Inovação na arquitetura? Chega de novos edifícios

Inovação na arquitetura? Chega de novos edifícios

A energia incorporada no ambiente construído é um recurso não natural precioso. É hora de começar a tratá-la como um.

Na sede do Googleplex em Mountain View, Califórnia, o Google tem o que é, sem dúvida, um dos campi corporativos mais sustentáveis da América. Possui um novo complexo de 1 milhão de metros quadrados em um terreno de 42 acres, com edifícios futuristas monumentais do arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels e do britânico Thomas Heatherwick. Mas esses lugares não são os mesmos. Embora o novo campus tenha, sem dúvida, sido desenvolvido com um senso de dever ambiental, o campus radicalmente sustentável é o vizinho, usado pelo Google desde 2003. Previsivelmente - e felizmente - eles continuarão usando-o. Construído em 1994, já foi o lar corporativo de uma empresa de tecnologia anterior de Palo Alto, a Silicon Graphics.

Não havia nada de especial no campus genérico de escritórios e estacionamentos que o Google primeiro alugou e depois adquiriu em 2006. Foi reformado e adaptado com novos espaços interiores estimulantes por Clive Wilkinson ao lado dos especialistas em paisagismo do DEGW, que refletiam o que era então uma cultura corporativa extraordinariamente não hierárquica e experimental. Ele recebeu matrizes solares na cobertura que forneciam até um terço de sua eletricidade operacional. Mas o que tornou aquele campus especial desde o primeiro dia - e de maneira simples, radical e inspiradora, mais sustentável a cada dia - é exatamente o fato de ser antigo. Já havia sido construído. Era, na linguagem do Vale, uma plataforma legada - com impacto de carbono e capitais já irrecuperáveis. Não havia nada fotogênico ou faraônico nisso. Em vez disso, trabalhando de dentro para fora, com estratégias inteligentes de reutilização adaptativa e modernização tecnológica, a empresa conseguiu ocupar esses impactos irrecuperáveis ​​cada vez mais profundamente. O custo pode ser perdido, mas em constante adaptação gradual, o benefício persiste - concebivelmente em perpetuidade.

Para o escritório de arquitetura Schaum / Shieh, reutilizar significa necessariamente adotar os "prédios de fundo" encontrados nos subúrbios americanos, como o shopping center. Em Houston, Schaum / Shieh adaptou uma lavanderia de meados do século em uma série de fachadas de lojas, enquanto se esforçava para destacar o artesanato da construção original. Cortesia de Peter Molick
Para o escritório de arquitetura Schaum / Shieh, reutilizar significa necessariamente adotar os "prédios de fundo" encontrados nos subúrbios americanos, como o shopping center. Em Houston, Schaum / Shieh adaptou uma lavanderia de meados do século em uma série de fachadas de lojas, enquanto se esforçava para destacar o artesanato da construção original. Cortesia de Peter Molick

Essa maneira de ver a sustentabilidade no ambiente já construído é assimilada pelo conceito de energia incorporada: uma conta derivada de sistemas econômicos e ecológicos, do gasto total de energia na extração, processamento, transporte, montagem, instalação de materiais, demolição e decomposição associadas ao ciclo de vida de qualquer artefato. “Você segue o tijolo até a pedreira e descobre o que acontecerá em 100 anos ou 2.000 anos” é como o historiador da arquitetura Kiel Moe - autor de Empire State and Building e o futuro Unless: The Seagram Building Construction Ecology - descreveu a abordagem em uma entrevista de 2018 ao jornal Paprika da Universidade de Yale! "É entender mais do que os materiais podem fazer e repensar a termodinâmica". "Os materiais", ele acrescenta, "são apenas um subconjunto de energéticos", cujo a energia incorporada é uma expressão.

