Dicas de leituras para ser antirracista na prática profissional

Dicas de leituras para ser antirracista na prática profissional

Após a realização da mesa digital “Como ser antirracista na prática profissional”, a coletiva Arquitetas inVisíveis disponibilizou um pequeno guia com pontos fundamentais para a construção de uma profissão equânime e antirracista, junto de uma indicação de diversos textos que ajudam a compreender o panorama social e trazem modos de enfrentar questões racistas não apenas no campo da arquitetura e do urbanismo, mas na vida.

Os pontos levantados pelo mini-guia antirracista apresentado pela coletiva são:

  1. Reconhecer a raiz do problema;
  2. O racismo é um problema da branquitude;
  3. Não é pessoal;
  4. Precisamos construir espaços seguros;
  5. Estude, pesquise, subverta os sistemas e os algoritmos.

A partir do item 2 , “o racismo é um problema da branquitude”, demonstra-se que o racismo foi/é uma criação de pessoas brancas, sendo um dever delas acabarem com esse sistema de exclusão, desumanização e extermínio imposto às pessoas não-brancas. O assunto e a urgência sobre os debates étnicos-raciais estão longe de serem esgotados, então, o importante é começar.

O item 5, “Estude, pesquise, subverta os sistemas e os algoritmos”, é essencial para nos tornamos proativos na reconstrução das nossas referências e padrões de normalidade. Arquitetura é inspiração, cultura. Avalie se suas referências são excludentes ou inclusivas, se traduzem a pluralidade e diversidade da nossa sociedade. Para isso, é importante ler autoras e autores negros, buscar por nomes fora do eixo Estados Unidos-Europa.

Sendo assim, foram selecionadas diversas leituras que ajudam a compreender o lugar das pessoas brancas no contexto social, ampliando suas perspectivas e propiciando novas possibilidades de combate às desigualdades étnicos-raciais existentes no país. Também foram adicionados títulos que podem servir como introdução à compreensão dos diferentes pontos de vista da população negra e estudar epistemologias que são construídas além de um pensamento hegemônico colocado pela branquitude. Para ajudar a dar o ponta pé inicial neste exercício de construção ativa de referência, indicamos as seguintes iniciativas e publicações:

Livros

Branquitude: Estudos sobre a Identidade Branca no Brasil

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autores: Tânia Mara Pedroso Müller e Lourenço Cardoso (Org)
Editora: Appris

"Ser branco consiste em ser proprietário de privilégios raciais simbólicos e materiais. Com dezessete capítulos, este livro trata da identidade branca com foco na realidade social brasileira."

Psicologia Social do Racismo: Estudos sobre Branquitude e Branqueamento no Brasil

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autoras: Iray Carone e Maria Aparecida Silva Bento (Org)
Editora: Vozes

"O livro parte de um estudo feito pelas organizadoras sobre a negritude em São Paulo, objetivando captar os efeitos psicológicos do legado do branqueamento sobre o processo de construção da identidade negra."

Pequeno Manual Antirracista

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autora: Djamila Ribeiro
Editora: Companhia das Letras

Um livro introdutório para quem pretende entender as origens do racismo e como combatê-lo. Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos.

Arquitetas Negras

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autora: Gabriela de Matos (Org), Arquitetas Negras

"O livro surgiu da necessidade de dar visibilidade à produção das arquitetas negras brasileiras. A partir do mapeamento da produção destas arquitetas, está sendo construída uma plataforma tanto de pesquisa, quanto de contratação de serviços de arquitetura pelo Brasil, e tem como proposta estimular e dinamizar a produção de arquitetas negras em âmbito nacional."

Olhares negros: raça e representação

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autora: bell hooks
Editora: Elefante

"bell hooks interroga narrativas e discute a respeito de formas alternativas de observar a negritude, a subjetividade das pessoas negras e a branquitude. Ela foca no espectador — em especial, no modo como a experiência da negritude e das pessoas negras surge na literatura, na música, na televisão e, sobretudo, no cinema —, e seu objetivo é criar uma intervenção radical na forma como nós falamos de raça e representação".

Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autora: Grada Kilomba 
Editora: Cobogó

"Das políticas de espaço e exclusão às políticas do corpo e do cabelo, passando pelos insultos raciais, Grada Kilomba desmonta, de modo incisivo, a normalidade do racismo, expondo a violência e o trauma de se ser colocada/o como Outra/o."

