Leonardo Finotti

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

A escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantis

Montessori Kindergarten in Xiamen / L&M DesignPhoto: 1931, Kaunas, Lithuania. Two children working on reading/writing words at Maria Varnienė's Children's House. The child on the left is Stasys Ragaišis, who later became a medical doctor.. Image via @montistory101Mi Casita Preschool and Cultural Center / BAAO + 4Mativ Design Studio. Image © Lesley UnruhPeter Keler - Puppenwagen, 19xx. Image via Wikimedia+ 53

Mobiliários infantils são aqueles - fixos ou móveis - desenhados pensando nas crianças, seja de acordo com os seus princípios ergonômicos e anatômicos, ou de forma a assessorá-las da forma mais adequada. Seguindo essa linha, podemos identificar dois tipos de móveis: (1) aqueles que facilitam a relação entre o cuidador e a criança e (2) os que permitem que a criança os utilize de forma independente.

A grande diferença entre esses dois tipos é que os primeiros possuem dimensões que se adaptam à ergonomia do adulto e o segundo são projetados para atender às necessidades ergonômicas da criança, em cada etapa de seu desenvolvimento. Como o crescimento das crianças ocorre de forma relativamente rápida, é comum que os móveis deste segundo grupo sejam multifuncionais ou mesmo extensíveis.

Vantagens e características da alvenaria estrutural

O Monadnock Building, em Chicago, teve sua construção iniciada em 1891 e segue em uso. O edifício evidencia uma fachada sóbria sem grandes ornamentos e uma altura muito expressiva - à época - de 16 pavimentos. É considerado o primeiro arranha-céu construído em alvenaria estrutural, com tijolos cerâmicos e uma base de granito. Para suportar toda a carga da edificação, as paredes estruturais no térreo têm 1,8 metros de espessura, enquanto na parte superior, 46 centímetros. Cento e trinta anos depois, este sistema construtivo continua em voga e permite erigir edifícios mais altos, com paredes muito mais delgadas, atingindo racionalidade e economia na obra. Mas do que se trata a alvenaria estrutural, como utilizá-la nos projetos de arquitetura e em quais edificações este sistema é mais indicado?

Feliz aniversário, Paulo Mendes da Rocha!

Todo o espaço deve ser ligado a um valor, a uma dimensão pública. Não há espaço privado. O único espaço privado que você pode imaginar é a mente humana. 

Comemoramos hoje o aniversário de 92 anos de Paulo Mendes da Rocha. Nascido em Vitória, formou-se em São Paulo em 1954 na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tornou-se um dos arquitetos brasileiros mais reconhecidos mundialmente e um dos grandes nomes da Escola Paulista. Foi também professor de projeto da FAU-USP entre 1961 e 1999, afastado em 1969 pela ditadura militar e sendo reintegrado ao corpo docente da universidade somente em 1980, após a anistia. Além disso foi presidente do IAB/SP em duas ocasiões.

Moradias Infantis / Rosenbaum® + Aleph Zero

© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti+ 29

  • Arquitetos: Aleph Zero, Rosenbaum
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  23344
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2017
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Esquadrias, Estrutura em MLC, Paisagismo /

Paisagens desumanizadas: arquiteturas construídas para as máquinas

Centros de processamento de dados, linhas de produção automatizadas, torres de telefonia e depósitos são algumas das principais tipologias utilitárias que povoam o nosso ambiente construído, infra-estruturas cada vez mais importantes para o desenvolvimento da vida cotidiana. Ainda que estejam longe de tangenciar o interesse da maioria dos arquitetos e arquitetas, estas tipologias estão se fazendo cada dia mais presentes em nossas vidas e, consequentemente, no discurso arquitetônico — levantando questões sobre como podemos dar um novo significado à estas estruturas que sustentam as engrenagens da nossa atual sociedade.

Facebook Prineville Data Center by Sheehan Partners. Image © Jonnu SingletonDatacenter AM3 by Benthem Crouwel Architects. Image © Jannes LindersFacebook Prineville Data Center by Sheehan Partners. Image © Jonnu SingletonSnøhetta's The Spark data centre. Image Courtesy of Snøhetta/Plompmozes+ 10

Requalificação da Colina do Senhor do Bonfim / Sotero Arquitetos

  • Arquitetos: Sotero Arquitetos
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  36050
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Aubicon, Ecopark, Fabrimetal, Latina Iluminação, Trimble, +2

Quando foram inventadas as janelas de vidro?

Você já se fez essa pergunta? Pode parecer estranho imaginar, à primeira vista, que nem sempre tivemos janelas em nossas construções, nem tão pouco elas eram vedadas por um material transparente capaz de permitir a entrada de iluminação natural em recintos escuros ou de fazer uma barreira contra o frio: o vidro.

