O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Revivalismo pós-moderno não existe; agora não é a hora de criticá-lo

Revivalismo pós-moderno não existe; agora não é a hora de criticá-lo

  • 07:00 - 11 Novembro, 2017
  • por
  • Traduzido por Lis Moreira Cavalcante
Revivalismo pós-moderno não existe; agora não é a hora de criticá-lo
Revivalismo pós-moderno não existe; agora não é a hora de criticá-lo, O Monumento Democrático: Manifesto de Adam Nathaniel Furman por um Novo Tipo de Centro Cívico. Imagem © Adam Nathaniel Furman
O Monumento Democrático: Manifesto de Adam Nathaniel Furman por um Novo Tipo de Centro Cívico. Imagem © Adam Nathaniel Furman

Este ensaio do acadêmico e escritor Martin Lampprecht responde diretamente a um artigo de opinião escrito por Sean Griffiths, ex-sócio da FAT, intitulado "Now is not the time to be indulging in postmodern revivalism" [Agora não é o momento de se entregar ao revivalismo pós-moderno].

Nossa. Por onde começar? Meu primeiro impulso foi apenas seguir em frente e pensar, talvez, que um arquiteto bem sucedido e pensador da arquitetura apenas quis publicar um artigo tão dispéptico. É, afinal de contas, um padrão comum: os jovens brincalhões do passado, assim que suas costas começaram a recurvar, transformam-se em professores acadêmicos por conta de sua experiência adquirida. Tudo é apenas parte do ciclo geracional normal que mantém uma cultura avançando. Algo comum.

Se eu escrevo isso, é porque o argumento de Sean Griffiths destaca — de forma explícita ou implícita — um grupo inteiro de jovens arquitetos e projetistas cujo trabalho eu venho seguindo com muito interesse por algum tempo. Ele toma a forma de um então ataque ad-hominem bastante maldoso contra eles, implicando que eles de alguma forma "não entendem" o clima político e cultural em que nos encontramos, mas que também são culpados por falhas morais e políticas, fazendo o barulho errado na hora errada.

Claro, uma das melhores maneiras de aprimorar e polir sua marca sempre foi fazendo inimigos. E uma das melhores maneiras de faze-los sempre foi simplesmente fabricá-los erguendo um espantalho contra quem apresentar suas ideias. (Escolher uma leva de arquitetos que vão e vêm, que estão simplesmente dando suas primeiras pinceladas públicas, ao invés de algumas das pessoas mais velhas de sua própria geração que realmente têm influência e poder institucional, pode parecer uma estratégia um pouco baixa - mas é tudo parte do ritual tradicional também.) Então, você poderia, por exemplo, inventar todo um movimento e rotulá-lo de "revivalismo pós-moderno". Nenhuma arma mata mais efetivamente do que a etiqueta taxonômica que perfura uma borboleta colorida demais e, para sempre define seu lugar correto (derivativo) no gabinete entomológico do público. Você pode ter que distorcer a intenção do trabalho e ignorar o que se diz publicamente sobre isso, mas é assim que essa estratégia tende a funcionar.

A borboleta que Griffiths escolheu aqui como seu pars pro toto é Adam Nathaniel Furman. Tenho acompanhado o trabalho de Furman há algum tempo, tanto como projetista quanto comentarista prolífico e perspicaz sobre arquitetura e design – e, claro, como mediador cultural. Ele pode ser muitas coisas, mas o que ele certamente não é, e nunca afirmou ser é um pós-modernista, seja "neo", "retro", "revival" ou qualquer outra derivação. É, portanto, bastante lamentável que, aos olhos do público, ele tenha se tornado superficialmente conhecido como o "cara PoMo", simplesmente porque, entre seus interesses históricos, o classicismo moderno e o pós-modernismo se destacam. Como lobista para a conservação arquitetônica, ele vem apoiando a proteção do patrimônio arquitetônico pós-moderno, que ainda está recebendo críticas de especialistas, conservacionistas e autoridades públicas. Mas, embora seu próprio trabalho arquitetônico demonstre, evidentemente, a influência do seu interesse e do seu compromisso com os precedentes pós-modernos e a história (clássica) de arquitetura em geral, suas intenções e estratégias estão longe do derivado "neo-pós-modernismo" que Griffiths afirma ver. As reivindicações de Griffiths dependem de dois atalhos conceituais: "ornamento e muita atenção para a superfície colorida = PoMo" e "PoMo = ironia".

No entanto, o trabalho de Furman, entre outros, não é feito principalmente de ironia, efeitos distanciadores e citações conceituais. O que eles estão procurando é uma nova riqueza de estímulos, uma densidade estética e semiótica (tanto formal quanto historicamente) que atrai o observador para uma interação altamente envolvente com o trabalho, rico em associações, ambiguidades e possibilidades lúdicas de desorientação espacial. Na medida em que seu trabalho baseia-se em precedentes pós-modernos, ele faz isso porque, em um nível formal, certos pós-modernistas experimentaram estratégias similares de densificação ornamental, complexidade formal e excesso cognitivo lúdico. Longe dos gestos retóricos de "ironia", os trabalhos exploram possibilidades de experiência espacial e semiótica em um ambiente mediado moderno, complexo e de várias camadas: a diversão deles é um negócio sério. (Em outras palavras: exatamente o que Griffiths reivindica para suas próprias obras há vinte anos).