Quarto de Despejo

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Autora: Carolina Maria de Jesus 

"O diário da catadora de papel Carolina Maria de Jesus deu origem à este livro, que relata o cotidiano triste e cruel da vida na favela. A linguagem simples, mas contundente, comove o leitor pelo realismo e pelo olhar sensível na hora de contar o que viu, viveu e sentiu nos anos em que morou na comunidade do Canindé, em São Paulo, com três filhos."

Artigos

O Lugar dos Sujeitos Brancos na Luta Antirracista

Autora: Denise Carreira
SUR - Revista Internacional de Direitos Humanos Ensaios (Volume 15, Número 28)

"Este artigo propõe a necessidade de maior engajamento de pessoas brancas e das instituições comprometidas com a promoção, defesa e garantia dos direitos humanos na luta antirracista, abordando alguns dos obstáculos, desafios e possibilidades envolvidos nessa conflitiva construção, em especial, no que se refere à reflexão crítica e ao processo de desconstrução da branquitude como lugar de manutenção de privilégios materiais, subjetivos e simbólicos na sociedade e base de sustentação do racismo."

Retrato do Branco Racista e Antirracista

Autor: Lourenço Cardoso

"Este artigo possui a preocupação em salientar a importância de distinguirmos a branquitude crítica e a branquitude acrítica. O que pode parecer apenas uma simples distinção pode nos levar a analisar com maior atenção e profundidade o crescimento e fortalecimento de grupos neonazistas e membros da Ku Klux Klan: grupos que representam dois significativos exemplos da expressão da branquitude acrítica."

A Modernização Seletiva: uma Reinterpretação do Dilema Brasileiro

Autor: Jessé de Souza 
Editora: UnB

"O tema central é a discussão dos pressupostos da interpretação dominante dos brasileiros sobre si mesmos, seja na nossa prática social e institucional. Essa auto-interpretação pode ser denominada "sociologia da inautenticidade", em que a ideia de um Brasil modernizado "para inglês ver", uma modernização superficial e epidérmica, ganha corpo."

Reescrevendo o futuro: usando ficção científica para rever a justiça

Autora: Wadilah Imarishá 
Tradução: Jota Mombaça

"Para construir novos futuros apenas, é precisamos primeiro ser capazes de imaginá-los coletivamente. Nós também temos que ser capazes de imaginar diferentes maneiras de nos envolver uns com os outros, de partilhar o poder, de construir instituições, de estar em comunidade, que pode ser tão estranho para nós como viver em Marte."

Teses de Doutorado

A construção do outro como não-ser como fundamento do ser

Autora: Sueli Carneiro

"Um estudo de cunho reflexivo especulativo com o qual pretende-se averiguar a potencialidade daqueles conceitos para a apreensão e análise da dinâmica das relações raciais no Brasil."

Corpo, discurso & território: a cidade em disputa nas dobras da narrativa de Carolina Maria de Jesus

Autora: Gabriela Leandro Pereira (Gaia)

"Esta proposta pretende deslizar por entre a narrativa da escritora Carolina Maria de Jesus (1914 - 1977) e suas dobras, para tensionar os lugares de disputa, conflito e criação que atravessam e se (re)produzem na cidade." 

Pacto Narcísicos no Racismo: Branquitude e Poder nas Organizações Empresariais e no Poder Público

Autora: Maria Aparecida Silva Bento

"Ao longo do texto foi configurada a situação de desigualdade de negros e brancos no mercado de trabalho contemporâneo, bem como as tímidas respostas das organizações brasileiras a esse quadro. A omissão e o silêncio de importantes atores do mercado de trabalho, aparecem materializados nas entrevistas com os gestores, que raramente percebem o negro em seu universo de trabalho. Tudo se passa como se houvesse um pacto entre brancos, aqui chamado de pacto narcísico, que implica na negação, no evitamento do problema com vistas a manutenção de privilégios raciais."

Sobre este autor
Cita: Arquitetas Invisíveis. "Dicas de leituras para ser antirracista na prática profissional" 14 Nov 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951291/dicas-de-leituras-para-ser-antirracista-na-pratica-profissional> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.