Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Estratégias de ocupação urbana para reabilitar as encostas de Lima

Estratégias de ocupação urbana para reabilitar as encostas de Lima

Estratégias de ocupação urbana para reabilitar as encostas de Lima
Estratégias de ocupação urbana para reabilitar as encostas de Lima, 7_vista do bloco 1 e 4, vias internas e zona desportiva, etapa transitória. Image © Angular Lab
7_vista do bloco 1 e 4, vias internas e zona desportiva, etapa transitória. Image © Angular Lab

Dedicado a famílias afetadas por desastres naturais e aquelas que vivem em zonas costeiras à espera de alternativas ou mudanças em seu habitat.

As encostas são como um manto que nos rodeia, mas de uma forma tendenciosa. A neblina de Lima esconde esse esquecimento. Falar em habitar as encostas ainda pode ser sinônimo de não-habitável por conta das más condições em que se encontram tantas casas vulneráveis pertencentes aos 70% da autoconstrução da cidade. No entanto, as encostas, devido à sua condição geográfica, oferecem qualidades habitáveis que devemos reconhecer e repensar, a fim de nos colocarmos sabiamente no território, e assim reabitar com novos ares. Nem todas as casas auto-construídas são "sem conhecimento", algumas delas têm suas próprias lições. Outras, em sua maioria, não. A verdade é que ainda é uma área a ser explorada.

© Delia Esperanza
© Delia Esperanza

Este excitante mundo paralelo para muitos traz às vezes teses como esta, de estrita realidade. Assim, "Estratégias de ocupação urbana para (re) habitar as encostas" conquistou este ano o primeiro prêmio na categoria de tese de graduação da XVIII Bienal de Arquitetura do Peru. É a primeira vez que a bienal peruana decide conceder reconhecimento a recém-formados, e é certo que esta proposta é muito instrutiva para a prática profissional. O júri argumenta sua decisão ao destacar que é uma proposta interessante de solução em encostas com tratamento paisagístico e tecnologia renovável, adequadamente proposta.

Os autores Djanira Jaramillo e Jean Paul Sihuenta, nos dizem: "Agradecemos a oportunidade que tem sido oferecida pelo Colégio de Arquitetos do Peru para a abertura de novas categorias no concurso e, especialmente, para a região da PAC La Libertad pela organização, uma vez que permitiu-nos ter a opção de mostrar, em parte, o trabalho de pesquisa e proposta em relação às estratégias de ocupação do habitat da encosta, que poderiam ser consideradas como suporte, complemento e referência para futuros estudos ou projetos em andamento para estas áreas, com o objetivo de continuar a adicionar esforços". Também convidamos você a revisar a monografia, pois em poucas palavras a justiça não é feita para a pesquisa exaustiva por trás da síntese dessas estratégias que apresentaremos a seguir.

9_vista de rua transversal e lojas do bloco 1. Image © Angular Lab
9_vista de rua transversal e lojas do bloco 1. Image © Angular Lab

Descrição pela equipe.

A última megabarriada do século 20 (Matos Mar, 2012), cidade de Pachacútec, que em breve será um distrito independente, não é mais a "cidade dormitório" dos anos 90, devido ao acelerado crescimento populacional e sua estratégica localização urbana gerando um novo foco e conceito de cidade. É por isso que o presente projeto surge em resposta ou alternativa à necessidade de estratégias de projeto e habitabilidade em encostas para recuperar e integrar o cabo ecológico com o habitat urbano.

G-02, plano de crescimento urbano ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
G-02, plano de crescimento urbano ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
G-03, plano de espaços públicos, zonas invadidas e equipamentos urbano ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
G-03, plano de espaços públicos, zonas invadidas e equipamentos urbano ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

DU + Hab

DIAGNÓSTICO URBANO

O diagnóstico foi baseado na análise urbana do setor, trabalho participativo e entrevistas com especialistas nacionais e internacionais, resultando em uma abordagem urbana que propõe a criação de super blocos, que, em integração com o projeto paisagístico, permitiram alcançar um habitat sustentável, apoiado pelo uso de tecnologias renováveis para melhoria da conservação do ambiente imediato.

