formalmente radicais 8 House, de BIG acabou sendo socialmente radical, hospedando uma comunidade vital e animada. Imagem © Jens Lindhe Em Pearl District de Portland, edifícios modernos e parques convivem alegremente com variantes semi-tradicionais ou históricos. Imagem via landarchs.com + 12

Frank Gehry defendendo as acusações de que seu prédio Fondation Louis Vuitton em Paris era uma arquitetura "vistosa"mostrando o dedo do meio ao repórter. Imagem © Danica O. Kus
Frank Gehry defendendo as acusações de que seu prédio Fondation Louis Vuitton em Paris era uma arquitetura "vistosa"mostrando o dedo do meio ao repórter. Imagem © Danica O. Kus

A meu ver, o precursor espiritual para este debate foi o dedo médio de Frank Gehry. Numa conferência de imprensa realizada na Espanha, no dia 24 de outubro do ano passado, em resposta a um repórter que o acusou de praticar arquitetura "vistosa", Gehry silenciosamente deixou o repórter sem ação. Depois de alguns segundos carrancudo, Gehry, disse que "98% de tudo o que é construído e projetado hoje é uma merda." Embora alguns vejam o dedo médio de Gehry (e seu comentário) como um suporte defensivo para seu próprio trabalho vis-à-vis com a opinião pública, eu percebi isso de uma forma mais generosa: Gehry era em algum sentido um defensor da arquitetura contemporânea contra seus depreciadores típicos.

Algumas semanas mais tarde, no dia 15 de dezembro, Steven Bingler e Martin Pederson publicaram um texto reativo no New York Times intitulado  “How To Rebuild Architecture”. Nele, eles argumentavam que a arquitetura moderna perdeu o rumo e precisa retomar um ideal pré-moderno das "formas universais e princípios naturais do design." Não obstante à falta de sentido dessa frase, o absurdo central do texto é que ele usa apenas um único exemplo (as casas Make It Right) para acusar a totalidade da arquitetura contemporânea. No texto, a mãe leiga de Bingler atua como árbitra final do bom design versus mau design. O debate continuou no dia 20 de dezembro, com a dogmática do Príncipe Charles "10 regras geométricas da Arquitetura”; culminando com a falha resposta de Aaron Betsky, “New York Times Versus Architecture”; e foi utilizado por Justin Shubow no texto sobre Novo Urbanismo para a revista Forbes intitulado "Architecture Continues to Implode”.

Os críticos da arquitetura moderna tendem a defender os princípios do Novo Urbanismo, como aqueles empregados na construção de Poundbury. Imagem © Andy Spain
Os críticos da arquitetura moderna tendem a defender os princípios do Novo Urbanismo, como aqueles empregados na construção de Poundbury. Imagem © Andy Spain

Os críticos da arquitetura moderna aqui (Príncipe Charles, Bingler e Pederson, e Shubow) apoiam-se muito no exemplo da Make It Right, assim como em um punhado de obras de arquitetos famosos, a fim de acusar todos de design moderno. O debate, como sempre, está enquadrado entre os pólos opostos do Modernismo de vanguarda e do Tradicionalismo neo-ludita (dedo médio de Frank Gehry contra a cerca branca de Andres Duany.) O que esses argumentos polarizados perpetuamente parecem perder é que a disciplina da arquitetura é plural e diversa. O espaço entre estes dois pólos é preenchido com empresas que produzem um trabalho de qualidade, mas que não têm a estatura de um Gehry ou Duany, nem a sua atitude dispéptica. Eu diria que estes profissionais representam uma terceira via, e uma crítica mais sutil de ambos os lados, criando uma arquitetura inovadora que é talvez mais sutil, bem planejada e sustentável do que o trabalho formalmente radical dos chamados superstars. Por esta razão, o argumento de Bingler e Pedersen parece equivocado. O objeto real de sua crítica não parece ser a arquitetura moderna, mas sim três elementos interligados:

  1. mau planejamento
  2. um contexto cultural carregado que prepara os arquitetos para o fracasso
  3. certas tendências entre alguns arquitetos em criar arquitetura sem levar em conta o contexto ou escala

Este último ponto ocorre fundamentalmente como resultado das falhas criadas pelas duas primeiras condições, e é infelizmente verdadeiro em todos os arquitetos modernos. Na verdade, a maioria dos praticantes da arquitetura moderna são sensíveis às mesmas questões que os tradicionalistas: o respeito com os usuários; contexto; escala; qualidade; materiais; pedestres; densidade; e flexibilidade. (Em outras palavras, pelo menos, sete dos  "10 Princípios geométricos para a Arquiteturasegundo o Príncipe Charles).

