Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Estilo e beleza: as duas palavras mais perigosas na arquitetura

Estilo e beleza: as duas palavras mais perigosas na arquitetura

Este artigo foi originalmente publicado na Common Edge.

"Eu odeio essa coisa toda de 'beleza' ", diz um amigo arquiteto e professor profundamente talentoso, reagindo a uma onda emergente da época.Ele não está sozinho. Palavras são perigosas. Desde a Segunda Guerra Mundial, tem havido um consenso geral na arquitetura: o cânone modernista. Mas a mudança está chegando na profissão — e em nossa cultura.

Os verdadeiros crentes se encolerizam com a palavra “beleza” como critério de projeto.Eles também descartam a palavra “estilo”. Como todas as ortodoxias, há simplesmente "certo" e "errado". As realidades do "errado" estão na ortodoxia arquitetônica: "errado" é qualquer coisa que se refere a qualquer coisa que não seja o próprio cânon. Uma racionalização que se retroalimenta dá conforto aos condenados.

Essa camisa de força de correção estética sofreu retrocessos. O pós-modernismo dos anos 1980 agora são vistos como uma insanidade temporária, e a recente abordagem neoclassicista e do novo urbanismo é vista como “a outra”. Mas sinto que há problemas iminentes na força.Escritos deDonald Ruggles, Alain De Botton e Mette Aamodt, entre outros, argumentam que há uma realidade fundamental e anti-intelectual no design: a inata resposta humana à beleza.

É inegável que todos nós amamos aspectos da música, da comida e da arte sem qualquer entendimento, treinamento ou avaliação. Partes de nossas vidas nos alegram sem razão, incluindo o ambiente construído. A compreensão dessa causa e efeito foi estendida por aqueles que pensam sobre como os arquitetos projetam, como criamos a beleza que todos experimentamos. Essa investigação recém-expressa da verdade universal da "beleza" é potencialmente muito mais potente do que qualquer "estilo" correto. 

Após a eleição de Donald Trump, ninguém duvida que nossas ortodoxias possam ser surdas para algumas realidades.Se você perguntasse a alguém em 1960, na Nova Inglaterra, se a religião seria fundamental para a nossa cultura no século XXI, seria um choque a fé na igreja ser sequer questionada.Mas Trump ganhou, a religião na Nova Inglaterra está perdendo relevância, e muitos arquitetos estão questionando a validade de um cânone arquitetônico baseado na estética de cima para baixo, intelectualmente justificada.

A reação negativa de meu amigo à palavra “beleza” como um raciocínio único, inquestionável (e, para alguns, incoerente) de fazer arquitetura reflete o fato de que algumas das realidades mais intelectualizadas de nossas vidas — na literatura, música, arte e sim, na arquitetura — pode estar mudando alegremente. Fiquei surpreso nesta primavera, quando uma historiadora da arquitetura com doutorado em teologia descreveu os significados totalmente concebidos por trás da beleza da Capela Sistina. Seus insights ressaltaram para mim que não é suficiente sentir a “beleza”. Depois de 40 anos como arquiteto, está claro para mim que, se você quer criar alguma coisa, precisa entender e dominar as realidades do que está projetando, em vez de imitar o que é visto como "correto" ou seguro.

A menos que conheçamos a natureza dos ingredientes de uma receita, nós apenas podemos seguir essa receita, feita por outras pessoas. Mas não importa como ou por que nós fazemos, a comida é gostosa ou não. Nós não amamos uma comida porque "deveríamos", mas por seu sabor. Acho que todos nós “saboreamos” a arquitetura também. O foco recente na “beleza” reconhece a realidade básica, ainda que idiossincrática, de como a percebemos, uma percepção que muitas vezes desafia as lógicas do cânone ou estilo.

Mas a confiança em "saborear" o projeto não é suficiente.Por qualquer motivo, precisamos de justificativas para nossas reações ou devoções.Os arquitetos tendem a se apegar a uma lógica defensável, portanto, não é surpresa que muitas vezes ignoremos a questão do que torna algo “belo”. Como resultado, a replicação de “estilos” domina a arquitetura, independente da estética.A menos que entendamos por que fazemos alguma coisa, nos concentramos apenas nos resultados.Na arquitetura, isso significa enxergar além dos resultados de “cânone” e “estilo”.

As falhas e hipocrisias da arquitetura do século XX criaram uma reação violenta. A obra Making Dystopia, de James Stevens Curl, chama o Modernismo de "catástrofe". Mas esse argumento extremo parece tão equivocado quanto a fidelidade estúpida da academia ao status quo. Em vez de raiva, é hora de pensar porque a arquitetura significa tanto a ponto de gerar essa raiva. Eu acho que é porque a “beleza” e a ameaça de sua perda e depravação, são fundamentalmente importantes em nossas vidas.

Na última década, as motivações por trás da arquitetura tornaram-se mais importantes, uma vez que o mercado em crise e a mudança tecnológica colocaram em questão a razão pela qual escolhemos a arquitetura como profissão. Agora há mais perguntas do que respostas a nossa frente. Então, o por que fazemos o que fazemos torna-se crítico. A raiva que se retroalimenta de qualquer ortodoxiacria pessoas como o jovem Martinho Lutero, que via a intratabilidade monolítica da Igreja Católica negando a essência do cristianismo. Talvez algo semelhante esteja em andamento hoje: a motivação essencial da arquitetura, a beleza, tem um novo enfoque imperativo, já que a própria natureza da disciplina está mudando.

Este último século viu o modernismo passar de rebelião radical (semelhante à de Lutero) à marca indiscutível de referência estética no mundo corporativo.É uma transformação tão completa que críticos da direita e da esquerda rotulam isso de um mal cultural. Voltar ao básico do por que fazemos arquitetura, em primeiro lugar, tem um significado vital neste momento preocupante de agitação cultural, tecnológica e política.

Arquitetura é mais do que construção. Criar ferramentas úteis e estruturas funcionais obviamente não é suficiente. Como em todas as artes, as motivações e significados da arquitetura são originais e esotéricos, genéticos e adquiridos, fundamentados e reacionários. Espaços e comunidades são pontos comuns básicos da humanidade. O único critério do projeto que serve como meta e motivação é aquela palavra, “beleza” — tão elementar que desafia a polêmica.Talvez seja por isso que a palavra perde credibilidade quando justificada intelectualmente, mas na atual e iminente dominação da inteligência artificial, a consciência do que nos torna humanos se tornará essencial.

Sobre este autor
Cita: Dickinson, Duo. "Estilo e beleza: as duas palavras mais perigosas na arquitetura" [The Two Most Dangerous Words In Architecture: Style and Beauty] 08 Ago 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/922442/estilo-e-beleza-as-duas-palavras-mais-perigosas-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.