O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Ban vs. Schumacher: Os arquitetos deveriam assumir responsabilidades sociais?

Ban vs. Schumacher: Os arquitetos deveriam assumir responsabilidades sociais?

  • 20:00 - 13 Abril, 2014
  • por
  • Traduzido por Maria Julia Martins
Ban vs. Schumacher: Os arquitetos deveriam assumir responsabilidades sociais?
Ban vs. Schumacher: Os arquitetos deveriam assumir responsabilidades sociais?, Guangzhou Opera House, Zaha Hadid Architects. Image ©  Iwan Baan
Guangzhou Opera House, Zaha Hadid Architects. Image © Iwan Baan

Recentemente, Patrik Schumacher, o braço direito de Zaha Hadid, tentou impor os limites da arquitetura em um post no Facebook digno de um Millenial. O tom era prescritivo e caracterizado por uma aplicação liberal do caps lock . Em um mundo ideal, poderia ter sido ignorado coletivamente, mas a discussão se estendeu por vários segmentos do Facebook e inspirou uma resposta da  mídia. Aqui está um resumo: a contribuição da arquitetura para a sociedade é a forma, não o politicamente correto e não a arte, que não tem uma função para além de si. Com mais que apenas uma pitada de indignação, ele denuncia especificamente os vencedores da Bienal de Veneza 2012. Ele não estava na lista. Egos feridos à parte, o comentário abriu espaço para uma questão profunda e onipresente dentro da nossa disciplina: O que os arquitetos oferecem que ninguém mais pode oferecer?

Embora eu não concorde com a rejeição da arquitetura "politicamente correta" (nós vamos chegar a isso) de Schumacher, encontrei várias pepitas de ouro brilhando após peneirar seu discurso no Facebook. Como é típico com a escrita de arquitetura, é preciso quebrar algumas camadas de elevado jargão intelectual para chegar à polpa suculenta.

A declaração original de Schumacher, à primeira vista, pode ser entendida como uma redução de arquitetura para a forma apenas; um objeto, uma concha. No entanto, quando seguiram os comentários, ele passa a distinguir o campo como forma de fazer essa função, segundo ele, uma "função performativa." Essa função, ele diz, é social: "ordenar, estruturar e facilitar a cooperação social." O objetivo da arquitetura é mudar as forças sociais além de si mesma, e a manipulação da forma é o meio para esse fim.

Ele equivale a mecânica das formas e as formas de linguagem, onde o significado é deixado à interpretação do receptor. Os elementos da forma são a estrutura e a sintaxe, a nossa caixa de ferramentas de comunicação e nossa organização desses elementos nos permite provocar significados e associações simbólicas. Coloque uma coluna e significará uma entrada. Dobre a cobertura de um estádio e significará uma genitália.

Al Wakrah Stadium, Zaha Hadid Architects. Imagem Cortesia de ZHA
Al Wakrah Stadium, Zaha Hadid Architects. Imagem Cortesia de ZHA

Schumacher aponta para grandes mudanças estilísticas como os momentos mais importantes da nossa disciplina. Elas significam (e, possivelmente, induzem) mudança cultural. Elas são os entalhes no critério contra o qual o crescimento da arquitetura é medido. Alguns sugerem que a arquitetura foi definhando desde o Modernismo. Schumacher oferece o parametricismo como o novo Messias. "[Ele] está salvando a razão de existir da disciplina", declara.

Agora, eu não sou devoto de parametricismo. Admito estar sob influência do assunto, ainda estou seduzido por essa possibilidade. Suas curvas suaves sugerem um potencial sedutor para aproveitar e dinamizar as forças culturais e políticas, digerí-las e oferecer uma nova interpretação. Personalização em massa e dependência digital são crescentes em nossa sociedade. Não há dúvida que uma multidão de pessoas clama ter seus próprios desejos concretizados na forma de um painel de revestimento único em seu museu favorito. Basta pensar nas possibilidades. Isso não é necessariamente o que Schumacher está propondo, é claro. É simplesmente um resultado possível de aproveitamento da cultura global para "ordenar, estruturar e facilitar a cooperação social."

Eu sou um firme crente de que o ambiente e a cultura construída está em um relacionamento de influência recíproca. Às vezes, é agressivo e volátil. Outras vezes, eles não chamam um ao outro de volta. Parametricismo, como um estilo e ferramenta, pode ser lido como o analógico formal da nossa tendência para nos conectarmos digitalmente. Ele pode ser visto como o futuro da disciplina, mas não é o único caminho.

Cardboard Cathedral, Shigeru Ban Architects. Image © Stephen Goodenough
Cardboard Cathedral, Shigeru Ban Architects. Image © Stephen Goodenough

As ferramentas do arquiteto contém mais do que a capacidade de construir relações formais complexas. Claro, podemos alterar os paradigmas da sociedade usando este sistema, esculpindo cultura em um arco mais suave e indiferente como um dos telhados reluzentes de Schumacher. Também podemos usar um martelo. Como arquitetos, podemos utilizar nosso grande treinamento em resolução de problemas para criar soluções a partir de recursos limitados. Podemos conceber sistemas construídos para afetar a vida das pessoas diretamente, em vez de sussurrar para as massas através da nossa manipulação da forma. Schumacher denuncia este método como "politicamente correto". Vou chamá-lo de "humanitária". Os vencedores da Bienal de Veneza de 2012, a pedra no sapato do parametricismo, incluem o pavilhão japonês de Toyo Ito, que contou com propostas habitacionais alternativas para as vítimas do tsunami. Recebeu validação formal do cânone arquitetônico em forma de um chamativo Leão de Ouro. Schumacher vê essa validação como um beco sem saída para a disciplina, chamando-o de "moralizar o politicamente correto que está tentando nos paralisar com má consciência e prender nossas explorações se não pudermos demonstrar instantaneamente um tangível manifesto para os pobres..."