Apartamento Consolação / SOEK Arquitetura. Image © Rafael RenzoApartamento Urimonduba / Candida Tabet Arquitetura. Image © Rômulo FialdiniCasa ABK / Bernardes Arquitetura. Image © Leonardo FinottiCasa para Beth / Salmela Architect. Image © Paul Crosby+ 17

Permeabilidade e leveza nas fachadas metálicas perfuradas

O escritório nova-iorquino Diller Scofidio + Renfro (DS+R) chamou atenção mundial em 2002 com o Blur Building, para a Expo Suíça daquele ano. O volume era formado através de 35.000 bicos de alta pressão que expeliam a água do lago sobre o qual se localizava, criando uma enorme nuvem artificial. Sua forma, limites, cores e translucidez se alteravam com o sol e a força do vento e produziam uma experiência imersiva aos usuários, adentrando um volume completamente permeável. Dez anos depois, Carla Juaçaba e Bia Lessa projetaram o Humanidade2012 para a exposição Rio +20, em que diversos volumes programáticos foram dispostos em uma enorme estrutura de andaimes. Com mais vazios do que cheios, suas extremidades se desmaterializavam no céu e durante a noite os volumes pareciam flutuar. Segundo as arquitetas, “a própria movimentação das pessoas no edifício transformava os visitantes em objetos de exposição visto de longe.” Os dois projetos temporários, mesmo com diferenças de escala e contexto, se unem no êxito ao trabalhar com as noções de translucidez, leveza, dissolução de limites e o movimento.

Pontes e passarelas para conectar espaços: 15 projetos de arquitetura na América Latina

Residencia M&M / Bonina Arquitetura. Image © Tony ChenCasa Candelaria / Llano Arquitectos. Image © Alejandro ArangoCasa MLA / Jacobsen Arquitetura. Image © Leonardo FinottiLa Tallera / Frida Escobedo. Image © Rafael Gamo+ 31

Pontes e passarelas são elementos de circulação horizontal que permitem estabelecer uma ligação física entre os espaços interiores ou exteriores de um projeto para resolver a sua articulação e poupar, em alguns casos, os desníveis existentes entre eles. Essas estruturas suspensas potencializam as conexões visuais entre os diferentes níveis e permitem criar percursos mais dinâmicos. 

Resort Makenna / Drucker Arquitetura

© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti+ 24

Projeto de escolas: a arquitetura como ferramenta educacional

Dentro do conjunto de debates no campo da arquitetura, a relação entre o desenvolvimento projetual e a educação – especialmente infantil – tem ganhado destaque. A relação entre o campo da arquitetura junto à sociologia e filosofia, por exemplo, é notória. Muitas vezes, ao desenvolver um projeto, discussões entre estes campos são imbuídas projetualmente como instrumento potencializante das relações entre espaço e usuário. Quando pensamos especificamente na tipologia educacional dedicada a crianças, tomamos mecanismos que vão muito além de questões físicas de ergonomia, mas pensamos na arquitetura como ferramenta educacional.

Clássicos da Arquitetura: Casa do Claudio / Claudio Bernardes

© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti+ 14

Descrição enviada pela equipe de projeto. Claudio Bernardes projetou e construiu essa casa para sua família. É um projeto concebido em função das condições naturais da ilha que o abrigaria e da paixão de Claudio pelo lugar. É uma casa montada em peças de madeira numeradas que vieram flutuando, puxadas por uma traineira, até a Ilha das Palmeiras, em Angra dos Reis.

Claudio pensou sua casa como um grande espaço aberto, com ventilação e iluminação naturais, onde apenas os quartos se fechassem propondo um estilo despojado e fluido. O embasamento é feito em pedra a partir do qual a casa se desenvolve em dois pisos de madeira. O beiral de três metros permite que a grande cobertura de palha transpasse a casa, alongando o pé-direito e ampliando as dimensões da área interna, protegendo-a das chuvas e dos ventos.

Aigai Spa / figueroa.arq

© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti+ 39

São Paulo, Brasil
  • Arquitetos: figueroa.arq
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  1200
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2014
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Alape, Dornbracht, Duravit, Fabricca Marcenaria, Forma Final, +2

A Madeira Laminada Cruzada (CLT) é o concreto do futuro?

O concreto, um material de construção por excelência, nos ofereceu durante décadas a possibilidade de moldar nossas cidades de maneira rápida e eficaz, expandindo-se rapidamente em periferias urbanas ou atingindo alturas antes impensáveis pela humanidade. Atualmente, novas tecnologias de madeira estão começando a oferecer oportunidades semelhantes - e até mesmo superiores - às oferecidas pelo concreto, incluindo a madeira laminada cruzada (também chamada de Cross Laminated Timber ou CLT).