Algumas das Make It Right Houses, com o modelo de Steven Bingler na extrema esquerda. Imagem via makeitright.org
Algumas das Make It Right Houses, com o modelo de Steven Bingler na extrema esquerda. Imagem via makeitright.org

Deixe-me explicar os dois primeiros pontos através das casas Make It Right, uma vez que este é o ponto chave da arquitetura moderna segundo Bingler e Pedersen. Nos EUA, a arquitetura freqüentemente encontra-se à mercê do mau planejamento. Caso sobre caso, mesmo que o projeto inicial urbano (localização, disposição, densidade, etc.) de um projeto pode ser falho, a arquitetura acaba levando a culpa. O desenvolvimento do Make It Right foi destinado ao fracasso antes de qualquer arquiteto colocar a caneta no papel, porque estava baseado em uma falha do plano diretor. O verdadeiro erro, neste caso, era tentar replicar um desenvolvimento semi-suburbano de casas unifamiliares em vez de perguntar-se como reinventar os aspectos da comunidade e do bairro do Lower Ninth Ward. A casa de Bingler "sensível ao contexto" para o desenvolvimento não é melhor (ou pior) do que a de MorphosisAdjaye, ou MVRDV.  O desenvolvimento do Make It Right continua sendo uma coleção de estranhas e individuais assinaturas, que foi a missão dada aos arquitetos a priori pelos planejadores. Os arquitetos aqui não foram convidados a conceber uma coleção coesa de edifícios em colaboração com os outros arquitetos na lista. Em vez disso, as entidades de planejamento envolvidas encarregaram Thom MayneWiny MaasDavid Adjaye, Steven Bingler, et al. de projetar peças com "assinatura". O resultado é um zoológico de espécies exóticas. Uma estratégia melhor teria sido para planejar o Lower Ninth Ward para a densidade: edifícios multi-familiares, moradias, duplex.

Edifícios estranhos, mas belos objetos, como baleia de De Architekten Cie pontuam o projeto Borneo Sporenburg. Imagem © Flickr CC user Mark Hogan
Edifícios estranhos, mas belos objetos, como baleia de De Architekten Cie pontuam o projeto Borneo Sporenburg. Imagem © Flickr CC user Mark Hogan

Em contrapartida, alguns dos mais bem-sucedidos, tranquilos e agradáveis novos bairros na Europa fazem uso pesado da arquitetura moderna. O estilo do edifício tem muito pouco a ver com o sucesso desses projetos, mas um bom planejamento é vital. Veja, por exemplo, no desenvolvimento de Borneo Sporenburg no porto do nordeste de  Amsterdam. Os urbanistas, West 8, deram aos vinte e tantos arquitetos a mesma envolvente de residência urbana, mas permitiram que cada um projetasse com um mínimo de restrições. O resultado é uma paisagem urbana de diversas fachadas modernas e integradas. Cada uma é única, mas elas formam um todo coerente. Edifícios estranhos, mas belos objetos, como a baleia de De Architekten Cie, pontuam o projeto global. Borneo Sporenburg era uma obra-prima de planejamento. Um desejo parecido com o qual os organizadores da Make It Right tinham para New Orleans.