12_vista aérea do conjunto. Image © Angular Lab
12_vista aérea do conjunto. Image © Angular Lab

HABILITAÇÃO

Inicia-se com a integração e recuperação das tramas existentes, especificamente com a análise de fluxo e impacto urbano, entorno e densidades, visuais e vias, compondo um esquema multifocal para usos educacionais e comerciais aos extremos e cultural ao centro, gerando com este último, um eixo cultural contínuo que parte da praça principal da cidade obtendo melhorias na mobilidade urbana e na reorganização territorial, considerando usos públicos e reflorestamento no cordão ecológico, dinamizando o limite urbano.

ZONEAMENTO
Através das considerações e do laboratório de propostas, foi alcançada a abordagem integral, traçado e loteamento habitacional, aplicando o conceito de super quadras.

HU-01, plano de zoneamento integral ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
HU-01, plano de zoneamento integral ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
HU-02, plano topográfico ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
HU-02, plano topográfico ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

SERVIÇOS
A ênfase foi colocada no sistema de esgoto com uma proposta condominial, uma vez que gera uma melhor gestão de águas residuais e uma redução de custos em 70% em comparação com uma alternativa convencional. O lixo doméstico é tratado através da colocação estratégica de recipientes enterrados com três alternativas de acordo com a capacidade e os dias de uso.

HU-03, plano geral de instalações sanitárias e eléctricas ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
HU-03, plano geral de instalações sanitárias e eléctricas ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

VIABILIDADE
Procuramos priorizar a circulação de pedestres e o ganho de espaços públicos por meio de três aspectos: via de pedestres, vias secundárias, pontes e ruas. Pensou-se também no planejamento rodoviário veicular repensando a configuração das rodovias circunvizinhas e internas.

HU-04, plano de sistema viário ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
HU-04, plano de sistema viário ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
1_ vista exterior da Avenida Tahuantinsuyo, entrada principal da super quadra 5. Image © Angular Lab
1_ vista exterior da Avenida Tahuantinsuyo, entrada principal da super quadra 5. Image © Angular Lab

SM + Vi + E.p

Esquema 2_Corte . Image © Jaramillo-Sihuenta
Esquema 2_Corte . Image © Jaramillo-Sihuenta

SUPER QUADRA “CÉLULA URBANA”

São 8 super quadras que funcionam como organismos "independentes", entre as quais se conectam por um sistema de circulação de pedestres e rodoviária caracterizado pela sua acessibilidade, qualidade visual, camuflagem urbana e integração comunitária.

A-01, Masterplan ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-01, Masterplan ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

LA SM5
O SM5 foi aprofundado devido à sua relação direta com a área destinada à cultura e topografia que conta uma área total de 42.898 metros quadrados (incluindo o cordão ecológico).

A-03, primeira planta (Blocos 4 e 5) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-03, primeira planta (Blocos 4 e 5) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

O BLOCO
Características da composição dos blocos:

  • Possuem 3 tipos de eixos: comerciais, serviços e institucionais e residenciais.
  • Devido à sua topografia, uso e localização: bloco contíguo, livre acesso e livre controle.
  • Conectividades: Vertical. Núcleo de escadas horizontais. Ruas e pontes para pedestres (potencializa os níveis intermediários e fornece alternativas de acesso para pessoas com deficiência e idosos)
  • Pátios laterais e centrais, integram as áreas comerciais.
  • Terraços coletivos. Espaços coletivos.
  • Praças aéreas. Espaços de lazer e congregação.
  • Conforto térmico e acústico. Adaptação de estratégias bioclimáticas.
  • Tecnologias renováveis e uso eficiente da água: solar térmico, painéis fotovoltaicos, sistema de coleta de água cinza e biofiltros para uso em espaços públicos.
  • Sistema construtivo de concreto armado. Estrutura: blocos de concreto, divisórias OSB, tripla (posteriormente reutilizada para móveis) e divisória "pallet-totora".