Tendo agrupado um grupo de arquitetos como "neo-neo-pós-modernistas" (e, como resultado, adicionando muito tarde um apêndice desnecessário ao próprio trabalho da FAT das décadas de 1990 e 2000 e, aparentemente, por razões erradas), seu principal argumento é, obviamente, político: no mundo de Trump, Brexit, notícias falsas e direita alternativa, no qual símbolos distorcidos e significados ambivalentes são explorados por forças sinistras, o momento da ironia passou. O mesmo, suspeita-se, é verdadeiro para a cor, o ornamento, a complexidade visual e outras luxúrias frívolas de tempos felizes passados: as sugestões de Griffiths sobre para onde a arquitetura pode ir daqui exalam um espírito um tanto puritano e uma modéstia visual razoável. Mas é tudo pelo bem maior, porque sabemos quão facilmente os idiotas úteis da arquitetura são apropriados e engolidos por circunstâncias políticas: "Se o seu edifício parece fascista, [...] está pronto para a apropriação por valores fascistas".

Isso é um pouco surpreendente, dado que a condenação total de Griffiths do suposto "neo-neo-pós-moderno" cabal começa com a suposição de que a arquitetura não "fala", pois não é uma linguagem. Como essa arquitetura que não fala pode ser tão eloquente a ponto de ser facilmente reconhecível e apropriada por uma ideologia parece um mistério. Mas então, é claro, será que o próprio Griffiths realmente acredita em uma arquitetura sem significado, semioticamente muda? Que a arquitetura não está relacionada à literatura e, portanto, não "fala" ou transmite uma "narrativa" complexa ou linear, é uma obviedade. No entanto, é igualmente verdade que a arquitetura, graças ao contexto cultural, é evocativa e simbolicamente rica e, portanto, um meio de comunicação. Parafraseando Paul Watzlawick: a arquitetura não pode não se comunicar. Não há uma zona semiótica neutra e sem ideologia para a arquitetura, especialmente não para o tipo de arquitetura agora defendida por Griffiths, que "se esforça fortemente para resistir ativamente a significação visual, que tenta desaparecer, que abjura o significado, uma arquitetura que não faz nenhuma tentativa para falar e que não consegue contar mentiras". Uma arquitetura tão desprovida de significado, em um estado virgem de não-significação, é uma fantasia. Se um edifício parece fascista, os fascistas que devem dizer, e a ideologia que a arquitetura tátil, visualmente casta e semioticamente abstêmia de Griffiths pode ou não vir a representar, não é algo intrínseco ao projeto: o significado de um edifício tem tudo a ver com o contexto, e muito mais com a intenção, e nenhum deles está eternamente inscrito na própria estrutura construída.

Alguém pode se perguntar se, em uma leitura mais generosa tanto do contexto quanto da intenção, o trabalho de Adam Nathaniel Furman e o de outros ornamentalistas contemporâneos pode, de alguma forma, cair de alguma forma as mãos nas sombrias forças culturais e políticas desta época do pós-verdade e da direita alternativa. No meu entendimento, estes últimos não são muito atraídos pelo hedonismo exuberante, ou pela complexidade histórica ou pelo pluralismo eclético, ou pela mensagem ambígua e fluida (pode-se até dizer, "queer") ou pela irreverência criativa ao lidar com o passado. Estas são todas as qualidades que um observador sem preconceitos pode encontrar no tipo de trabalho que Griffiths está declarando obsoleto, politicamente ingênuo e potencialmente perigoso. O que, em última instância, levanta a pergunta: qual é o seu problema, professor?

Como John Cage poderia ter dito: se você não tem nada a dizer, pelo menos diga de uma melhor maneira do que num artigo de opinião egoísta e condescendente.

Martin Lampprecht é um acadêmico especializado em cinema e mídia, com forte interesse em arquitetura e urbanismo, e atualmente trabalha na Universidade de Bordeaux. Ele escreve sobre cinema, arquitetura, música, cultura de massa e serialidade.

From Pastel Pink to Pastel Blue: Why Colorful Architecture is Nothing New

In this essay by the British architect and academic Dr. Timothy Brittain-Catlin, the fascinating journey that color has taken throughout history to the present day-oscillating between religious virtuosity and puritan fear-is unpicked and explained. You can read Brittain-Catlin's essay on British postmodernism, here.

Rome: 'Pilgrimage Site For The World's Imagination'

Adam Nathaniel Furman's tenure as the recipient of the 2014/15 Rome Prize for Architecture at the British School at Rome has come to an end.

The Democratic Monument: Adam Nathaniel Furman's Manifesto for a New Type of Civic Center

Civic buildings are, as a rule, both austere and intimidating. They are often designed to represent authority above all, taking cues from Classical architectural language to construct an image of power, dominance, and civic unity.

Cita: Lampprecht, Martin. "Revivalismo pós-moderno não existe; agora não é a hora de criticá-lo" [Postmodern Revivalism Doesn't Exist; Now Is Not the Time to Be Criticizing It] 11 Nov 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/882987/revivalismo-pos-moderno-nao-existe-agora-nao-e-a-hora-de-critica-lo> ISSN 0719-8906