O desenvolvimento Borneo Sporenburg em Amsterdam demonstra uma paisagem urbana de diversas fachadas modernas e integradas. Imagem © Flickr CC user Fred (bigiof)
O desenvolvimento Borneo Sporenburg em Amsterdam demonstra uma paisagem urbana de diversas fachadas modernas e integradas. Imagem © Flickr CC user Fred (bigiof)

Ou o desenvolvimento do Ørestad em Copenhague, uma densamente povoada e funcional coleção de blocos modernos feita por BIG, 3XN, Henning Larsen e outras empresas dinamarquesas. Visitei Ørestad verão passado, e o local foi reavivado por estudantes, famílias, crianças. Os moradores fizeram uso pesado de suas (modernas) varandas e ruas. É tão vital como qualquer comunidade nos EUA ou em outros lugares. A formalmente radical 8 House do BIG acabou sendo socialmente radical ao utilizar a entrada de futuros moradores, a fim de criar uma rua pública passando por todo o projeto. Outros exemplos de um bom planejamento moderno aparecem na Europa: Bo01 (Live01) masterplan de  Malmo, Porto de Copenhague e Ilhas Brygge, Besós, zona portuária de  Barcelona. Estes desenvolvimentos fornecem uma plataforma sobre a qual uma arquitetura forte e interessante pode ser construída.

As formalmente radicais 8 House, de BIG acabou sendo socialmente radical, hospedando uma comunidade vital e animada. Imagem © Jens Lindhe
As formalmente radicais 8 House, de BIG acabou sendo socialmente radical, hospedando uma comunidade vital e animada. Imagem © Jens Lindhe

Mais perto de casa, um outro exemplo positivo é a recente remodelação do Pearl District, em  Portland, Oregon. Edifícios modernos e parques convivem alegremente com variantes semi-tradicionais ou históricas. A arquitetura da ArtHouse ou a Sede de Ziba, por Holst e o 937 Condomínio se encaixam bem no lado da renovação de Armory ou dos Blocos Brewery. O tradicionalismo instintivo visto em empreendimentos como o Poundbury do príncipe Charles se sentiria não só estrangeiro aqui, mas quase um insulto. E, de fato o Poundbury - um projeto de estimação ultra-tradicional na Inglaterra planejado pelo Príncipe Charles e pelo arquiteto Leon Krier - tem sido fortemente criticado por ser moribundo, chato, sem alma. Dê-me um projeto moderno falho, mas emocionante sobre uma branda imitação-tradicional qualquer dia.

Em Pearl District de Portland, edifícios modernos e parques convivem alegremente com variantes semi-tradicionais ou históricos. Imagem via landarchs.com
Em Pearl District de Portland, edifícios modernos e parques convivem alegremente com variantes semi-tradicionais ou históricos. Imagem via landarchs.com

Isso leva ao segundo ponto, que é o contexto cultural nos EUA  que direciona os arquitetos ao fracasso. Embora as tendências de habitação podem sugerir que mais pessoas estão se movendo de volta para as cidades, muitos americanos ainda, em última análise, anseiam por uma casa unifamiliar em um terreno cheio de relva. Comunidades e mais comunidades estão sendo construídas usando um terreno de 1000 m2 como guia, com mandatos estilísticos que exigem um tradicional estuque ou arcos de tijolos, janelas redondas, pedra falsa e todo o resto. Na minha própria cidade, Houston, os subúrbios como Pearland, Sugarland, ou Katy são construídos em torno de grandes desenvolvimentos de casas com 400 m2 em grandes lotes, todos estilisticamente prescritos. Os lagos artificiais e hidrovias bombeam a água azul - tratada quimicamente através de fontes ornamentais. A arquitetura comercial que atende a esses desenvolvimentos é uma coleção de shoppings com estacionamentos sem árvores em frente. Rapidamente planejada, rapidamente executada.

937 Condominiums de Holst Arquitetura combinam perfeitamente com a renovação de Armory ou dos Blocos Brewery de Portland. Imagem © Flickr CC user Travis Estell
937 Condominiums de Holst Arquitetura combinam perfeitamente com a renovação de Armory ou dos Blocos Brewery de Portland. Imagem © Flickr CC user Travis Estell