Estou imediatamente atingido por duas presunções nesta declaração de que estão disfarçadas de fato. Em primeiro lugar, gostaria de saber o quanto de arquitetura humanitária tem se mostrado um "benefício imediato para os pobres." Há, sem dúvida, uma grande parte que é o resultado de idéias equivocadas, intitulado sobre o que as pessoas pobres precisam e querem. Esses projetos servem os desejos do arquiteto, em vez de os usuários. Onde o objetivo é auto-serviço, estou inteiramente de acordo que é preciso estar atento e crítico a este tipo de arquitetura. Por exemplo, as habitações de "Make it Right" de Brad Pitt para as vítimas do furacão Katrina receberam generosas doações de críticas a este respeito. Isso não quer dizer que toda a arquitetura humanitária está suja por suas próprias boas intenções, no entanto. Eu aponto para Shigeru Ban Architects, ELEMENTAL, MASS Design Group, NLÉ, e o Rural Studio como exemplos de organizações engajadas ativamente aos usuários previstos que produzem resultados visíveis.

Quinta Monroy, ELEMENTAL. Image © ELEMENTAL
Quinta Monroy, ELEMENTAL. Image © ELEMENTAL

Meu segundo problema com a declaração de Schumacher é que ele deseja "nos paralisar". Isso tem um ligeiro anel de vitimização a ele. Isso implica que só pode haver uma trajetória significativa na disciplina, colocando projetos que diferem em uso ou método de projeto contra o outro. Consideremos por um momento que o objetivo do modelo humanitário não é "politicamente correto" (Que imposição!), mas um desejo genuíno de disseminar as ferramentas do arquiteto para os milhares de milhões (bilhões, digo eu) de pessoas que de outra forma não têm acesso. Geralmente, este é o mesmo setor da cultura que não tem a capacidade de comprar um painel de revestimento personalizado, para não dizer nada de interesse. É um grande pedaço do gráfico de pizza da população. Eu diria que a arquitetura humanista não é uma tentativa de estilo Pac-Man para sufocar a inovação formal e engolir o potencial do parametricismo, mas simplesmente um ramo paralelo da disciplina concebido para um tipo diferente de usuário.


O arquiteto pode optar por pegar uma trajetória e achar que ele tem acesso às ferramentas necessárias. Como parametricismo, a arquitetura humanitária está preocupada com a criação de sistemas implantáveis ​​e até mesmo a customização em massa. Visa também o desenvolvimento da sociedade. A distinção gritante entre os dois é que eles operam com diferentes recursos. Um é alimentado por combustível de foguete, o outro por manivela. O método é semelhante: identificar os fatores culturais e geográficos relevantes, estabelecer parâmetros, permitir divergências. No parametricismo, o formulário é fixado pelo arquiteto e a divergência ocorre na interpretação do usuário. No modelo humanitário, um determinado conjunto de parâmetros é estabelecido pelo arquiteto, permitindo um segundo conjunto de entrada para ser manipulado pelo utilizador. Estes podem ser tão simples como o comprimento das cavilhas e a largura dos painéis de parede para permitir a configuração personalizada, ou existir na forma de ideias e participação.


Arquitetos podem optar por mudar a cultura por incutir significado na linguagem do ambiente construído; contribuindo de forma idealizada. Também poderiam tentar alterá-lo mais diretamente, através da difusão de sistemas idealizados que muitas vezes são promulgadas para e pela outra parte do gráfico de pizza. A arquitetura que escolhemos para validar, como sociedade, representa um conjunto de valores dentro da nossa cultura global, medido pelas mudanças estilísticas . Eu pergunto se não poderíamos nos limitar a uma única trajetória. Há menos de um mês, Shigeru Ban foi reconhecido como vencedor do Pritzker 2014, sugerindo que seu trabalho humanitário é considerado válido no âmbito da disciplina. Seu rosto agora ficará ao lado de nomes como Toyo Ito e Zaha Hadid, provando que mesmo o cânone arquitetônico se recusa a reduzir a arquitetura a uma única busca. Parametricismo e arquitetura humanitária são concebidos para usuários diferentes, mas eles compartilham o mesmo objetivo básico de fazer avançar a sociedade e são construídos com o mesmo conjunto de ferramentas.


Onagawa Container Temporary Housing. Image © Hiroyuki Hirai
Onagawa Container Temporary Housing. Image © Hiroyuki Hirai

Rennie Jones é arquiteta de durante as tarde e  escritora pelas manhãs - este artigo foi originalmente publicado em seu blog. Ela espera terminar seu primeiro romance neste verão.


Sobre este autor
Rennie Jones
Autor
Cita: Jones, Rennie. "Ban vs. Schumacher: Os arquitetos deveriam assumir responsabilidades sociais?" [Ban vs. Schumacher: Should Architects Assume Social Responsibility?] 13 Abr 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Martins, Maria Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/188729/ban-vs-schumacher-os-arquitetos-deveriam-assumir-responsabilidades-sociais> ISSN 0719-8906