A importância arquitetônica, cultural e religiosa dos minaretes

A importância arquitetônica, cultural e religiosa dos minaretes

A arquitetura islâmica há muito é reconhecida como uma das tipologias mais influentes na história da arquitetura, especialmente em se tratando de edifícios religiosos. Traduzindo uma série de conceitos abstratos e narrativas históricas em em formas, estruturas e cores, os espaços interiores da arquitetura islâmica são de uma beleza sublime e as vezes incomparável. Seja através da organização metódica de seus espaços internos para facilitar e promover a iluminação e ventilação natural, ou através de seus detalhes, ornamentos e profusão de cores e texturas, o contraste entre o espaço interior e exterior é mais do que evidente em uma mesquita. Ainda assim, talvez a característica mais reconhecível da arquitetura religiosa islâmica seja a presença imponente de seus minaretes—um dos maiores símbolos da cultura islâmica. Isso porque, a estrutura proeminente dos minaretes estabeleceu-se ao longo dos séculos como um ponto de referência em meio a intrincada malha urbana das cidades islâmicas, transformando-se não apenas em um importante elemento de orientação, mas principalmente em um símbolo de identidade. Neste artigo, procuramos analisar as razões por trás do surgimento dos minaretes na arquitetura islâmica e como a sua função e forma evoluíram ao longo dos séculos.

KAPSARC Mosque / HOK. Image © Abdulrahman AlolyanMinaret of Kairouan Mosque. Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0)Central Mosque of Pristina Competition Entry / Taller 301 + Land+Civilization Compositions. Image Courtesy of Taller 301 + Land+Civilization CompositionsMosquée d’Algérie / KSP Juergen Engel Architekten. Image Courtesy of KSP Juergen Engel Architekten+ 11

Formalmente, uma mesquita é composta por quatro elementos principais: um pátio aberto, um espaço coberto, uma sala de orações e um minarete. No interior do espaço principal, sobre a estrutura de uma grande cúpula, encontra-se uma parede chamada de Qibla (que aponta a direção de Meca), e um Mehrab, um nicho semicircular utilizado pelo Imam da mesquita e o Minbar, uma espécie de assento elevado desde onde ele conduz os fiéis em momentos de prece. Além de seu evidente papel como espaço de culto e fé, a mesquita é também um espaço de valor cultural e social para o Islã, desempenhando um papel central na vida em comunidade.

Durante a antiguidade, o Athan, ou chamada para os momentos de oração, era realizado desde o ponto mais alto da mesquita para alcançar o maior número possível de fiéis. Neste sentido, a localização assim como a própria arquitetura desempenhavam um papel fundamental na operação de uma mesquita. Inspirados nas antigas torres de observação gregas, das quais os minaretes provavelmente derivam, os construtores começaram a erguer uma série de torres adjacentes a cada mesquita, proporcionando uma estrutura de maior alcance para que o Almuadém pudesse convocar seus fiéis. Outros estudiosos acreditam que a inspiração por trás do surgimento dos minaretes tenha vindo das torres das antigas igrejas construídas na Síria.

Minaret of Kairouan Mosque. Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0)
Minaret of Kairouan Mosque. Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0)

O que sim é certo, é que ao longo de sua história os minaretes evoluíram, assumindo diferentes formas e configurações, tornando-se cada vez mais altos e complexos. Comumente, um minarete se estabelece sobre uma base retangular junto a uma das extremidades da mesquita e, conforme a estrutura vai ganhando altura, ela vai assumindo diferentes seções e incorporando distintas aberturas. No topo, o minarete é coroado ou por uma espécie de terraço aberto ou por uma pequena cúpula ou elemento cônico. Para marcar ainda mais a sua presença, a parte mais alta do minarete é fortemente ornamentada com entalhes, pinturas e revestimentos reflexivos.

Mesquitas costumam ter de um a seis minaretes, dependendo do tamanho da estrutura principal e de sua relação física e visual em relação ao seu entorno imediato. Em termos de acesso, minaretes contam ou com uma escadaria interna ou externa, a qual o Almuadém utiliza para chegar a plataforma mais elevada. Em alguns casos particulares, como na Grande Mesquita de Samarra no Iraque, também conhecida como Malwiya, o minarete é a própria estrutura da escada—uma rampa em espiral que também pode ser acessada pelos fiéis e visitantes.

Malwiya . Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0)
Malwiya . Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0)

Acredita-se que o minarete mais antigo do mundo tenha sido construído em 727 d.C. na Tunísia, junto à Mesquita Kairouan—Patrimônio Mundial da UNESCO. Também conhecida como Mesquita de Uqba, esta estrutura é considerada um dos maiores monumentos islâmicos de todo o Norte da África. Curiosamente, este minarete de base quadrada foi erguido junto ao centro geométrico da fachada norte—ao contrário da vasta maioria dos minaretes construídos na mesma época. Alcançando uma altura total de pouco mais de 30 metros e com uma base de lados iguais de 10,7 metros, a estrutura do minarete da Mesquita Kairouan está composto por três níveis e uma pequena cúpula. Construída a partir de materiais locais e reaproveitados, a torre conta ainda com uma escadaria interna de 129 degraus. Em sua fachada voltada para o pátio, a torre abriga uma série de pequenas aberturas que permitem iluminar e ventilar naturalmente o percurso até o topo do minarete.

Minaret of Kairouan Mosque. Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0)
Minaret of Kairouan Mosque. Image via Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0)

Ao longo de sua vasta história, os minaretes passaram de elementos meramente funcionais para se tornarem um dos mais importantes símbolos da cultura islâmica. Neste processo natural de evolução, restrições ambientais, estruturais e legais também desempenharam um papel determinante, moldando a “tipologia típica” de mesquita e a atualizando para a forma como as conhecemos hoje. Em contrapartida ao volume metódico da mesquita em si, os minaretes se tornaram um terreno fértil para os construtores e arquitetos, os quais se apropriam de sua função simbólica para explorar novas soluções formais, métodos e materiais. Alcançando alturas surpreendentes, os minaretes estão sendo ressignificados dia após dia, assumindo novas funções sem no entanto, esquecerem de seu legado.

KAPSARC Mosque / HOK. Image © Abdulrahman Alolyan
KAPSARC Mosque / HOK. Image © Abdulrahman Alolyan
Central Mosque of Pristina Competition Entry / Victoria Stotskaia, Raof Abdelnabi, Kamel Lokman Salem. Image Courtesy of Invert Studios
Central Mosque of Pristina Competition Entry / Victoria Stotskaia, Raof Abdelnabi, Kamel Lokman Salem. Image Courtesy of Invert Studios
Mohammad Rasul-Allah Mosque / Paya Payrang Architectural Group. Image © Samaneh Motaghipishe
Mohammad Rasul-Allah Mosque / Paya Payrang Architectural Group. Image © Samaneh Motaghipishe
Mosquée d’Algérie / KSP Juergen Engel Architekten. Image Courtesy of KSP Juergen Engel Architekten
Mosquée d’Algérie / KSP Juergen Engel Architekten. Image Courtesy of KSP Juergen Engel Architekten

Fonte:

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Stouhi, Dima. "A importância arquitetônica, cultural e religiosa dos minaretes " [The Architectural, Cultural, and Religious Significance of Minarets ] 02 Out 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/968174/a-importancia-arquitetonica-cultural-e-religiosa-dos-minaretes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.