Este é um modelo de planeamento em que a arquitetura moderna se encaixa mal, ou não se encaixa. No entanto, os arquitetos, na tentativa dos EUA de produzir alternativas inovadoras, sustentáveis, são confrontados com a realidade de um ambiente projetado esmagadoramente para expansão falsa-tradicionalista. A maioria do público parece contente com isso, realidade desagradável insustentável, talvez porque as alternativas de sucesso raramente são oferecidas. Os desenvolvedores são incentivados pela cultura dominante contra a arquitetura moderna e, muitas vezes, francamente, contra a qualidade. O barateamento infelizmente parece ser o valor central em muitos desenvolvimento da América. Eu diria que a arquitetura moderna é, em sua essência, muito mais sustentável e integradora do que este modelo prevalente para o desenvolvimento nos EUA, mas foi ultrapassada por uma estratégia de desenvolvimentos da linha de fundo, como os códigos de construção projetados para apoiá-la. Isto, creio eu, foi a fonte do comentário de Gehry que "98% do que é construído hoje é merda pura": a expansão interminável das modernas metrópoles norte-americanas. No entanto, em vez de nivelar o seu objetivo para o desenvolvimento, Bingler / Pedersen e Shubow, pelo contrário, estreitaram suas vistas sobre a arquitetura moderna: aquele pequeno núcleo de pessoas que lutam para fazer algo diferente e, espero, melhor. No processo de atacar excessos raros de arquitetura, esses críticos acabam minando seu melhor talento, generalizando a "arquitetura moderna", como o problema. Na Europa continental, muito menos sarcasmo é direcionado para arquitetura, porque os mecanismos de planejamento subjacentes e contexto cultural permitem que grandes projetos acontecem com mais freqüência, independente do estilo.

Poundbury, projeto de estimação do Príncipe Charles, foi criticado por ser moribundo, chato, e sem alma. Imagem © Andy Spain
Poundbury, projeto de estimação do Príncipe Charles, foi criticado por ser moribundo, chato, e sem alma. Imagem © Andy Spain

O último ponto é que a maioria dos arquitetos modernistas cuidam centralmente de questões do ambiente construído, sustentabilidade e contexto, além de forma. Mas alguns não. Este é um lugar onde eu concordo com os autores: o nosso sistema tem promovido o design chamativo, banal, formal sobre a arquitetura de substância. Ele tem muitas vezes privilegiado os arquitetos modernistas errados. Como resultado, a arquitetura é responsabilizada por seus piores excessos, mas nem sempre elogiada por seus sucessos mais sutis. Temos permitido práticas bombásticas formalmente amorais para definir a nossa disciplina para o público e para nos tornarmos homens para qualquer arquitetura, em vez de promover essas práticas muito mais sustentáveis que trabalham com o contexto, programas, materiais, tectônica e ação social ao mesmo tempo. Muitos dos arquitetos que se apressam para construir nos ambientes sem restrições da China ou Dubai acabam produzindo uma arquitetura unidimensional. Os resultados são vazios, porque o planejamento e o contexto subjacente são vazios. Invariavelmente, os projetos criados para esses lugares tornaram-se o rosto público da arquitetura contemporânea, apesar do fato de que muitos em nossa profissão são profundamente céticos. Não podemos continuar a isentando a arquitetura unidimensional da sua responsabilidade mais ampla com o ambiente construído.

Subúrbios como os Lagos de Savannah em Houston são construídos em torno de grandes desenvolvimentos, casas de 400 m2 em grandes lotes, todas estilisticamente prescritas. Imagem via lakesofsavannah.com
Subúrbios como os Lagos de Savannah em Houston são construídos em torno de grandes desenvolvimentos, casas de 400 m2 em grandes lotes, todas estilisticamente prescritas. Imagem via lakesofsavannah.com

