Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Desconstrutivismo

Desconstrutivismo: O mais recente de arquitetura e notícia

Características e diferenças de 12 estilos arquitetônicos

Há muito tempo a história das civilizações vem sendo contada e ensinada de forma linear, com um sentido evolutivo, em prol de uma apreensão facilitada por uma didática mais direta. É fato que, muitas vezes, questionou-se esse método de pensar e organizar a forma como os eventos ou manifestações culturais aconteceram no decorrer do tempo, nas diversas partes do mundo, com suas especificidades que, muitas vezes, são deixadas de lado nas grandes narrativas históricas produzidas, sobretudo, no âmbito ocidental e, mais ainda, europeu.

O que é desconstrutivismo?

Desconstrutivismo” (embora a palavra não conste no dicionário da língua portuguesa), poderia ser entendido como a desmontagem ou demolição de uma estrutura construída, seja por razões estruturais ou como um ato subversivo. Muito além do significado literal da palavra, o fato é que a grande maioria das pessoas, inclusive os arquitetos, mal sabem o que é realmente o desconstrutivismo.

Efetivamente, desconstrutivismo não foi um estilo de arquitetura. Muitos menos pode ser considerado um movimento de vanguarda. Não possui um conjunto de “regras” específicas ou uma estética consensual e também não foi um movimento de revolta contra os paradigmas da arquitetura moderna. Desconstrutivismo poderia ser traduzido como uma provocação, uma incitação à explorar diferentes possibilidades e uma liberdade formal ilimitada.

The City of Culture in Santiago de Compostela, Spain. Imagem Cortesia de Eisenman Architects Frank Gehry House. Imagem © Liao Yusheng Port offices of Antwerp, Zaha Hadid Architects. Imagem © Helene Binet Eisenman's The Memorial to the Murdered Jews of Europe. Image Cortesia de Flickr user dalbera licensed under CC BY 2.0 + 15

Clássicos da Arquitetura: Museu do Design Vitra / Gehry Partners

Descrição enviada pela equipe de projeto. Mesmo no Vitra Campus, em Weil-am-Rhein, uma coleção de fábricas de móveis, escritórios, salas de exposição e galerias, dos quais muitos são produtos de arquitetos icônicos, o Vitra Design Museum se destaca como excepcional. Com sua forma escultural composta de volumes curvos interconectados, o museu é uma obra inconfundível de Frank Gehry - um arquiteto que construiu um legado para si mesmo sobre essas estruturas. O que pode não ser imediatamente aparente é a encruzilhada que este sereno edifício branco representa: foi neste projeto na região sudoeste da Alemanha (perto da fronteira suíça) que Gehry realizou sua primeira estrutura no que seria seu estilo atualmente.

© Liao Yusheng © Liao Yusheng © Liao Yusheng © Liao Yusheng + 10

Clássicos da Arquitetura: Exposição desconstrutivista de 1988 no MoMA

Quando Philip Johnson foi o curador o Museu de Arte Moderna (MoMA) na "Exposição Internacional de Arquitetura Moderna", em 1932, ele fez isso com a intenção explícita de definir o Estilo Internacional. Como curador convidado na mesma instituição em 1988, ao lado de Mark Wigley (agora Decano Emérito da Columbia GSAPP), Johnson tomou a abordagem oposta: ao invés de apresentar a arquitetura derivada de um conjunto rigidamente uniforme de princípios projetuais, ele reuniu uma coleção de trabalhos de arquitetos cujas abordagens semelhantes (mas não idênticas) tiveram resultados similares. Os arquitetos que ele selecionou - Peter Eisenman, Frank Gehry, Zaha Hadid, Rem Koolhaas, Daniel Libeskind, Bernard Tschumi e o escritório Coop Himmelblau (liderado por Wolf Prix) - provaram ser alguns dos arquitetos mais influentes do final do século XX até os dias atuais. [1,2]

Dentro da exposição (1988). Fotógrafo desconhecido. Image via MoMA Dentro da exposição (1988). Fotógrafo desconhecido. Image via MoMA Dentro da exposição (1988). Fotógrafo desconhecido. Image via MoMA Capa do Catálogo 1988. Image via MoMA + 6

Disjunções / Bernard Tschumi