Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Oscar Niemeyer / Oscar Niemeyer

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Oscar Niemeyer / Oscar Niemeyer

© Leonardo Finotti © Leonardo Finotti © Leonardo Finotti © Leonardo Finotti + 13

O projeto do Centro Cultural é do arquiteto Oscar Niemeyer e foi batizado com seu nome. Localizado na cidade de Goiânia, no estado de Goiás, foi construído sobre uma esplanada de 26 mil metros quadrados, a Esplanada da Cultura, praça que era destinada à realização de shows e eventos, que homenageia o ex-presidente da República Juscelino Kubitschek. O complexo é composto por quatro edifícios geometricamente puros: um retângulo que abriga uma biblioteca pública, um cilindro onde fica o Museu de Arte Contemporânea (MAC), um cambota que abriga o Palácio da Música e uma pirâmide de 36 metros de altura que abriga o Monumento aos Direitos Humanos.

O prédio da biblioteca é uma caixa de vidro fumê erguida sobre pilotis que se contrapõe ao tom branco do MAC e do Palácio da Música e também ao vermelho vibrante do grande triângulo e do Monumento aos Direitos Humanos. O Monumento com cerca de 700 metros quadrados abriga um auditório para 166 lugares, jardim de inverno e um salão para exposições. 

© Leonardo Finotti
© Leonardo Finotti

Não é fácil situar a obra de Oscar Niemeyer dentro dos movimentos da arquitetura, sobretudo porque há discursos polarizados e dualistas entre os historiadores, críticos e arquitetos que, por motivos diversos, aprovam ou condenam a sua obra, ora filiando-a ao movimento da arquitetura moderna e outrora fazendo ilações com outros movimentos. O desvio dos cânones formais e funcionais demostra a dificuldade de abordar os seus projetos de acordo com o racionalismo arquitetônico. Sendo funcionais ou não, as obras de Niemeyer são expressões de uma arquitetura moderna, limpa, ondulada e precisa que às vezes flerta com outras tradições estilísticas: o neoclassicismo e o cubismo.

O formalismo de Niemeyer é visto como um desvio dos princípios originais do movimento da Arquitetura Moderna. Há uma ênfase na expressão artística e por essa característica ele se filia ao modernismo das formas livres.

© Leonardo Finotti
© Leonardo Finotti

Para Maxwell, uma relação entre o clássico e o moderno, a princípio, pode ser articulada desde que a arquitetura, ainda na Antiguidade, se associou à geometria entendida como representação de ordem, de organização lógica e inteligível. Nesse sentido haveria uma conexão com o idealismo platônico cuja noção de geometria está associada à essência, à duração e à inteligibilidade. Portanto, na tradição da arquitetura clássica a forma é uma ideia necessariamente associada à geometria pura. O que leva a pensar o quanto na arquitetura moderna a forma está ainda associada a essa tradição de uma geometria ideal capaz de, contra o informe, organizar, ordenar e, em última instância, disciplinar e controlar. O rigor e o controle da forma constituem um sistema que articula princípios e modelos estruturais ligados à matriz geométrica da arquitetura ocidental ao atributo da personalidade pelo qual a busca da plasticidade formal se faz presente e constitui os elementos recorrentes na planta, na estrutura, na fachada, nas paredes, janelas e vãos das obras de Oscar Niemeyer.

No seu processo criativo, Maxwell diz que a imaginação a serviço das formas, sem apego à tradição, faz Niemeyer vislumbrar todo instrumental que a técnica moderna lhe concedeu para liberar o seu potencial imaginativo a serviço da criação de formas aparentemente desgarradas de qualquer tradição e, principalmente, da arquitetura funcionalista. É ser condizente com a racionalidade moderna e movido pela liberdade criativa frente a qualquer determinação ou modelo preconcebido que possa de algum modo cerceá-lo. É uma outra face da modernidade: aquela que não concebe a forma como instrumento para qualquer outro fim que não a da sua própria configuração autônoma. Ela é capaz de por si mesma construir uma representação do mundo constituindo uma nova concepção dele.

