Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Loucuras e monumentos

Loucuras e monumentos

Loucuras e monumentos
Loucuras e monumentos, GWANGJURIVER READING ROOM. Image © Kyungsub Shin
GWANGJURIVER READING ROOM. Image © Kyungsub Shin

O meu compromisso com os pavilhões - com a ideia de fazer loucuras construtivas - está ligado à necessidade de desenvolver protótipos e realizar pesquisas de construção longe da prática normal da arquitectura. Sem estar sujeito ao briefing de um cliente, os pavilhões dão-me a oportunidade de desenvolver e testar diferentes metodologias, algo que sempre me interessou no ensino. São investigações sobre vários tipos de contexto, lidando com cenários urbanos e paisagens - são sobre como fazer algo no espaço por si só, quando a ideia base vem de uma leitura do lugar. Os pavilhões afinam o meu envolvimento com uma situação específica, permitindo-me ver o que é essencial em termos de uma ação ou construção. Não tive a ideia de trabalhar em série, mas à medida que diferentes oportunidades surgiam, o processo de projetá-las tornava-se mais orgânico, a linguagem parecia fazer sentido e, como uma coisa reforçava outra, assumiam uma vida própria.

Existe um lado intuitivo para o uso de madeira nos pavilhões, mas é provavelmente uma reação à complexidade dos requisitos de desempenho com os quais eu normalmente lido, pensando na natureza dos sistemas de membranas, gaxetas, selantes, juntas e placas de cobertura. Como alternativa, eu queria levar um material primário - não apenas madeira, poderia ser pedra - e esculpi-lo. Havia algo sobre as secções de madeira e fazer essas montagens elementares que parecia libertadora. Os processos envolvidos na montagem de um pavilhão são realmente bastante sofisticados, mas a combinação de meios reduzidos e a necessidade de responder a uma situação imediata trouxe uma mudança refrescante. Tal dá aos pavilhões uma espécie de pureza constructiva em como geram forma e agem no espaço, e essa descomplicação foi muito entusiasmante para mim.

TBA21 PAVILION. Image © Michael Strasser
TBA21 PAVILION. Image © Michael Strasser

A madeira também é uma espécie de cavalo de Tróia, pois proporciona a aparência de temporalidade e não é ameaçadora - permite a experimentação sem ser conflituosa. Essas qualidades também influenciaram a minha abordagem, porque sentir falta de permanência deu-me mais uma oportunidade de abordar questões espaciais. O esmalte preto ajuda a consolidar essa posição, na medida em que neutraliza certas questões formais com as quais não quero lidar, além de proteger a madeira. A fraqueza da madeira - a capacidade de parecer não permanente - foi particularmente relevante quando eu estava a trabalhar no TBA21 Pavilion e The Source. As formas que estávamos a fazer eram bastante poderosas, mas a madeira enfraquece a presença delas e elas não são arrogantes em relação às obras de arte. Ambos os pavilhões têm a sensação de que poderiam simplesmente desaparecer e isso fazia parte da intenção do projeto.

SPECERE. Image © Ed Reeve
SPECERE. Image © Ed Reeve

A noção de mudança entre formal e informal é parte de como eu leio as situações. A maioria dos pavilhões combina uma resposta formal a algum aspecto do local, e respostas informais a outros. Ao verificar se as condições que criei se alinham com a minha percepção inicial, posso usar a estrutura final para testar a precisão da minha leitura. Algumas formas construídas oferecem cenários e opções que são generosos e reproduzem uma série de formas mutáveis, e outras formas oferecem uma singularidade absoluta. O horizonte tem essa singularidade geral, enquanto o Genesis é completamente informal nos seus relacionamentos, apesar da sua aparência monumental. A Sclera é formal em termos de como mantém a sua posição num espaço urbano movimentado e como se entra, mas quando se está dentro, é completamente informal e a monumentalidade dissolve-se. Apesar das diferenças óbvias, algo semelhante acontece em Gwangju, onde a River Reading Room é formal na aparência, mas há uma informalidade em como se liga com o contexto.

POTTERY SHED. Image © Ed Reeve
POTTERY SHED. Image © Ed Reeve

Ao interpretar diferentes aspectos dos pavilhões uns contra os outros, estou interessado em entender as contradições que eles representam. Há algo de muito poderoso na perspectiva de fazer novos monumentos no século XXI, mas é importante perguntar se eles devem funcionar da mesma forma que os monumentos históricos. Em vez da ideia imperial de reconhecer uma singularidade, estou interessado em explorar a democratização dessa hierarquia. A democratização não significa que os monumentos deixem de ser relevantes; exige que o monumento seja transformado, de modo que tenha uma abertura embutida e possa ser abordado e entendido de muitos pontos de vista. O monumento não é mais uma representação, é uma experiência de tempo e lugar que está disponível para todos. Esta era a intenção por trás da River Reading Room, para dar ao transeunte este momento de grandeza, que é sobre eles serem fortalecidos na paisagem. Os pavilhões dão-me uma possibilidade imediata de me envolver com essas questões.

Veja abaixo uma prévia da próxima edição com ELEMENTAL.

AMAG 16 | ELEMENTAL

Issuu is a digital publishing platform that makes it simple to publish magazines, catalogs, newspapers, books, and more online. Easily share your publications and get them in front of Issuu's millions of monthly readers.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: David Adjaye. "Loucuras e monumentos" 13 Jun 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/918969/loucuras-e-monumentos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.