Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Conheça os campos de concentração brasileiros que aprisionavam vítimas da seca

Conheça os campos de concentração brasileiros que aprisionavam vítimas da seca

Conheça os campos de concentração brasileiros que aprisionavam vítimas da seca
Conheça os campos de concentração brasileiros que aprisionavam vítimas da seca, Ruínas do campo de concentração em Senador Pompeu marcam a luta contra a fome e a seca de 1932. Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus
Ruínas do campo de concentração em Senador Pompeu marcam a luta contra a fome e a seca de 1932. Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus

O ano de 1932 é um marco na história do Ceará. Uma das piores secas já vistas assolou o sertão e levou a uma cena já descrita em clássicos da literatura brasileira — tais como Vidas Secas, de Graciliano Ramos, e O Quinze, de Rachel de Queiroz: retirantes que se veem obrigados a deixar suas casas para fugir da fome e da miséria.

Logo ao início do ano, as estradas se encheram de flagelados que caminhavam rumo à capital, Fortaleza, ou ao menos até alguma cidade equipada com estação de trem, facilitando o trajeto. Como o número de pessoas chegava aos milhares, as passagens foram suspensas e algumas das cidades por onde o trem parava passaram a ter uma nova função: abrigar os retirantes em campos de concentração, com a promessa de que ali seriam fornecidos trabalho e comida.

Campo de Concentração Patu, em Senador Pompeu. Foto: José Bonifácil Costa/Arquivo Nacional. Image via Haus
Campo de Concentração Patu, em Senador Pompeu. Foto: José Bonifácil Costa/Arquivo Nacional. Image via Haus

No entanto, ao contrário do que a expressão pode levar a entender, os campos de concentração cearenses não eram como os nazistas, que posteriormente tiveram o objetivo de exterminar os judeus na Segunda Guerra Mundial. No Brasil, eles impediam os famintos de continuarem sua viagem às cidades grandes, proibindo sua locomoção. A morte, porém, foi inevitável. Com falta de alimentos, falta de infraestrutura e um contingente humano cada vez maior, doenças começaram a se proliferar.

Ruínas em Senador Pompeu se tornaram patrimônio municipal. Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus
Ruínas em Senador Pompeu se tornaram patrimônio municipal. Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus

Na época, foram sete os campos de concentração construídos no estado: Ipu, Fortaleza, Quixeramobim, Craiús, Crato e Senador Pompeu — o único que ainda mantém a estrutura utilizada na época. Dados oficiais estimam que 73,9 mil pessoas passaram por esses campos, sendo 16,2 mil só em Senador Pompeu.

Os campos foram extintos junto com o fim da seca, no ano seguinte.

Os Retirantes, quadro de Candido Portinari de 1944, retrata os movimentos migratórios do Nordeste em meio à seca. Foto: Reprodução. Image via Haus
Os Retirantes, quadro de Candido Portinari de 1944, retrata os movimentos migratórios do Nordeste em meio à seca. Foto: Reprodução. Image via Haus

“Os campos de concentração funcionavam como uma prisão. Os que lá chegavam não podiam mais sair, ou melhor, só tinham permissão para se deslocar quando eram convocados para o trabalho, como a construção de estradas e açudes ou obras de ‘melhoramento urbano’ de Fortaleza, ou quando eram transferidos para outro campo”, explica a historiadora Kênia Souza Rios em seu livro Isolamento e poder: Fortaleza e os campos de concentração na seca de 1932.

“Durante esses deslocamentos, sempre havia uma atenta vigilância para evitar as fugas ou rebeliões. Os flagelados só se deslocavam dentro de caminhões e, a todo momento, ficavam sob o atento olhar de vigilantes”, frisa.

Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus
Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus

Ruínas tombadas fortalecem memória dos acontecimentos

Este capítulo do Ceará promete ser preservado com mais cautela. No último dia 20 de julho, a Prefeitura de Senador Pompeu tombou suas ruínas como patrimônio municipal. A área chamada de Sítio Histórico de Patu possui nove mil m² de área e integra o Campo de Concentração, o Cemitério das Almas da Barragem, o Açude Patu, a Vila dos Ingleses, a Estação, o Hospital e a Casa de Pólvora.

Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus
Foto: Gustavo Gomes/EBC. Image via Haus

Segundo informações do jornal Diário do Nordeste, a intenção da prefeitura é de restaurar os prédios e de dar continuidade no processo de preservação do patrimônio com um pedido de tombamento da área no nível estadual.

As informações históricas contidas no texto são do livro Isolamento e poder: Fortaleza e os campos de concentração na seca de 1932, com autoria de Kênia Souza Rios.

Via Gazeta do Povo / Haus.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Aléxia Saraiva. "Conheça os campos de concentração brasileiros que aprisionavam vítimas da seca" 14 Ago 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/922979/conheca-os-campos-de-concentracao-brasileiros-que-aprisionavam-vitimas-da-seca> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.