A-34, elevações setor bloco 1 (etapa 1-possivel) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-34, elevações setor bloco 1 (etapa 1-possivel) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-35, elevações setor bloco 1 (etapa 2-possivel) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-35, elevações setor bloco 1 (etapa 2-possivel) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-36, elevações setor bloco 1 (etapa 1-possível) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-36, elevações setor bloco 1 (etapa 1-possível) ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

MORADIA COLETIVA – PROGRESSIVA

Esquema 5_Tipologia de habitação. Image © Jaramillo-Sihuenta
Esquema 5_Tipologia de habitação. Image © Jaramillo-Sihuenta

Busca-se conseguir que espaços como dormitórios, estúdios ou áreas de lazer da casa expandam-se ao longo do tempo de acordo com as necessidades da família, devendo considerar os seguintes aspectos:

  • Prever a estrutura final da casa.
  • O crescimento de lajes e paredes divisórias não deve ser estrutural.
  • Adaptabilidade da estrutura, na consolidação dos espaços das áreas privada, semi-privada e geral dos dutos.
  • Priorização de espaços de serviços como: banheiro, cozinha e lavanderia (estes não devem mudar de localização), agrupando-os como um núcleo de serviços.
  • Conscientização e capacitação de espaços semi-públicos de uso múltiplo (quartos, escritório, oficina e comércio).
  • Criação das duas etapas do projeto e uma adicional baseada em uma proposta de habitabilidade transitória.

A-45, análise de tipologia flat ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-45, análise de tipologia flat ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-46, análise de tipologia duplex ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-46, análise de tipologia duplex ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-47, análise de tipologia triplex ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-47, análise de tipologia triplex ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
9_vista de dormitório secundário tipo. Image © Jaramillo-Sihuenta
9_vista de dormitório secundário tipo. Image © Jaramillo-Sihuenta

O ESPAÇO PÚBLICO COMO ESTRATÉGIA DE DEMOCRATIZAÇÃO

A topografia nos levou a desenvolver estratégias para o uso de encostas e áreas semi-planas (dunas ou depressões), conseguindo espaços públicos que nos permitissem adaptar ao contexto ligado a espaços urbanos produtivos localizados no cordão ecológico, obtendo um projeto auto-suficiente.

14_vista do cordão ecológico. Image © Angular Lab
14_vista do cordão ecológico. Image © Angular Lab

ENCOSTA COMO ESPAÇO MULTIUSO

As encostas cumprem diversas funções, de acordo com temporalidades, faixas etárias ou estilos de vida:

  • Áreas recreativas: Funciona como playground devido à sua abordagem lúdica.
  • Áreas culturais: Atividades de lazer podem ser desenvolvidas e aplicadas como stands ao realizar eventos artísticos.
  • Áreas de integração: Quando colocadas entre blocos de habitação, elas funcionam como pontos de congregação.
  • Áreas de Biofiltro: Ao integrarem-se no sistema de coleta de água cinza do projeto, os biofiltros, através de plantas macrofíticas, descontaminam a água para reutilizá-la no espaço público por meio de sistemas de irrigação.

A-20, cortes ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
A-20, cortes ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

PRAÇAS - PARQUE, ESPAÇOS SOCIAL

Localizado entre os blocos de habitação geram a confluência de pessoas, o projeto do parque tem áreas diferentes, incentivando a inclusão de todos os habitantes.

  • Área de recreação infantil.
  • Área de anfiteatro.
  • As trilhas (rede de circulação)
  • Áreas de esportes.
  • Personalização de mobiliário urbano. 