© Leonardo Finotti
© Leonardo Finotti

Afastando-se do funcionalismo e da contenção formal dos projetos iniciais do movimento moderno e “dando livre vazão à imaginação de formas”, é preciso entender em Niemeyer o desejo de potencializar ao máximo os recursos construtivos do concreto. Maxwell entende que a técnica e a forma em Niemeyer são indissociáveis na medida em que a primeira garante as possibilidades da segunda. No entanto, elas não se misturam pois pertencem a dimensões diferentes. Enquanto a técnica lida com questões relativas a matéria, construção, detalhamento, etc., a forma diz respeito à arquitetura enquanto manifestação artística. Por isso o dado técnico deve estar invisível a fim de não comprometer o estatuto da arquitetura, sendo “potencializada” ao máximo como desejo de extrair dela os recursos para a consecução de uma vontade de expressão da forma pura e límpida. Uma obstinação!

É um trabalho que parece constituir-se, sem nenhum esforço, nenhuma funcionalidade aparente, apenas um desenho, e, no entanto, tudo nele foi pensado: espaço, escala, cortes, pontos de vista, etc. Niemeyer não emprega a curva como detalhe ou adereço, mas sempre “construindo a forma arquitetônica em sua integridade, visto que o seu raciocínio já traz internalizada a lógica moldável e indivisível do concreto armado”, o esforço técnico tornado invisível cede espaço à aparição de formas leves, estáveis, surpreendentemente sustentáveis. Moldada e sustentada por si mesma, sem qualquer sinal de que se opõe à lei da gravidade, de tal modo ela se naturaliza em sua espacialidade, enquanto os pilares de sustentação acompanham discretamente suas curvas.

© Leonardo Finotti
© Leonardo Finotti

Segundo Telles a obra de Niemeyer, anti-funcionalista por excelência,  também se distancia da referência inicial de Le Corbusier na medida em que, conforme avalia Sophia Telles, sua espacialidade não segue a racionalidade clássica da construção da forma, que se pauta na ordem regulada por convenções de escala, proporção e ritmo. Tampouco ela pode ser associada aos princípios da chamada arquitetura orgânica, dado que são dotadas de uma autossuficiência que contraria tais princípios. A dificuldade de avaliar a arquitetura de Niemeyer associa-se à necessidade quase obsessiva de defini-la, tentando de algum modo situá-la no campo do Movimento da Arquitetura Moderna. Algo difícil de se conseguir, já que ela exige que se atenha à sua peculiaridade intrínseca caso se admita que ela se situa fora desse campo, mas dentro do regime da autonomia da forma moderna. 

Referências Bibliográficas

ARGAN, Giulio Carlo. Arquitetura moderna brasileira. In.: XAVIER, Alberto (Org.) Depoimento de uma geração. São Paulo, Editora Pini, 1987.
COSTA, Lúcio. Oscar Niemeyer – 1950. In.: Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.
FRAMPTON, Kenneth. História Critica da Arquitetura Moderna. São Paulo: Martins Fontes Selo Martins, 2015.
____________. Homenagem a Niemeyer. In.: SEGRE, Roberto (Org.). Tributo a Niemeyer. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, 2009. p.25-26.
Maxwell. A Arquitetura Moderna de Oscar Niemeyer. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/21056/21056_9.PDF>. Acesso em: 06 nov. 2018.
TELLES, Sophia da Silva. Arquitetura Moderna no Brasil: o desenho de superfície. 1988. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo.
_____________. O Desenho: Forma e Imagem. In: AU 55. p.94.
____________. Oscar Niemeyer: técnica e forma. In.: GUERRA, Abílio (Org.). Textos fundamentais sobre a História da Arquitetura Moderna. São Paulo: Romano Guerra,2010.
UNDERWOOD, David. Oscar Niemeyer e o Modernismo de formas livres no Brasil. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
WISNIK, Guilherme. Modernidade Congênita. In.: ANDREOLI, Elisabetta; FORTY, Adrian. Arquitetura Moderna Brasileira. London, Phaidon Press, 2004.

Setor Fazenda Gameleira, Brasil

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos

Localização do Projeto

Endereço: Avenida Deputado Jamel Cecílio, Lote 01, Quadra Gleba, 4490 - Setor Fazenda Gameleira, Goiânia - GO, 74884-801, Brasil

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Henrique Bezerra de Araújo, Thiago Pitaluga Rezende e Guaraciaba Rosa de Oliveira. "Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Oscar Niemeyer / Oscar Niemeyer" 27 Nov 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/906657/classicos-da-arquitetura-centro-cultural-oscar-niemeyer-oscar-niemeyer> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.