A fim de aprofundar em suas propriedades e benefícios, conversamos com Jorge Calderón, Designer Industrial da Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso e Gerente da CRULAMM, que revela algumas das oportunidades promissoras que a CLT poderia oferecer à arquitetura no futuro.

"KITERASU" Edifício modelo em CLT na estação Kuse / ofa. Image © Ken'ichi SuzukiMINIMOD Catuçaba / MAPA. Image © Leonardo FinottiCapilla Sacromonte Landscape Hotel / MAPA Arquitetos. Image © Leonardo FinottiCortesía de Jorge Calderón+ 21

Como curvar madeira?

Desde o corte da árvore a tornar-se uma viga ou uma peça de mobiliário, a madeira passa por diversas etapas e processamentos. Recurso renovável e material de construção popular e antigo, a madeira é, também, muitas vezes apontada como uma das promessas da construção no futuro, um material adequado às novas demandas de sustentabilidade. Mas diferentemente do concreto, cujos moldes podem definir até curvas complexas, quando abordamos as estruturas de madeira é muito mais comum a utilização de peças retas, sobretudo para a arquitetura. Nesse artigo abordaremos algumas técnicas que permitem a criação de peças curvas de madeira de diferentes escalas, algumas mais artesanais e outras que prometem tornar o processo mais eficiente e inteligente.

Dicas para usar o concreto aparente em seus projetos

Não há como negar. O concreto aparente é o queridinho entre os arquitetos. Atualmente, vem sendo adotado em uma gama de construções e tipologias, desde obras de infraestrutura até projetos residenciais. Além de suas qualidades estruturais, sua aparência também agrada muito. Seu uso oferece determinadas qualidades e flexibilidade que podem garantir diferentes aspectos plásticos aos projetos. Já mostramos como pré-dimensionar estruturas em concreto, ou mesmo entender o que as rachaduras querem nos dizer. A seguir apresentamos algumas dicas para empregar este material e obter o melhor de suas possibilidades quando deixado aparente:

Casa Xieira II / A2 + Arquitectos. Image © Fernando Guerra | FG+SGMUBE / Paulo Mendes da Rocha. Image © Estúdio FlagranteCasa das Histórias Paula Rego / Eduardo Souto de Moura. Image © Pedro KokWabi House / Tadao Ando. Image © Edmund Summer+ 14

Arquitetura da paisagem: conheça o trabalho de 17 paisagistas brasileiros contemporâneos

O campo do paisagismo é o responsável pela transformação e ressignificância espacial da paisagem, ora valorizando o objeto construído, ora trazendo luz à historia do território em questão. Assim como os elementos construídos, a vegetação quando projetada é capaz de trabalhar uma série de estímulos, propriedades e funções.

Roberto Burle Marx, Rosa Kliass, Miranda Magnoli... Estes são certamente alguns dos ilustres poetas da paisagem moderna no Brasil. Mas quando o assunto é o paisagismo contemporâneo brasileiro, alguns profissionais vêm demonstrando destaque nos últimos anos. Dentro deste quadro, compilamos abaixo dezessete profissionais. Confira a seguir:

Casa OF / Studio Otto Felix. Image © Denilson MachadoResidência em Gonçalves / André Vainer Arquitetos. Image © Tuca Reinés Tropical Island (Alemanha). Image Cortesia de Burle Marx PaisagismoUnique Garden Hotel &Spa (SP - Arquitetura Ruy Othake). Image Cortesia de Burle Marx Paisagismo+ 22

A importância do ambiente na abordagem Reggio Emilia

Redbridge School / ARX Portugal Arquitetos. Image © Fernando Guerra | FG+SGCreche Leimond-Shonaka / Archivision Hirotani Studio. Image © Noriko MomoiKindergarten in Guastalla / Mario Cucinella Architects. Image © Moreno MaggiCentro Infantil El Guadual / Daniel Joseph Feldman Mowerman + Iván Dario Quiñones Sanchez. Image © Ivan Dario Quiñones Sanchez+ 48

A pedagogia Reggio Emilia foi criada no período pós-segunda-guerra, por iniciativa de mães viúvas e sob a coordenação do pedagogo e jornalista Loris Malaguzzi. Em uma época de reconstrução das cidades, a preocupação primordial do grupo era em relação às novas escolas, onde desejavam criar um ambiente tranquilo, acolhedor e alegre (com uma atmosfera de lar) onde as crianças pudessem ficar enquanto as mães trabalhavam. Entender os interesses da criança e proporcionar um ambiente adequado para permitir experimentos e exploração é um dos pontos focais dessa pedagogia. A preparação de um ambiente seguro e estimulante é tão fundamental que, em muitas literaturas, ele aparece como um terceiro professor.