O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Instituto Moreira Salles abre suas portas em São Paulo

Instituto Moreira Salles abre suas portas em São Paulo

  • 12:00 - 5 Outubro, 2017
  • por Equipe ArchDaily Brasil
Instituto Moreira Salles abre suas portas em São Paulo
Instituto Moreira Salles abre suas portas em São Paulo, © FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Após cerca de quatro anos de espera e anseio por parte dos que diariamente passam pela Avenida Paulista, na altura do número 2439, próximo à esquina da Rua Bela Cintra e em frente à Praça do Ciclista, o edifício sede do Instituto Moreira Salles foi aberto ao público.

A aspiração por parte dos representantes da instituição era construir um novo edifício dedicado a abrigar e expor o acervo artístico e fotográfico do IMS, que até então, encontrava-se na Sede do Rio de Janeiro e na capital paulista, numa tímida galeria no bairro de Higienópolis. O espaço receberá mostras, palestras e cursos.

© FLAGRANTE © FLAGRANTE © FLAGRANTE © FLAGRANTE + 33

Por meio de um concurso fechado realizado em 2011 por um conjunto de seis significantes escritórios brasileiros convidados (Andrade Morettin Arquitetos, Arquitetos Associados, Bernardes Arquitetura, UNA Arquitetos, SPBR e Studio MK27), a proposta inicial desenvolvida em cerca de dois meses pelo escritório paulistano Andrade Morettin Arquitetos sagrou-se vencedora.

Da questão central que norteou o projeto, um dos pontos relevantes nasce a partir da relação do edifício com a cidade, através de sua posição estratégica na Avenida Paulista, no lote com 20x50 metros. Dessa forma, os arquitetos pensaram-no como importante mecanismo ligado à cultura e papel museológico no privilegiado endereço, para que o mesmo assumisse a serenidade requerida dentro do ambiente dinâmico da Paulista.

Como impor um edifício que se relacione à vida da Avenida, conjuntamente ao espaço museológico, preservando a demanda à serenidade? De fato, a proposta do escritório foi condizente, dado que o novo prédio desde a fase projetual já estabeleceu resposta aos problemas impostos, norteando-os.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Durante a apresentação à Comissão do Concurso, Vinicius Andrade e Marcelo Morettin, sócios-fundadores do escritório, iniciaram seu discurso apresentando uma fotografia da Maison de Verre, projeto de Pierre Chareau e Bernard Bijvoet, reforçando a ideia de transparência controlada e a relação entre luz e opacidade. A referência trouxe significante contribuição ao partido do projeto, tentando responder à atmosfera requerida com a quietude, contudo, comunicando-se ao ambiente externo.

A resposta à relação entre o ambiente interno e externo é criada por meio de um invólucro, com sistema de envelopamento duplo ao edifício, protegendo seu interior, na área expositiva, mas ainda, permitindo a entrada de luz natural. Através da instalação de vidros especiais, semi-translúcidos, a pele estabelece diálogo entre o exterior e o interior, possibilitando contemplação a quem se encontra dentro do edifício, e para quem se encontra do lado de fora, ainda percebe resquícios da vida interna.

A pele em vidro ainda age como protetora térmica, filtrando o excesso de radiação solar, buscando o controle lumínico ideal ao espaço expositivo e circulações, além da visibilidade, consequentemente interferindo no desenho, que no período diurno age como um cristal e no período noturno, age como lanterna, emitindo luz à cidade.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Ainda na comissão, os arquitetos apresentaram breve análise da qualidade projetual de alguns dos edifícios ligados à cultura presentes ao longo da Avenida, analisando suas interfaces urbanas. No caso da Fundação Cásper Líbero, pontuam o modo como o térreo se eleva do nível da calçada e, portanto, uma longa escadaria, cria o papel de convívio. Já no segundo estudo de caso, o Edifício FIESP, pontua a ideia de “chão duplo”, uma vez que a calçada do edifício assume cota intermediária, a meio nível e o pedestre sobe ou desce, enquanto o bloco suspende-se gerando área sombreada.

