Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

7 Pavilhões Imperdíveis na Bienal de Veneza de 2019

7 Pavilhões Imperdíveis na Bienal de Veneza de 2019

A Bienal de Veneza de Artes é uma ótima oportunidade para pensar "fora da caixa". Desde os eventos colaterais que trazem novos usos para edifícios centenários até os pavilhões dos países em Giardini ou Arsenale, um arquiteto pode aprender muito visitando a bienal mais antiga do mundo. Aqui estão 7 pavilhões imperdíveis se você visitar Veneza antes do término da Bienal, no dia 24 de novembro.

Gana
Ghana Freedom

Intitulado com o nome da música composta por E.T. Mensah, na véspera da independência da nova nação em 1957, este é o primeiro Pavilhão de Gana na Bienal. Ele examina os legados e trajetórias dessa liberdade por seis artistas. Enraizado tanto na cultura de Gana como nas suas diásporas, o pavilhão foi concebido por Sir David Adjaye. O trabalho de cada artista é exibido em espaços interconectados de forma elíptica que são revestidos com terra de origem local em estruturas clássicas em Gana. É uma exposição que difere de todos os outros pavilhões através do seu espaço e arte, um lugar para mergulhar na cultura incrível e exponente desse país..

Retratos e auto-retratos de Felicia Abban no Pavilhão de Gana na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019. © David Levene
Retratos e auto-retratos de Felicia Abban no Pavilhão de Gana na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019. © David Levene

Lituânia
Sun & Sea (Marina)

Leão de Ouro desta Bienal, o Pavilhão da Lituânia transforma o interior de um edifício histórico, dentro do complexo da Marina Militare, em uma paisagem de praia artificialmente iluminada, repleta de areia e com toda a parafernália associada a feriados à beira-mar. Os artistas Rugilė Barzdžiukaitė, Vaiva Grainytė e Lina Lapelytė apresentam uma performance de ópera nesta instalação distópica que faz com que a imaginação de qualquer arquiteto se aprofunde em pensar a maneira como projetamos e usamos os espaços.

Instalação Sun & Sea (Marina), ano pavilhão da Lituânia na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019.  © Andrej Vasilenko
Instalação Sun & Sea (Marina), ano pavilhão da Lituânia na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019. © Andrej Vasilenko

Itália
Neither nor: The challenge to the Labyrinth

Neither nor: é inspirado no labirinto de Veneza, que fascinou e inspirou Jorge Luis Borges e Italo Calvino. Emergindo deste contexto, o pavilhão italiano apresenta obras de três importantes artistas italianos - Enrico David, Chiara Fumai e Liliana Moro - cujo layout não é linear e nem pode ser reduzido a um conjunto de trajetórias organizadas e previsíveis. É um espetáculo onde você pode desfrutar de uma sensação de tempo dilatado e se perder no espaço, um fascinante paralelo à cidade anfitriã da bienal que permite diferentes descobertas em outra escala, seja na arte ou nos encontros que essa exposição gera .

Neither Nor: The challenge to the Labyrinth | Pavilhão italiano na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019.  Foto por Delfino Sisto Legnani e Marco Cappelletti. Cortesia de DGAAP-MiBAC
Neither Nor: The challenge to the Labyrinth | Pavilhão italiano na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019.  Foto por Delfino Sisto Legnani e Marco Cappelletti. Cortesia de DGAAP-MiBAC

Holanda
The measurement of presence

Esta é uma apresentação transnacional que explora as tradições e o passado, colocando-os em contato com o presente. Remy Jungerman e Iris Kensmil reúnem influências de diferentes origens. Em seu trabalho, eles inspiram-se no modernismo do século XX - particularmente Mondrian, De Stijl, a vanguarda russa e o artista Stanley Brouwn - com elementos de outras tradições e posições.

The Measurement of Presence, Iris Kensmil e Remy Jungerman, Pavilhão Holandês, Bienal de Veneza, 2019. Foto: Gerrit Schreurs
The Measurement of Presence, Iris Kensmil e Remy Jungerman, Pavilhão Holandês, Bienal de Veneza, 2019. Foto: Gerrit Schreurs

Taiwan
3x3x6

Refletindo sobre a transformação das técnicas de vigilância, desde o panóptico até o reconhecimento facial 3D, IA e Internet, o 3x3x6 de Shu Lea Cheang reage às salas do Palazzo delle Prigioni - uma prisão veneziana do século XVI em operação até 1922 - um espaço de vigilância de alta tecnologia. Tomando como ponto de partida a história do escritor libertino Giacomo Casanova, aprisionado no Prigioni em 1755, Cheang realizou estudos aprofundados sobre dez casos históricos e contemporâneos de sujeitos encarcerados por causa de gênero ou dissensão sexual. Seus retratos fictícios passam a fazer parte do sistema da exposição: o elemento que se refere à atual arquitetura padronizada do aprisionamento industrial, uma célula de 3x3 metros quadrados constantemente monitorada por 6 câmeras.

Shu Lea Cheang, 3X3X6, instalação de mídia mista © Shu Lea Cheang. Cortesia do artista e Taiwan em Veneza 2019
Shu Lea Cheang, 3X3X6, instalação de mídia mista © Shu Lea Cheang. Cortesia do artista e Taiwan em Veneza 2019

Paquistão
Manora Field Notes

O primeiro pavilhão do Paquistão na Bienal apresenta uma exposição de novos trabalhos da artista Naiza Khan, cuja prática visual é construída em um processo de pesquisa crítica, documentação e exploração baseada em mapeamento, focando no espaço público e seu entrelaçamento com a história. De acordo com Zahra Khan, a curadora do pavilhão, a apresentação "encoraja a visão do artista como uma lente através da qual o público pode encontrar uma percepção mais sutil da região e considerar lugares em todo o mundo que estão passando por transformações semelhantes".

Pavilhão do Pakistan (Vista da instalação, Naiza Khan, 2019). © Riccardo Tosetto Photography
Pavilhão do Pakistan (Vista da instalação, Naiza Khan, 2019). © Riccardo Tosetto Photography

Islândia
Chromo Sapiens

Na instalação multisensorial de larga escala de Hrafnhildur Arnardóttir, ela usa técnicas têxteis desenvolvidas pessoalmente, uma manipulação da sua assinatura: cabelo sintético. A instalação é uma jornada labiríntica através de câmaras cavernosas, uma abstração difusa da natureza cuja superfície cobre inteiramente o interior do espaço em um emaranhado colorido de cabelo sintético. Um vislumbre que faz os arquitetos se perguntarem como o uso de diferentes materiais e cores muda nossa percepção do espaço.

Instalação Chromo Sapiens, por Shoplifter, no pavilhão islandês na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019. Foto:Elisabet Davidsdottir © Hrafnhildur Arnardóttir/Shoplifter
Instalação Chromo Sapiens, por Shoplifter, no pavilhão islandês na 58ª Exposição Internacional de Arte - la Biennale di Venezia, 2019. Foto:Elisabet Davidsdottir © Hrafnhildur Arnardóttir/Shoplifter
Sobre este autor
Cita: Delaqua, Victor. "7 Pavilhões Imperdíveis na Bienal de Veneza de 2019" [7 Must-See Pavilions at the 2019 Venice Biennale] 13 Out 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/917359/7-pavilhoes-imperdiveis-na-bienal-de-veneza-de-2019> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.