1. ArchDaily
  2. Superstudio

Superstudio: O mais recente de arquitetura e notícia

Cristiano Toraldo di Francia, cofundador do Superstudio, morre aos 78 anos

Ontem, 30 de julho, Cristiano Toraldo di Francia, cofundador do Superstudio, faleceu aos 78 anos de idade. Durante os anos 60 e início dos anos 70, o estúdio italiano, cofundado por Adolfo Natalini, concentrou-se na crítica aos métodos de produção do design e da arquitetura. A prática do estúdio se refletiu numa forma muito particular de representar a arquitetura através de colagens, manifestos e storyboards. Esta abordagem desencadeou múltiplas discussões que permanecem válidas até hoje entre as gerações mais jovens, que revisitaram aquelas críticas para aplicá-las a novas formas de produzir e pensar arquitetura.

Arquitetura e utopia: videoclipes que buscam referência nas cidades utópicas do Superstudio e Archigram

Arquitetura e utopia: videoclipes que buscam referência nas cidades utópicas do Superstudio e ArchigramArquitetura e utopia: videoclipes que buscam referência nas cidades utópicas do Superstudio e ArchigramArquitetura e utopia: videoclipes que buscam referência nas cidades utópicas do Superstudio e ArchigramArquitetura e utopia: videoclipes que buscam referência nas cidades utópicas do Superstudio e Archigram+ 14

Em arquitetura, a critica sempre vem acompanhada de um conceito utópico. As utopias não são modelos alternativos e também não servem para resolver os problemas existentes, mas para torná-los ainda mais evidentes. Poderíamos dizer que o conceito principal de uma utopia é a esperança. A utopia é o embrião de cada projeto, cada pequeno espaço onde a vida humana acontece. O que é mais revolucionário em uma utopia é a sua capacidade de desenvolver uma reflexão crítica sobre o mundo em que vivemos, devolvendo a sua dignidade através de uma análise racional.

Arquitetos como os do Superstudio e do Archigram foram pioneiros no desenvolvimento de visões utópicas sobre à arquitetura. Estes movimentos críticos chegaram a seu auge durante os anos 1960, justo quando o mundo presenciava uma enorme crise econômica sem precedentes. Estes são momentos cruciais para as utopias, porque justamente em momentos de maior desespero é que a esperança mais se fortalece; Ambos estúdios de arquitetura, se assim podemos chama-los, contribuíram decisivamente para o desenvolvimento do pensamento crítico sobre a arquitetura, desmantelando a visão canônica da profissão, assim como o consumismo irrelevante, propondo novas visões para o futuro de nossas cidades, ideias que ainda permanecem atuais quando paramos para idealizar uma sociedade livre.

Os melhores videoclipes para arquitetos de 2017

Aquele velho ditado que diz "escrever sobre música é como dançar sobre arquitetura", parece não ter mais sentido quando a arquitetura se torna de fato o pano de fundo da música e da dança. Desde que o vídeo suplantou a rádio, famosos projetos de casas e edifícios históricos são utilizados como cenários para vídeos musicais dos mais variados estilos. Então, quais foram os clipes de 2017 que melhor incorporaram o nosso maravilhoso mundo da arquitetura?

O Thespaces.com compilou uma lista dos melhores vídeos musicais para amantes da arquitetura em 2017. Aqui apresentamos os nossos favoritos desta lista e alguns outros que acreditamos merecer uma menção especial.

Os 9 grupos mais inspiradores e audaciosos da arquitetura dos anos 60 e 70

A primeira viagem espacial à lua, os protestos anti-guerra generalizados, Woodstock e os hippies, comunidades rurais e ambientalismo, o Muro de Berlim, o movimento de libertação das mulheres e muito mais - as tumultuadas décadas de sessenta e setenta ocupam um lugar inesquecível na história da humanidade. Com as injustiças sendo questionadas abertamente e ideias radicais que propunham destituir muitas das convenções existentes em várias esferas da vida, as coisas não foram diferentes no mundo da arquitetura.

O mundo idealizado pelos modernistas foi logo questionado por experimentos utópicos dos grupos "anti-arquitetura" ou "design radical" dos 1960-1970. Restabelecendo a arquitetura como um instrumento de crítica política, social e cultural, elaboraram manifestos e projetos arrojados, experimentaram com a colagem, música, performance artística, mobiliário, design gráfico, zines, instalações, eventos e exposições. Enquanto certos indivíduos desta época como Cedric Price, Hans Hollein e Yona Friedman perduraram como importantes nomes na esfera do radicalismo e do não construído, o espírito revolucionário dessas décadas também viu o nascimento de vários jovens coletivos de arquitetura. No que há de mais excêntrico, veja a lista (de forma alguma exaustiva) de alguns grupos que ousaram questionar, cutucar, expandir, se rebelar, interromper e redefinir a arquitetura nos anos 60 e 70.

Arte e Arquitetura: "Superstudio Revisitado" por Nitsche Arquitetos + Jorn Konijn

Fotomontagem © Nitsche ArquiteturaFotomontagem © Nitsche ArquiteturaFotomontagem © Nitsche ArquiteturaFotomontagem © Nitsche Arquitetura+ 16

Sob a curadoria de Jorn Konijn, Nitsche Arquitetos foi convidado para revisitar a obra do Superstudio, grupo fundado em 1966, na Itália, que fazia parte da vanguarda arquitetônica de seu tempo. Os italianos traziam à tona novas formas de imaginar os espaços e através de suas representações formulavam grandes críticas políticas e urbanas, questionando o estilo de vida e o que era produzido na época. Talvez "Monumento Contínuo" seja a obra mais celebrada deste grupo, e é exatamente esta a escolhida para ser revistada pelo escritório de arquitetura paulistano, que faz uma releitura inserindo o "grid" na realidade paulista.

Veja o texto e as imagens do projeto, junto de fotografias de sua exposição, a seguir.

Projeções inspiradas no Superstudio e em Lebbeus Woods iluminam o Palácio de Karlsruhe

Como parte das celebrações do 300° aniversário de Karlsruhe (KA300), o palácio da cidade alemã está sendo alvo de projeções de luz inspiradas no grupo italiano dos anos 1970, Superstudio, e no arquiteto Lebbeus Woods. A elaborada instalação intitulada Schlosslichtspiele exibe o trabalho de nove proeminentes artistas e grupos - todos explorando de modo singular, através de suas projeções visuais, os "relevos e vazios" do Palácio de Karlsruhe.

Saiba mais sobre a instalação, a seguir.