Esquema 3_Espaço Público. Image © Jaramillo-Sihuenta
Esquema 3_Espaço Público. Image © Jaramillo-Sihuenta
11_vista do pátio central. Image © Angular Lab
11_vista do pátio central. Image © Angular Lab

CORDÃO ECOLÓGICO

A recuperação e integração do cordão ecológico com o habitat urbano das superquadras, indagam a sensibilização do cidadão, conscientizando através de uma proposta produtiva e sustentável de paisagismo, considerando a recreação ativa, de forma a gerar estilos de vida seguros e saudáveis como um todo com infra-estrutura residencial, cultural e rodoviária.

P-01, Paisagismo ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
P-01, Paisagismo ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
P-02, detalhes ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
P-02, detalhes ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
P-03, detalhes de tratamento nas encostas ©. Image © Jaramillo-Sihuenta
P-03, detalhes de tratamento nas encostas ©. Image © Jaramillo-Sihuenta

ESTRATÉGIAS DE PROJETO

10 estratégias em destaque foram determinadas:

Esquema 1_10 Estratégias. Image © Jaramillo-Sihuenta
Esquema 1_10 Estratégias. Image © Jaramillo-Sihuenta

_A encosta como um espaço multiuso
_Reciclagem e restauração de ecossistemas
_Criar redes de espaços interconectados
_Inserir atividades recreativas e experimentais
_Localização do bloco
_ Conectividade vertical e horizontal
_Permeabilidade do bloco e interação social
_Conectividade entre blocos
_Uso eficiente de água e tecnologias renováveis
_ Habitação incremental e materialidade

"Agradecimento especial aos professores e arquitetos nacionais e internacionais entrevistados, bem como à população da Ciudad Pachacútec pela colaboração nas pesquisas e trabalhos participativos, além das várias casas de estudos como UCAL, entidades públicas e privadas e a Oficina LIMÁPOLIS : Cidade de encostas e representantes ".

Autores do Projeto: Djanira A. Jaramillo Quispe, Jean Paul Sihuenta Otiniano
Nome do Projeto: “Estrategias de ocupação urbana para (re) habitar as encostas”
Localização: Pachacútec, Ventanilla – Província de Callao
Limites do terreno: Pelo norte, Av. Tahuantinsuyo; Sul, o cordão ecológico; leste, Passagem 06; oeste, Av. Pumacocha
Início do Projeto: Fevereiro, 2018

Número de moradias: 3503 unidades
Número de habitantes: 21021 habitantes

Área total: 449.980.08 m2
Área de habilitação: 345.410.69 m2
Área do cordão ecológico: 104.569.39 m2
Área construída: 590,209.22 m2
Área para praças e parques: 58.719 m2
Área para educação: 21.324 m2
Área para saúde, centros comunitários e segurança: 7.075 m2
Área para comércio: 76.800 m2
Estacionamentos: 720 para veículo e bicicletas.   
Área Intervenida (SM5): 42.898.62 m2 (incluye área del cordón ecológico)
Área fechada: 14.877.95 m2 (34.70%)
Área livre: 28.020.67 m2 (65.3%)
Área Construída: 67.526.15 m2 (etapa final)

Escola: Universidad Ricardo Palma
Diretor: José Canales López
Assessores de Arquitetura: Rudolf Giese, Richard Valdivia, Enrique Alegre
Assessores Especialistas: José Ortíz, Roberto Pain, Rita Gondo

Visualização: Angular Lab
Fotografia: Dron Expansión Perú

PAINEL 1. Image © Jaramillo-Sihuenta
PAINEL 1. Image © Jaramillo-Sihuenta
PAINEL 2. Image © Jaramillo-Sihuenta
PAINEL 2. Image © Jaramillo-Sihuenta
PAINEL 3. Image © Jaramillo-Sihuenta
PAINEL 3. Image © Jaramillo-Sihuenta

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Bayona, Delia. "Estratégias de ocupação urbana para reabilitar as encostas de Lima" [Estrategias de ocupación urbana para rehabitar las laderas de Lima] 22 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907514/estrategias-de-ocupacao-urbana-para-reabilitar-as-encostas-de-lima> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.