O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Ranking 2013: As dez cidades mais caras do mundo

Ranking 2013: As dez cidades mais caras do mundo

Ranking 2013: As dez cidades mais caras do mundo
Ranking 2013: As dez cidades mais caras do mundo, Tóqui, Japão
Tóqui, Japão

Por Constanza Martínez Gaete via Plataforma Urbana. tradução Archdaily Brasil

Recentemente, a Unidade de Inteligência Econômica, do The Economist publicou um estudo das dez cidades com maior custo de vida do mundo, correspondente ao primeiro semestre de 2013.

A medição foi feita com base em Nova Iorque, que possui 100 pontos, de modo que as cidades que a ultrapassaram foram consideradas as mais caras. Os pesquisadores consideraram 400 preços de mais de 160 produtos e serviços vendidos em cada cidade que não contêm os valores recomendados pelos revendedores ou os custos dos fabricantes, porque os clientes pagam um imposto agregado ao comprar. Além disso, cada um desses produtos está disponível para grandes públicos através de supermercados, lojas de preço médio e locais especializados de maior preço.

Para combinar com a unidade de medida, os preços locais são convertidos em dólares americanos e foram classificadas em categorias gerais e não focados em padrões de gastos em cada país. Dentre os índices analisados ​​estão os alimentos, o custo das escolas privadas, serviços públicos, salários, transporte e vestuário.

Tóqui, Japão
Tóqui, Japão

Veja a seguir as 10 cidades mais caras e as 10 mais baratas para viver: 

1. Tóquio, Japão

A deflação que afeta o país asiático, juntamente com o enfraquecimento do iene, a moeda local, e o aumento dos preços dos itens presentes nas categorias medidas, levou a capital japonesa a posicionar-se como a cidade mais cara do mundo.

Embora nos últimos seis anos Tóquio tenha aparecido como uma das cidades mais caras, desta vez, desde as condições mencionadas facilitaram com que esta ficasse na primeira posição do ranking na versão 2013, com 52 pontos acima da unidade base. Reafirmou-se como uma das cidades mais caras para se viver nos últimos vinte anos.

Osaka, Japão
Osaka, Japão

Para dimensionar a parte de despesas que os moradores de Tóquio devem pagar diariamente, um quilo de pão custa 9 dólares, enquanto um litro de gasolina chega a 2 dólares.

Nesta lista, Tóquio marcou 152 pontos, abaixo dos 170 que registrou a primeira cidade no ranking de 2012.

Sidney, Austrália
Sidney, Austrália

2. Osaka, Japão.

Esta cidade japonesa subiu uma posição em relação à medição do ano anterior, também motivada pelas condições econômicas que ocorreram no país. Reconhecida como uma das cidades menos poluídas do mundo em 2012 pela Organização Mundial de Saúde (OMS) graças às condições de ventilação que ocorrem em sua baía, sua atratividade diminui com o alto custo de vida que é refletido no preço que chega um quilo de pão, atingindo o valor de 8 dólares americanos.

3. Sidney, Austrália

Oslo, Noruega
Oslo, Noruega

Dez anos atrás, as cidades australianas nem sequer entravam no ranking das 50 cidades mais caras. No entanto, a inflação e as flutuações da moeda nos últimos anos levaram a posicionarem-se até mesmo acima das cidades suíças, que antes se situavam nas primeiras posições do ranking. Essas mudanças econômicas encareceram o custo de vida, o que se reflete nos 5 dólares que custa um quilo de pão. Sidney, localizada na costa leste da Austrália, é caracterizada pelo acolhimento à maioria das indústrias e serviços financeiros no país.

Melbourne, Austrália
Melbourne, Austrália

4. Oslo, Noruega

Com 36 pontos acima da base Nova Iorque, a capital norueguesa permaneceu na mesma posição de 2012.

Cidade de Singapura
Cidade de Singapura

4. Melbourne, Austrália.

Empatada com Oslo neste primeiro semestre de 2013, Melbourne subiu quatro posições em relação à última medição. O fortalecimento do dólar australiano e a inflação elevaram o custo de vida na cidade australiana, que recentemente foi classificada entre os centros econômicos mais atraentes, juntamente com os asiáticos e neozelandeses. Em Melbourne, os preços de alguns itens medidos para a classificação são mais baixos do que em Sidney, como um quilo de pão (4,87 dólares), uma garrafa de vinho (25 dólares) e um litro de gasolina (1,49 dólares).

Zurique, Suíça
Zurique, Suíça

6. Cidade de Singapura, Singapura.

No ano passado, esta cidade asiática ficou em penúltimo lugar, mas com um poder de compra mais elevado de seus cidadãos em 2013, que viu um ligeiro aumento em seus salários nos últimos meses, a capital de Cingapura subiu três posições no ranking. Apesar da contração do crescimento econômico do país nos últimos três anos, está atraindo centenas de turistas e homens de negócios, pois é considerado um dos principais grupos industriais da Ásia.

Paris, França
Paris, França

7. Zurique, Suíça.

Sem dúvida, o declínio que mais chamou a atenção no ranking foi Zurique, uma cidade que no ano passado liderou o ranking. Nesta vez, Zurique registrou 131 pontos, sendo que no ano passado marcou 170. Esta situação refletiu-se em todos os produtos testados, que diminuíram seus preços. Se em 2012 o quilo do pão custava pouco mais de 3,7 dólares, neste ano o valor foi reduzido para 2,8 dólares. Enquanto isso, o litro da gasolina caiu de 1,06 dólares para 0,94.

Caracas, Venezuela
Caracas, Venezuela

8. Paris, França.

Embora os planos de redução de custos por parte do governo francês tenham entrado em operação em 2011, elas foram feitos a partir de um aumento de impostos, afetando diretamente o custo de vida dos habitantes da capital francesa. Uma das maiores vítimas dos itens medidos ocorreu no preço do pão, que passou de 4,7 a 6,2 dólares.

Genebra, Suíça
Genebra, Suíça

9. Caracas, Venezuela.

A segunda surpresa deste ranking foi a inclusão da capital venezuelana, ocasionada pelo câmbio fixo da moeda que manipula o país em relação ao dólar. Além disso, a volatilidade dos preços tem sido tão forte que fez com que a inflação aumentasse em até 20%. No entanto, se utilizassem outra moeda, Caracas estaria entre as cidades mais baratas, junto com Mumbai (Índia) e Karachi (Paquistão). Atualmente, na única cidade latino-americana da lista, um quilo de pão custa 4,4 dólares, enquanto um litro de gasolina não chega a 50 centavos de dólar.

10. Genebra, Suíça.

O enfraquecimento do franco em relação ao euro levou Genebra a perder a terceira posição, que ocupava em 2012, para a décima no primeiro semestre de 2013. Como os preços de Zurique, o mais representativo entre os produtos medidos é a queda no preço do quilo de pão, de 3,3 para 2,6 dólares.

Em contraste às cidades expostas, as dez cidades mais baratas segundo o Ranking da EIU são:

1. Teerã, Irã.

2. Jeddah, Arábia Saudita.

3. Cidade do Panamá, Panamá.

4. Colombo, Sri Lanka.

5. Bucareste, Romênia.

6. Argel, Argélia.

7. Kathmandu, Nepal.

8. Nova Delhi, na Índia.

9. Bombaim, na Índia.

10. Karachi, Paquistão.


Ver a galeria completa

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "Ranking 2013: As dez cidades mais caras do mundo" 29 Mai 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/116995/ranking-2013-as-dez-cidades-mais-caras-do-mundo> ISSN 0719-8906