Infelizmente, Aaron Betsky estava errado ao exaltar esse ponto em particular, porque ele acaba por reforçar os argumentos de Bingler e Pedersen. Betsky ressalta a alegação de que arquitetos modernos são arrogantes e distantes, dizendo de forma efetiva, "sim, há vazamento nos telhados da arquitetura moderna, mas e daí!; Estamos experimentando" e "boa arquitetura é realmente para seus ricos clientes, quem se importa com a opinião de todo mundo." Betsky está equivocado aqui. A melhor arquitetura moderna é bem planejada, não vaza (ou não deve vazar), e considera as opiniões dos clientes e da comunidade em geral. Tomemos como exemplo recente dois edifícios lado a lado em Denver. O primeiro, Denver Art Museum, de Libeskind, é indiscutivelmente fora de escala e formalmente agressivo. Um ano depois que foi construído, foram gastos vários milhões de dólares em reparos para evitar vazamentos, bem como a reconfiguração do interior para que os curadores pudessem instalar mais adequadamente as mostras no seu interior. Imediatamente ao seu lado está um edifício muito mais tranqüilo e eficaz (embora também radical em seu caminho): Clyfford Still Museum. James Russell escrevendo para Bloomberg elogiou a "gravita elegante", do edifício a sua "luz solar brilhante", seu ritmo, sua "calma Zen." Mas quando a arquitetura moderna em larga escala é criticada pelo público, esta crítica se dá, quase sempre, com base em trabalhos excessivos tais como o projeto de Libeskind, e raramente em exemplos mais bem-sucedidos, mas sutis, como o Museu Still. E qual desses projetos que você acha que aparece no site oficial da cidade de Denver? (Confesso: eu trabalhei para Allied Works durante vários anos, mas não no  Still Museum, e eu também foi ensinado por Daniel Libeskind, bem como pela Zaha Hadid.)

O Still Museum da Allied Works é um edifício mais tranqüilo e eficaz do que o seu vizinho, Denver Art Museum de Daniel Libeskind. Imagem © Jeremy Bittermann
O Still Museum da Allied Works é um edifício mais tranqüilo e eficaz do que o seu vizinho, Denver Art Museum de Daniel Libeskind. Imagem © Jeremy Bittermann

Isto serve apenas para sugerir que os autores (e o público) precisam olhar mais atentamente e ver a arquitetura incrível que está sendo criada a nível mundial, que também se relaciona com o seu contexto, sem cair nas armadilhas de qualquer tradicionalismo ou formalismo vazio. Para cada formalista gestual como Hadid, Libeskind et al, há uma centena de sensíveis ao contexto, arquitetos socialmente motivados. Apenas em  Seattle e Portland, dezenas de grandes empresas modernas trabalham mais ou menos sob o radar. Allied Works,Olson Kundig, Holst, Skylab, Mahlum, Suyama Peterson Deguchi,  Works Partnership, Lever Arquitetura, para não mencionar escritórios maiores, como LMN ou Zimmer Gunsul Frasca. Ou escolhendo outra cidade: em Nova Orleans, Eskew Dumez Ripple ou Estúdio WTA. Em Minneapolis,  Vincent James ou Snow Kreilich. Em Austin, Baldridge Architects, Bercy Chen, Michael Hsu ou Alterstudio. Em Nova Iorque e Los Angeles, demasiadas para enumerar. Toda grande cidade tem ótimas práticas de trabalho com grandes restrições. Estas são as empresas que lutam para produzir um trabalho fantástico em um clima projetado não só para medíocres caixas, mas contra uma arquitetura moderna. O príncipe Charles, Bingler, Pedersen, e Shubow levantaram um espectro não-existente e alvo fácil. No processo, eles estão atacando aqueles que estão tentando propor alternativas positivas sustentáveis ao modelo predominante. Estamos lutando uma batalha difícil. Até nossos órgãos de planejamento, desenvolvedores e críticos tornaram-se mais visionários e ajudaram a fornecer plataformas sobre as quais a arquitetura, por melhor que seja, sempre levará a culpa. Minha esperança é que possamos continuar a desenvolver uma terceira forma inovadora, e escapar de ter que escolher entre um dedo médio levantado ou uma cerca branca.

Matthew Johnson é colaborador na  LOJO: Logan and Johnson Architecture e professor assistente do curso de arquitetura da Universidade de Houston. Ele participou de Stanford e Yale, e trabalhando para Steven Holl e a Allied Works.

Sobre este autor
Matthew Johnson
Autor
Cita: Matthew Johnson. "A arquitetura não precisa de reconstrução, precisa de críticos mais conscientes" [Architecture Doesn’t Need Rebuilding, It Needs More Thoughtful Critics] 15 Fev 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/761617/arquitetura-nao-precisa-de-reconstrucao-precisa-de-criticos-mais-criativos> ISSN 0719-8906
Ler comentários