O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Cinema e Arquitetura: “Mon Oncle”

Cinema e Arquitetura: “Mon Oncle”

Cinema e Arquitetura: “Mon Oncle”
Cinema e Arquitetura: “Mon Oncle”

Esta semana retrocedemos 50 anos para recordar de uma obra-prima do diretor francês Jacques Tati, que mostra como o modernismo se reflete na vida cotidiana e doméstica  da sociedade da época. A busca da máxima eficiência, os desenhos puros  e  a sofisticação de qualquer tipo de indumentária se torna mais do que uma ferramenta, no objetivo de qualquer entorno urbano.

FICHA TÉCNICA

Título original: Mon Oncle
Ano: 1958
Duração: 120 min.
Origem: França
Direção: Jacques Tati
Roteiro: Jacques Lagrange, Jean L’Hote, Jacques Tati
Trilha Sonora: Barcellini Franck, Alain Romans, Norbert Glanzberg
Elenco: Jacques Tati, Jean-Pierre Zola, Adrienne Servantie, Alain Becourt

SINOPSE

“Meu Tio” (Mon Oncle) é um filme que resume muito bem a arquitetura e da cidade de meados do século XX, pelo menos em ambas  extremidades mais reconhecíveis. O filme de Jacques Tati mostra o contraste entre dois mundos, duas formas de viver e compreender a cidade e a arquitetura que no final dos anos 50 iria se sobrepor violentamente.

Um deles é o mundo da modernidade exagerada por um otimismo futurista, como chegou (ou regressou) para a Europa nas mãos da reconstrução do pós-guerra e o outro é representado pela cidade tradicional.

Estes dois mundos são representados no filme de Tati em três níveis diferentes: o habitante, sua casa e o entorno cotidiano, ou o bairro. um dos personagens mais interessantes é uma crinça, que será o elo de  ligação entre esses dois mundos completamente diferentes. Ele vive no bairro da moda, em uma casa moderna e tem uma família moderna. Do outro lado, está o o tio da criança, Monsieur Hulot representado por Tati , que vive na parte antiga da cidade em uma casa antiga.

O olho crítico afiado do  diretor marca em cada cena as diferenças entre esses dois mundos em um contraponto contínuo. O personagem de Tati passa habitualmente a buscar o menino na escola, para logo levá-lo à casa de sua irmã, que é casada com Arpel, um fabricante de plásticos de sucesso. Tati pelo contrário, não tem emprego.

A  Villa Arpel é uma bolha super moderna fechada para o exterior através de um muro que a separa do resto da vizinhança. Apenas um  grande portão para o carro se conecta com a cidade. Já  a casa de Tati está em meio a um complexo labirinto de casas, escadas e corredores, onde mal se consegue escapar dos olhares, das conversas, da saudação casual, enfim, do contato social com a vizinhança. A casa faz parte do bairro.

Na frente da casa moderna e isolado entre seus muros encontramos um jardim fechado e meticulosamente desenhado nos mínimos detalhes, ao ponto de impedir qualquer atividade que se queira realizar nele. Uma visão clara que se reflete na tédio constante do menino quando está em casa. Em contraste, o quintal da casa de Tati é o própio bairro. As crianças do bairro se reunem e brincam em terrenos baldios ou entre os carros na rua.

Enquanto a “eficiência” parece ser a palavra que expressa a casa moderna, com seus aparelhos eletrônicos  controlados à distância e os eletrodomésticos onipresentes na vida familiar; é a “ineficiência”, a que é retratada no bairro antigo, onde ninguém parece fazer o que deve fazer: o verdureiro vende numa  mesa de um bar a  50 metros da verdureria, o varredor não varre, etc. Entretanto o olhar é crítico e a  eficiência  acaba sendo inconveniente quando mais de uma vez os artefatos não respondem aos seus mestres.

Veja o trailer a seguir!

 

Sobre este autor
Joanna Helm
Autor
Cita: Joanna Helm. "Cinema e Arquitetura: “Mon Oncle”" 13 Abr 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/43127/cinema-e-arquitetura-mon-oncle> ISSN 0719-8906