1. ArchDaily
  2. Malkit Shoshan

Malkit Shoshan: O mais recente de arquitetura e notícia

Os 125 melhores livros de arquitetura

Preparamos uma lista abrangente com 125 livros de arquitetura e temas relacionados que consideramos interessantes para ampliar seus conhecimentos sobre a disciplina.

Buscamos títulos de diferentes partes do mundo com o objetivo de apresentar visões que dizem respeito a contextos culturais distintos. De compilações de ensaios e teorias sobre o crescimento das cidades a romances que flertam com a arquitetura e séries de ilustrações e gravuras.

Veja, a seguir, nossas sugestões acompanhadas por uma breve descrição.

Países Baixos exploram a arquitetura das missões de paz da ONU com a mostra "BLUE" em Veneza

Como parte da cobertura do ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2016, apresentamos uma série de artigos escritos pelos curadores das exposições e instalações à mostra no evento.

Após o colapso da União Soviética, e ainda mais após o 11 de setembro e a "guerra contra o terror que seguiu os atentados, o clima de guerra se instaurou nas cidades. 

Ao passo que as guerras do século XX foram travadas, em geral, entre nações e por causa de soberania territorial e disputa de fronteiras, as guerras do século XXI são internas e sem fronteiras. Elas são travadas entre grandes coalizões  internacionais e redes insurgentes. 

BLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 15

Malkit Shoshan: 'A cidade se converteu em território compartilhado para a guerra e a paz'

Enquanto arquitetos, podemos assumir um papel realmente ativo nos problemas urgentes da sociedade? Malkit Shoshan, arquiteta curadora do pavilhão da Holanda na próxima Bienal de Veneza, defende que sim. E sua trajetória assim o evidencia. Em defesa da incorporação de um quarto 'D' nos critérios da ONU (Defesa, Diplomacia e Desenvolvimento) em suas missões de paz (capacetes azuis), Shoshan tem sido capaz de fazer sentar na mesma mesa engenheiros militares e os responsáveis por políticas públicas da Holanda para analisar o impacto urbano consequentes das missões de paz ao redor do mundo.

Shoshan focou na missão conjunta da Holanda e da ONU em Gao (Mali), que em 2012 foi declarada capital do Estado Independente de Azawad - uma nação não reconhecida pelas autoridades internacionais - depois da rebelião dos tuaregues de 2012 no país africano. "Estas missões de paz ocupam grandes extensões de terra em centenas de cidades ao redor do mundo, mas é um fato pouco discutido por nossa própria profissão", reflete Soshan.

Durante sua recente visita a Mali, conversamos com a curadora do pavilhão holandês sobre a declaração de princípios por parte da Holanda na próxima Bienal de Veneza: o impacto dos drones militares nos espaços públicos e o porque, segundo ela, de existir uma estreita relação entre a arquitetura, políticas públicas e ideologia. "Com o desenho, podemos dispor dos recursos das missões de paz nas comunidades que estão cansadas dos conflitos militarizados, os grandes períodos de seca, fome e doenças", afirma.

Malkit Shoshan é escolhida como curadora do Pavilhão dos Países Baixos na Bienal de Veneza 2016

Malkit Shoshan, finalista este ano do Harvard GSD Wheelwright Prize, foi escolhida pelo Het Nieuwe Instituut para ser a curadora do Pavilhão dos Países Baixos na Bienal de Veneza 2016. Fundadora do think-tank FAST (Foundation for Achieving Seamless Territory), Shoshan tem sido parceira do instituto nos últimos dois anos e é autora do premiado livro Atlas of Conflict: Israel-Palestine (2010). Seu trabalho atual, intitulado Drones and Honeycombs, é um estudo da arquitetura e paisagem que examina atentamente "o espaço público em zonas de guerra".