No estudo de caso do Museu de Arte de São Paulo (MASP), pontuam-no como líder à visão, devido às suas condicionantes de térreo liberado pelo vão que vislumbra extensa área pública e liberdade à visada. No Conjunto Nacional, exaltam a fruição e conexão entre as ruas adjacentes, de forma que o térreo do edifício estabelece a ideia de continuidade da calçada, diluindo os limites entre público e privado.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Assim, após tais análises, o partido arquitetônico do novo centro cultural nasce da resolução de problemáticas identificadas em cada um dos estudos de caso, lidando conjuntamente às condicionantes da Avenida Paulista, intensa e frenética, junto às premissas do museu. A solução, então, foi elevar o pavimento da recepção a quinze metros de altura, liberando o térreo e transformando-o na extensão da calçada, permitindo que público flane livremente pelo mesmo.

Na estratégia, o público organiza-se no térreo, veículos no subsolo e ao subir ao primeiro pavimento, chega-se ao coração do edifício.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

A transição do nível do solo ao primeiro pavimento é feita por escadas rolantes, concebendo passeio tridimensional pelo espaço, e à medida que o pedestre vai sendo transferido entre as cotas, no simples gesto, faz a leitura da cidade.

Dentro do Instituto, o passeio aos demais pavimentos é feito por um conjunto de escadas que recebem luz natural filtrada, dispostas entre a pele de vidro externa e o volume vermelho que protege as obras.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

No edifício, com área três vezes maior que o IMS carioca, o programa é distribuído entre área administrativa, estacionamento, facilidades e reservas técnicas, midiateca, área de distribuição e área expositiva.

No nível da calçada, a grande área sombreada, junto às escadas, abriga o restaurante do edifício, num simpático diálogo entre os espaços público e privado, além de volume lateral em concreto que corta verticalmente o edifício, comportando escadas técnicas, de emergência, elevadores e sanitários.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

No primeiro pavimento, biblioteca e administração são dispostas na tentativa de aproximar o visitante ao extenso acervo de livros do Instituto e permitindo que os mesmos flanem pelo espaço, aguardando pela subida aos demais pavimentos.

No segundo pavimento, a sala de aula que abrigará cursos ligados à Fotografia e Arte, é disposta na área frontal, permitindo a entrada de luz natural e visada à cidade.

O terceiro e quarto pavimento são dedicados ao auditório, estabelecendo área da plateia, palco e cabine de projeção.

O quinto pavimento contém espaço dedicado ao café, lojas e segunda recepção de controle às áreas expositivas. O sexto, oitavo e nono pavimento são posicionados dentro do elemento vermelho, protegendo-o da luz solar direta em consequência das obras e área de projeção. Vale destacar que os dois primeiros pavimentos do setor são responsáveis pela área expositiva temporária, enquanto que o último pavimento comporta a área expositiva permanente.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Em relação às técnicas construtivas, os sistemas utilizados foram pensados para que a obra assumisse papel de construção seca em maior porcentagem, por meio de estruturas metálicas, fechamentos em vidro e apenas o bloco do core posicionado lateralmente em concreto. Parte dos sistemas empregados, assim como grande parte das obras do escritório, apenas reforça sua preocupação na demanda e tempo de obra, junto à qualidade de trabalho dos funcionários.

O esqueleto metálico foi pré-dimenrsionado para que o canteiro de obra funcionasse com a melhor lógica construtiva, visto que o terreno com 20x50 metros, antigo estacionamento, não propiciava grandes espaço de canteiro, impondo um desafio estrutural junto à equipe. As lajes também foram dimensionadas para viabilizar o recebimento de grandes obras de arte e cargas.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Desse modo, o novo centro cultural reinventa-se, por meio programático e na escolha dos materiais, de modo primoroso. O desenho assumido pelo edifício reflete conexões com o tecido urbano da cidade, não agindo de modo isolado, mas convidando o pedestre a adentrá-lo. Para quem está dentro do edifício, é possível notar o franco diálogo ao espaço externo, por meio dos panos de vidro semi-translúcidos.

© FLAGRANTE
© FLAGRANTE

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Equipe ArchDaily Brasil. "Instituto Moreira Salles abre suas portas em São Paulo" 05 Out 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/881022/instituto-moreira-salles-abre-suas-portas-em-sao-paulo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.