1. ArchDaily
  2. Ad Topic Representação

Ad Topic Representação: O mais recente de arquitetura e notícia

Ferramenta gratuita permite criar texturas para imagens arquitetônicas

Com muita frequência, arquitetos e designers passam horas procurando texturas e materiais para representar suas visões. Essa luta assume várias formas: desde ficar rolando o mouse pelo Google, Pinterest e bancos de dados em busca da textura perfeita até a criação manual de um padrão ao longo de várias horas ou até dias. Em qualquer dos casos, o resultado é frequentemente penoso e raramente perfeito. Um banco de dados organizado, confiável, gratuito e fácil de usar nem sempre é algo simples de se encontrar.

Architextures iniciou em 2014 como uma biblioteca de arquivos de imagens de alta qualidade, com texturas enviadas por usuários ou criadas pela própria plataforma. Com o tempo, o criador da plataforma, Ryan Canning, percebeu que, em seu trabalho profissional como arquiteto, a variedade de arquivos de imagem estática disponíveis online não atendia às texturas específicas que ele procurava em seus projeto. Frustrado com o processo infinito de pesquisa, edição e sobreposição de texturas no Photoshop, Ryan reinventou o Architextures em 2019 como uma ferramenta interativa onde profissionais como ele poderiam criar texturas especificadas de alta qualidade em segundos. E o mais importante, sendo de uso gratuito para uso pessoal e educacional, com contas profissionais disponíveis por uma pequena taxa para apoiar o desenvolvimento da ferramenta.

Courtesy of ArchitexturesCourtesy of ArchitexturesCourtesy of ArchitexturesCourtesy of Architextures+ 14

Visualizações arquitetônicas em processos criativos: hiper-realismo ou colagens?

Collages para Acuario de Mazatlán. Imagem © Tatiana Bilbao EstudioEjemplos de líneas de perspectiva. Imagen cortesía de RIBA Collections. Image Cortesía de James MaltonZaha Hadid Architects projeta a sede do CECEP em Shanghai. Render por Negativ.com. Image © Zaha Hadid Architects© PALMA+ 8

A história da representação na arquitetura passou por inúmeras transformações ao longo dos séculos. Sua relação com o objeto construído vai muito além da mera e simples reprodução de sua imagem objetiva, atuando principalmente, como uma ferramenta de expressão e crítica que, tem influenciado diretamente a forma como percebemos, nos relacionamos e até mesmo, como concebemos e construímos nossos edifícios e cidades.

Desenhos à mão livre: o valor da interpretação emocional na arquitetura contemporânea

Um século depois a ideia convincente de que a arquitetura moderna surgiu como uma fênix cegamente branca, cristalina e perturbadora em meio à morte e à destruição da Primeira Guerra Mundial é, talvez, familiar. No entanto, os esboços a carvão e as montagens em chiaroscuro que Mies van der Rohe fez durante e após a época do concurso para o arranha-céu de Berlim Friedrichstrasse de 1921-22, mantêm o poder de chamar a atenção, provocar e perturbar mesmo em nossa era de imagens impressionantes produzidas por e com programas de computador.

O que é mais notável nesses desenhos visionários centenários é que eles retratam um tipo de construção futura, à beira do etéreo e mais ou menos impossível de se fazer naquele momento, nos materiais de desenho mais terrenos. Foi um golpe de gênio usar o carvão para evocar uma arquitetura de leveza que emergia das brasas das trincheiras que revolucionariam a maneira como moldamos prédios altos e com eles as ruas de nossa cidade. Tal é o poder do desenho à mão livre.

Anneke Vervoort, Landschaftspark, Duisburg, Alemanha, 2016, Aquarela e tinta da Índia, 13 x 19 3/4 inChris Dove, Rooves of Venice, 2015, Caneta e tinta, 27 1/2 x 19 3/4 inNataly Eliseeva, City dovecote, architectural fantasy, 2010, Caneta e tinta, 7 7/8 x 11 3/4 inStefan Davidovici, Imaginary Jerusalem, 3, 2010, Tinta sobre papel, 8 1/4 x 11 3/4 in+ 7

Dicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquitetura

O desenho, enquanto ferramenta arquitetônica, não serve apenas como meio de comunicação; através dele também podemos obter uma compreensão mais profunda de nossa disciplina. Nesse sentido, Alessandro Luporino criou o Dicionário Ilustrado de Arquitetura, uma série de ilustrações evocativas que serve de acompanhamento para o famoso livro Dicionário Enciclopédico de Arquitetura, de Nikolaus Pevsner, John Fleming e Hugh Honor.

Espaço interno. Image © Alessandro LuporinoCerâmica. Image © Alessandro LuporinoTemplo grego arcaico sem colunas. Image © Alessandro Luporino"Montanha cortada": cobertura composta. Image © Alessandro Luporino+ 43

Por que continuar desenhando quando as ferramentas digitais oferecem imagens hiper-realistas?

A partir deste mês, o ArchDaily começará introduzir temas mensais que explorarão nossas histórias, postagens e projetos. Começamos este mês com a Representação Arquitetônica: do Archigram ao Instagram; de esboços de guardanapos a modelos de RV com sincronização em tempo real; de palestras acadêmicas a contadores de histórias.

Não é particularmente novidade ou inovador dizer que a Internet, as mídias sociais e os aplicativos de desenho têm desafiado a relação entre representação e construção. Há um ano previmos que "este é apenas o começo de uma nova etapa de negociação entre a precisão fria da tecnologia e a qualidade expressiva inerente à arquitetura". Mas é isso? Você diria que ferramentas digitais estão traindo a criatividade? Este é um dilema mais antigo do que você pensa.

Nesta nova edição do nosso Editor's Talk, quatro editores e curadores do ArchDaily discutem desenhos como peças de arte, postulando porque ninguém se preocupa com postes telefônicos e explorando como o próprio edifício está se tornando um tipo de representação.

In 'Ugly Lies the Bone' (2018), Es Devlin created a scenario that allowed the audience to look through a VR set as part of the presentation of the play. Image Courtesy of Es Devlin'HYPER-REALITY', um curta (2016), Keiichi Matsuda prevê o rescaldo da vida em uma cidade altamente saturada pela realidade aumentada, onde as ruas exibem uma camada completamente nova de representação. Imagem © Keiichi MatsudaColagem de fala atelier House In Rua do Paraíso em Portugal. Imagem © fala atelierGoogle Dublin. Imagem © Peter Wurmli+ 9