O setor de construção responde por cerca de um terço do consumo global de combustível, mas seu impacto energético sistemático pode ser ainda maior. Porque sentimos o brilho e o zumbido das máquinas ao nosso redor, porque estamos acostumados a pagar contas de energia mensais e encorajados pela ideia de que ajustar o termostato economiza dinheiro - e, de alguma forma, o planeta - podemos ser mais sensíveis aos custos operacionais do que energia incorporada. Mas, como Moe coloca nessa entrevista, "isso não está realmente lidando com energia, está lidando com a eficiência de combustível de um edifício, o que é importante, mas está faltando a visão geral". Geralmente, cerca de 80% da energia sistemática associada a um edifício se preocupa com extração e construção, fabricação e manutenção, demolição e decomposição; os 20% restantes estão associados a operações vitalícias como refrigeração e iluminação. Alguns modelos energéticos assumem uma vida útil de 50 anos, e o resultado é que o impacto da construção e demolição de um edifício se aproxima de um terço de seus efeitos contínuos durante esse período. Tudo isso significa que economias operacionais incrementais podem importar muito menos, em relação aos eventos de construção e demolição, do que queremos acreditar.

O edifício da IKEA de 2016 em Greenwich, Londres, era, na linguagem publicitária da empresa, "a nossa loja mais sustentável". Apresentava a coleta de água da chuva de um telhado jardim e cerca de 9000 metros quadrados de painéis solares. Mas também exigiu a demolição de um supermercado construído em 1999. E não apenas qualquer supermercado, mas uma estrutura elevada e pioneira do estúdio britânico Chetwoods que - com suas planícies ajardinadas e suas soluções passivas e ativas para refrigeração, aquecimento e luz do dia - foi excepcionalmente responsável no seu tempo. Foi o primeiro edifício comercial a obter uma classificação “excelente” do Método de Avaliação Ambiental do Estabelecimento de Pesquisa em Edifícios (BREEAM), concedido por uma agência britânica não muito diferente dos grupos que fornecem LEED, Passivhaus ou outras certificações ambientais, e foi selecionado para o Prêmio RIBA Stirling. Mesmo sem isso, a demolição de uma estrutura aparentemente versátil, após apenas 15 anos de uma vida útil de 150 anos, desmerece outros gestos em direção à sustentabilidade - e pode constituir, como disse seu arquiteto Paul Hinkin ao jornal britânico Independent, "desperdício sem sentido". Talvez acomodar um fornecedor de móveis em um antigo supermercado não seria tão fácil quanto colocar o Google dentro dos antigos escritórios da Silicon Graphics, mas certamente Clive Wilkinson poderia ter resolvido.

“Greenwashing” é a palavra para quando as empresas que não são motivadas especialmente pelo meio ambiente incentivam você, por um logotipo sustentável ou por alguma plantação de árvores, a acreditar que sim. Os tipos de certificações concedidos ao supermercado demolido de Sainsbury - e presumivelmente à IKEA que o substituiu - podem ser problemáticos à sua maneira. Eles nos fazem nos sentirmos melhor em novas construções, quando talvez devêssemos aprender a nos sentirmos piores. Tais certificações tendem a privilegiar melhorias secundárias no uso de combustível operacional em detrimento de efeitos energéticos mais complexos. As significativas emissões de dióxido de carbono associadas ao alumínio, aço e concreto levaram arquitetos com visão de futuro, como David Benjamin do The Living, de Nova York, a reconsiderar a natureza dos materiais - se os edifícios pudessem crescer como cogumelos ou serem produzidos com a eficiência de outros objetos fabricados em série. As inovações recentes em materiais com menor incorporação energética - desde o uso de cinzas como substituto do cimento até a construção grandes em madeira, um material renovável - oferecem novas abordagens para novas construções.

