Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Questionamentos sobre Londres após as Olimpíadas

Questionamentos sobre Londres após as Olimpíadas

Questionamentos sobre Londres após as Olimpíadas
Questionamentos sobre Londres após as Olimpíadas, © Matt Brock via Flickr
© Matt Brock via Flickr

Após o governo britânico divulgar dados de que as Olimpíadas de Londres causaram um impulso de 10 bilhões de libras esterlinas na economia do Reino Unido - ultrapassando o investimento inicial em apenas um ano - surgiram questionamentos, dentro da comunidade arquitetônica, sobre os efeitos a longo prazo da herança construída resultante dos jogos.

Olly Wainwright, crítico do The Guardian, é duro a respeito do Parque Olímpico, particularmente a respeito dos empreendimentos nos limites do local: "em cada junção desta impactante via há uma enorme torre, cada uma revestida por cores berrantes, que transformam a rua no palco de uma disputa de egos. Pairando sobre os prédios adjacentes, estes totens impetuosos são monumentos à ganância olímpica... Tire as cores festivas e o que resta são grandes torres de flats que serão vendidos, sobretudo, para investidores de outros países.

Saiba mais da opinião de Wainwright e de outros sobre o legado Olímpico em Londres...

Embora Wainwright seja também crítico a respeito do East Village - a área residencial no parque ("Há pouca sensação de escala humana") - ele tem uma opinião positiva sobre Kathryn Firth e Eleanor Fawcett, chamando as arquitetas responsáveis pelo projeto do London Legacy Development Corporation (LLDC) de uma "dupla convincente". As duas foram encarregadas de reconectar o Parque Olímpico à área circundante e desenvolver um bairro que tenha mais a ver com o restante de East London:

"Elas trazem uma bem vinda voz de sanidade após um desastroso fracasso de planejamento, buscando transformar em um lugar coerente esta colagem de retalhos," complementa Wainwright, mas que também adverte: "apesar das arquitetas transmitirem, através de palavras e desenhos, uma reconfortante mensagem, há ainda poucas evidências de que suas intenções darão frutos."

Por outro lado, BDOnline procurou a opinião de dois especialistas com diferentes opiniões: a Diretora da Oppidan Design Sowmya Parthasarathy celebra o fato de que "duzentos hectares de terra foram liberados de um emaranhado de postes e dutos. Mais de 30 novas pontes e passagens subterrâneas ajudaram reparar a fragmentada região de Lower Lea Valley."

Parthasarathy comenta: "Embora os ícones visíveis do legado sejam impressionantes, projetos mais modestos espalhados por uma área mais vasta - impulsionados pelos Jogos - tiveram, sem dúvida, um sucesso ainda maior."

Contra argumentando, Michel Edwards, conferencista Senior de economia do planejamento urbano na Bartlett, diz que a proposta olímpica de Londres - implementada durante a recessão - significa que "o legado positivo é dificilmente detectável na enxurrada de mudanças sociais destrutivas".

Ele aponta que a economia britânica, baseada na austeridade, significa que "as ambições de moradia popular foram aniquiladas pelas pressões que visam diminuir a dívida pública."

No entanto, admite que as Olimpíadas proporcionaram um sopro de vida para a indústria da construção civil em meio aos piores anos de recessão: "os Jogos mantiveram construtores e projetistas ocupados durante anos que teriam sido mornos"

Sobre este autor
Cita: Stott, Rory. "Questionamentos sobre Londres após as Olimpíadas" [London's Olympic Legacy Called into Question ] 07 Set 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/138799/questionamentos-sobre-londres-apos-as-olimpiadas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.