O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Quão naturais são os desastres?

Quão naturais são os desastres?

Quão naturais são os desastres?
Quão naturais são os desastres?, Chaitén após a erupção do vulcão - Via Plataforma Urbana
Chaitén após a erupção do vulcão - Via Plataforma Urbana

A recente erupção do vulcão Chaitén, em 2008, causou o desalojamento de mais de 7.000 pessoas da localidade de mesmo nome, no Chile. Como também o terremoto e subsequente tsunami de 2010, que destruíram mais de 300.000 habitações, deixando cerca de 500 mortos e um total de perdas estimadas entre 15 e 30 bilhões de dólares – quase 10% do PIB-, que revelam os imensos custos econômicos e sociais que têm os desastres no país. Ainda mais importante, estes desastres revelaram que ainda que os fenômenos naturais como terremotos e erupções vulcânicas movam o chão e cubram os telhados de cinzas de ricos e pobres, os custos e os efeitos de tais fenômenos não são distribuídos da mesma maneira. Em quase todos os desastres do mundo, os pobres, as minorias, e em geral os grupos mais vulneráveis estão sempre no coração dos desastres, e são quem mais sofre com os seus impactos. Por quê?

Por Vicente Sandoval, PhD Student at Development Planning Unit, University College London

O Chile é um país que historicamente sofreu de ameaças naturais, como as erupções vulcânicas, terremotos, deslizamentos de terra, inundações e secas, as quais de alguma forma desencadeiam os chamados desastres “naturais”.

Para que se atinja uma situação de desastres ou de risco, necessitam-se apenas dois elementos: um sistema, uma pessoa ou uma comunidade “vulnerável” e uma “ameaça”, a qual pode ser de origem natural, mas também humana, como os riscos produzidos pelas instalações nucleares, represas, zonas de indústrias químicas, entre outras. Assim, vulnerabilidade e ameaça são dois elementos que devem ser evitados, se possível em conjunto. A má notícia para o Chile é que há mais ameaças naturais presentes no território do que se pode imaginar, e que em conjunto com uma alta vulnerabilidade, fazem do Chile um lugar propício para o risco e a sucessiva ocorrência de desastres.

Nos últimos 40 anos, o mundo acadêmico, mas principalmente o mundo político, empenhou-se em combater os desastres através do aumento do conhecimento sobre as causas físicas dos fenômenos naturais assim como através do investimento em grandes obras de infraestrutura para atenuação, como corta-fogos regionais, represas anti-inundações, dissipadores de lava, etc… Paradoxalmente, o número de desastres, assim como o de mortes e dos custos econômicos deles tem duplicado a cada década desde 1960. Como se explica este aumento?

Pesquisadores como Kent Hewitt e Enrico Quarentelli foram pioneiros ao observar que devemos começar a prestar atenção nas causas sociais dos desastres, nas responsabilidades que possuem os estados, os governos, as políticas públicas e os modelos econômicos na produção de riscos de desastres. A partir do trabalho teórico e empírico de centenas de pesquisadores sobre a produção social de vulnerabilidade, começou-se a demonstrar que fenômenos naturais são, na verdade, desencadeantes de desastres, e não a causa raiz destes. Tomamos um exercício teórico básico: Em teoria, não pode existir uma situação de desastre ao ocorrer um fenômeno natural, como um terremoto, se a vulnerabilidade de uma dada população é “zero”. Por outro lado, tampouco pode haver um desastre se a população é extremamente vulnerável, mas nenhuma ocorrência de um fenômeno natural ocorra, ou seja, ameaça “zero”. Assim, a combinação de vulnerabilidade – ameaça é o que determina a condição de desastre ou de riscos de desastres e não somente a ameaça.

A falha que tem tido os enfoques tecno-centristas em resolver a problemática dos desastres pode ser explicada, em parte, devido a que se tem negado a importância dos fatores sociais, econômicos e políticos na produção da vulnerabilidade. Um estudo recente de Dr. Hugo Romero revelou que a maior parte da população de Talcahuano, que foi afetada pelo tsunami de 2010, vivia em zonas que já haviam sido identificadas como de alto risco. No entanto, o governo autorizou a construção de habitações sociais já que estas terras eram mais baratas.

A localização da população em relação às diferentes ameaças naturais presentes no território é uma das mais importantes variáveis no momento do desastre. Por exemplo, durante o furacão Katrina em 2005, nos EUA, 70% dos bairros inundados continham 90% da população mais vulnerável da cidade de Nova Orleans, principalmente de baixa renda. No entanto, a localização não é a única variável importante na avaliação da vulnerabilidade. Há outras, como a qualidade do entorno construído, a provisão de infraestrutura e serviços básicos, acesso a assistência sanitária, educação e segurança, a possibilidade de assegurar a propriedade, economias, e pertencimento a redes sociais e familiares para ajudar a absorver os impactos do desastre. Todas essas variáveis que se cruzam com a ocorrência de um fenômeno natural extremo são determinantes para definir o nível de risco em que se vive ou o nível do desastre. Contudo, eles têm pouco a ver com a natureza, como tal, estão mais sujeitos a social, econômica e política. A grande diferença radica no fato de que, como seres humanos, é reconhecido que temos pouco, ou muito pouco controle sobre os fenômenos naturais. No entanto sobre os fatores que determinam a vulnerabilidade temos toda, ou a maior parte da responsabilidade.

Sobre este autor
Cita: Eduardo Souza. "Quão naturais são os desastres?" 21 Nov 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/81229/quao-naturais-sao-os-desastres> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.