Em Bordeaux, na França, a empresa parisiense Lacaton & Vassal renovou várias lajes de moradias, adicionando jardins de inverno ao longo das fachadas. Cortesia © Philippe Ruault
Em Bordeaux, na França, a empresa parisiense Lacaton & Vassal renovou várias lajes de moradias, adicionando jardins de inverno ao longo das fachadas. Cortesia © Philippe Ruault

Mas também podemos parar de demolir o ambiente construído que já temos. A expectativa de vida média dos edifícios no mundo desenvolvido está diminuindo, para cerca de 70 anos na América e até 30 anos no Japão. Isto não é progresso. Novos extremos de urbanização e ruralização exigem não apenas novos edifícios, mas novas formas de construção - com novos modelos de desenvolvimento de serviços financeiros que incorporam reutilização adaptativa e novos modelos de preservação histórica que consideram uma conservação energética. Estamos acostumados a pensar no ambiente natural como um recurso crítico - para ser conservado e consumido com cuidado. Talvez possamos nos acostumar a pensar no ambiente não natural da mesma maneira. O edifício mais sustentável do planeta pode não ser uma nova construção com certificação BREEAM ou LEED, mas algo como o Panteão de Roma. Amortizado nos últimos 1.893 anos de uso contínuo como local de encontro cívico e religioso, o custo ambiental do transporte dessas colunas de pedra do Egito para a Itália se torna realmente muito baixo.

Certamente, nem todo edifício é tão evidentemente amável e durável quanto aquele antigo templo. Na América, por exemplo, o maior recurso antinatural é uma série de milhares de edifícios versáteis e úteis, construídos entre 1955 e 1995 - o campus da Silicon Graphics em Mountain View - entre eles - que, por não serem tão carismáticos como aqueles geralmente rotulados como modernos ou brutalistas do meio do século, passei a pensar em modernismo vernacular. Escritórios europeus como o francês Lacaton & Vassal mostram como esses tipos de edifícios modernos e antigos podem ser trabalhados. Em uma abordagem típica, Lacaton & Vassal (com Christophe Hutin e Frédéric Druot) atualizou cerca de 500 unidades de moradias sociais nada impressionantes do início da década de 1960 em Bordeaux, não pela força bruta da demolição, mas pela adição meticulosa uma camada adicional de salas para as fachadas a fim de fornecer jardins de inverno, solários, serviços e envoltórios atualizados. Essa abordagem cirúrgica permitiu que os ocupantes permanecessem na residência durante toda a construção - tecendo velhos e novos, construindo e habitando, acrescentando um elegante brilho prateado às fachadas. Embora o estoque de construções de tijolo e ferro resistente a pregos de um século ainda anterior tenha se prestado a reaproveitar, um projeto recente como a readaptação hábil de Assemble em 2018, uma piscina pública de 1898 no sul de Londres, para o Goldsmiths Center for Contemporary Art mostra que isso pode ser realizado de maneira sustentável - nesse caso, revertendo os espaços de serviço e, assim, trazendo o prédio para o futuro.

Vale ressaltar que esses exemplos de melhores práticas no Ocidente desenvolvido são europeus, não americanos. Aqui, parece que gostamos do antigo para continuar antigo e do novo para continuar novo. Talvez sob a influência de designers de produção econômicos de filmes de ficção científica com orçamento insuficiente da década de 1980 - Mad Max, Blade Runner - associamos o reuso criativo de estruturas antigas a algum tipo de distopia apocalíptica. Com uma pobreza de meios, não da imaginação. Com o resultado da catástrofe climática atual, não com sua mitigação imediata - ou mesmo agora - com a prevenção de suas piores conseqüências. Mas talvez a arquitetura possa aprender com a arquitetura da informação, com as práticas de todos os engenheiros do Google, na melhor das hipóteses, para ver todo o ambiente construído como hackável, fungível, adaptável, como um código aberto.

Esse artigo foi publicado originalmente em Metropolismag.com.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: de Monchaux, Thomas . "Inovação na arquitetura? Chega de novos edifícios" [A New Idea in Architecture? No New Buildings] 03 Fev 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/933006/inovacao-na-arquitetura-chega-de-novos-edificios> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.