O Novo "Contexto" em Arquitetura: Aprendendo com o Líbano

O Novo "Contexto" em Arquitetura: Aprendendo com o Líbano

O "contexto" em arquitetura se tornou um assunto alvo de discussões e debates ao longo dos anos. E, na realidade, não possui uma grande relevância no sentido formal e tipológico. Tomemos, por exemplo, as formas fluidas que compõem as centenas de projetos de Zaha Hadid ao redor do mundo, ou as composições explodidas de Frank Gehry vistas na África do Sul e também no inconfundível Guggenheim de Bilbao. A forma que a arquitetura toma nestes casos, e em diversos outros, é uma completa desconsideração ao contexto em seu sentido literal.

Mas é um erro desconsiderar o contexto? Os observadores diriam freqüentemente que sim, embora eu discorde. Tem se tornado frequente que projetos desta natureza, abertamente formais e nem sempre bem ajustados em relação aos seus entornos históricos, tomem um posicionamento quanto às questões urbanas que têm impacto direto sobre os habitantes da cidade. É muito simples, hoje em dia, uma arquitetura bem sucedida é aquela que serve culturalmente e praticamente à sociedade, abordando os problemas das cidades do século XXI e lidando com o contexto de maneira a buscar soluções, indo além da estética (cujo valor é apenas temporário) e em direção a um urbanismo que investe no futuro. Um exemplo? A cidade onde moro: Beirut, Líbano.

Exemplos no Líbano que ilustram esta nova abordagem ao contexto na continuação.

The Lebanese American University Campus in Byblos. Image © Nadim AsfarThe Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 ArchitectesThe Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 ArchitectesThe Issam Faris Institute at the American University of Beirut's Historic Campus. Image © Zaha Hadid Architects. + 12

O Instituto Issam Faris na Universidade Americana de Beirut

The Issam Faris Institute at the American University of Beirut's Historic Campus. Image © Zaha Hadid Architects.
The Issam Faris Institute at the American University of Beirut's Historic Campus. Image © Zaha Hadid Architects.

O projeto de Zaha Hadid para o Instituto Issam Faris no campus histórico da Universidade Americana de Beirut, no Líbano, é um projeto freqüentemente criticado por sua forma intrusiva em um entorno sensível. No entanto, observar o projeto com maior atenção, não se pode deixar de notar as admiráveis decisões tomadas em seu desenvolvimento, decisões que oferecem uma ousada abordagem à quase dramática falta e espaços verdes no Líbano - especialmente em Beirut.

Em primeiro lugar, a proposta oferece acesso a uma grande e previamente desconectada área do campus, tanto a partir do edifício quanto a partir da rua. Ao mesmo tempo em que esta estratégia beneficia os usuários do edifício e do campus em geral, ela tem um impacto ainda mais significante em uma escala maior. A mensagem é simples: se há alguma área de vegetação, permita que as pessoas cheguem até lá facilmente.

The Issam Faris Institute at the American University of Beirut's Historic Campus. Image © Zaha Hadid Architects.
The Issam Faris Institute at the American University of Beirut's Historic Campus. Image © Zaha Hadid Architects.

A dificuldade dos trajetos de pedestres em Beirut é também abordada no projeto, que possui rampas de conexão entre diferentes níveis topográficos e entre os diferentes pavimentos do edifício, diminuindo as desconexões do terreno e melhorando, desa forma, a acessibilidade. As rampas dedicadas aos pedestres surgem como uma forte resposta à situação local em que os cidadãos normalmente têm que lutar contra automóveis e comerciantes de rua por um espaços para caminhar.

O Campus da Universidade Libanoamericana em Byblos

The Lebanese American University Campus in Byblos. Image © Nadim Asfar
The Lebanese American University Campus in Byblos. Image © Nadim Asfar

Assim como o Instituto Issam Faris, o campus da Universidade Libanoamericana em Byblos aborda de forma similar a necessidade de se preservar os espaços verdes desta região de rápida urbanização. Em 1991, Samir Khairallah and Partners foram convidados a projetar um campus com seis edifícios em uma íngreme colina que varia de 200 a 500 metros acima do nível do mar. Os arquitetos decidiram agrupar o campus inteiro adjacente à uma importante rua de de pedestres, uma decisão que interferiria o mínimo possível na área de vegetação existente.

The Lebanese American University Campus in Byblos. Image © Ramzi Naja
The Lebanese American University Campus in Byblos. Image © Ramzi Naja

Samir Khairallah and Partners assumiram os diferentes níveis da topografia do terreno, conectando o campus através dos próprios edifícios. Cada edifício pode ser acessado por dois níveis diferentes, alguns por até quatro, permitindo que os usuários transpassem a topografia quando possível e conectando o projeto com a colina em que se situa. Até mesmo a rua central existe em três diferentes níveis que se deslocam de acordo com a topografia. Os arquitetos mostram seu respeito à natureza ao mesmo tempo que permitem uma circulação fácil e prática para os estudantes da universidade. 

O Campus de Esportes e Inovação da Universidade de Saint Joseph

The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 Architectes
The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 Architectes

Diferentemente dos dois exemplos anteriores, o campus de esportes e inovação da Universidade de Saint Joseph se localiza em uma região bastante densa de Beirut. Os projetistas, Toussef Tohmé e 109 Architects, conceberam o projeto como seis estruturas independentes que cercam um espaço comum aberto muito bem definido. Este espaço é arranjado de modo a não possibilitar construções nem ser utilizado como estacionamento - um destino comum à espaços semelhantes em Beirut. De fato, ele age como o núcleo do projeto, servindo como passagem entre as seis estruturas independentes e como pano de fundo para o teatro principal.

The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation - Plan. Image © 109 Architectes
The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation - Plan. Image © 109 Architectes

Esta configuração é derivada da simples decisão de transformar o espaço externo em um pátio central - uma resposta direta ao problema local dos espaços públicos - enquanto que o jardim de cobertura aborda a mesma questão em uma situação diferente. O projeto se coloca desajeitadamente em seu entorno, dando muito pouca atenção aos edifícios e vazios nos quais está imerso, porém, propõe ideias que podem ser uma fonte de mudanças para a cidade.

The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 Architectes
The Saint Joseph University Campus of Sports and Innovation. Image © 109 Architectes

Estes três projetos se aprofundam muito na estrutura dos locais onde estão inseridos, abordando problemas menos óbvios, porém mais sérios de modo prático e impetuoso. Seus gestos trazem a relação com o contexto a um nível de racionalidade sem precedentes. Sob as luzes da urbanização agressiva que o mundo vivencia, é chegada a hora de superarmos as aparências e focarmos em como a arquitetura lida com o seu entorno. Afinal, se a arquitetura serve às pessoas em seu contexto local, deveríamos mesmo nos preocupar se ela se coloca timidamente ou não ao lado de um edifício histórico?

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Naja, Ramzi. "O Novo "Contexto" em Arquitetura: Aprendendo com o Líbano" [The New 'Context' in Architecture: Learning From Lebanon] 24 Abr 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/01-110368/o-novo-contexto-em-arquitetura-aprendendo-com-o-libano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.