Ampliar imagem | Tamanho original
O meu compromisso com os pavilhões - com a ideia de fazer loucuras construtivas - está ligado à necessidade de desenvolver protótipos e realizar pesquisas de construção longe da prática normal da arquitectura. Sem estar sujeito ao briefing de um cliente, os pavilhões dão-me a oportunidade de desenvolver e testar diferentes metodologias, algo que sempre me interessou no ensino. São investigações sobre vários tipos de contexto, lidando com cenários urbanos e paisagens - são sobre como fazer algo no espaço por si só, quando a ideia base vem de uma leitura do lugar. Os pavilhões afinam o meu envolvimento com uma situação específica, permitindo-me ver o que é essencial em termos de uma ação ou construção. Não tive a ideia de trabalhar em série, mas à medida que diferentes oportunidades surgiam, o processo de projetá-las tornava-se mais orgânico, a linguagem parecia fazer sentido e, como uma coisa reforçava outra, assumiam uma vida própria. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar