O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Destacar o ato espontâneo: arquitetura itinerante

Destacar o ato espontâneo: arquitetura itinerante

Destacar o ato espontâneo: arquitetura itinerante

Para compreender o real significado da arquitetura itinerante é preciso lembrar que ser “itinerante” significar ir de um lugar a outro sem permanecer fixo em nenhum deles. Ao situar propostas sobre um determinado território, cria-se uma nova oportunidade de abranger zonas não contempladas, e por sua vez, potencializar, dar valor e sentido à palavra itinerante, configurando, assim, um tipo de arquitetura que se movimenta.

Dentro deste artigo buscaremos apresentar alguns exemplos de arquitetura que se desloca ou de caráter mais efêmero, sendo em algum casos, certo tipo de arquitetura estacional. Por isso é importante resgatar o nascimento deste conceito, como é entendido desde o princípio, e como este tipo de arquitetura constitui uma forma de espaço público que busca realçar seu ato espontâneo. 

Cortesía de refugeecamp.ca
Cortesía de refugeecamp.ca

Hoje em dia, a escala e o ritmo da construção contemporânea desafiam a noção de permanência como condição básica das cidades.

Santiago PAL 2010 / Eduardo Castillo. Imagem © Marcelo Sarovic
Santiago PAL 2010 / Eduardo Castillo. Imagem © Marcelo Sarovic

Paisagens efêmeras em assentamentos emergentes, estão constantemente aumentando de escala e confrontam a noção de "cidade" como uma entidade estável e permanente. Em resposta a esta condição, existe uma discussão crescente sobre como as conversas entre arquitetura e urbanismo - e por que não considerar o paisagismo ou o uso do território - se beneficiariam concedendo valor ao ato espontâneo e itinerante. Deixando de lado a teoria de que tudo deve ser fixo na hora de construir arquitetura.

“Na realidade, quando as cidades são analisadas em períodos de tempo mais longos, o ‘efêmero’ surge como uma condição inevitável no ciclo de vida de cada componente do entorno construído. Dito de outro modo e nas palavras de Bishop e Williams: Dada a entristecedora evidência de que as cidades são uma complexa superposição de edifícios e atividades, que são, de uma maneira ou outra, temporais, por que os urbanistas têm estado tão focados na permanência?” Mehrotra, Vera.

ESPAÇO PÚBLICO, ORIGENS E EVOLUÇÃO

Pabellón FAV 2014 en Valparaíso / República Portátil. . Image Cortesía de República Portátil
Pabellón FAV 2014 en Valparaíso / República Portátil. . Image Cortesía de República Portátil

O espaço público era um local aberto que abrigava as sociedades. Na Grécia, foi chamado Ágora e em Roma Foro, ambos eram espaços onde o povo exercia sua soberania.

Em nosso país, nos tempos da colônia, o espaço público foi o lugar onde se geriu o poder político cidadão, devido a que, neste espaço congregava-se a população para deliberar através de assembleias. Não obstante, com o tempo o poder do cidadão passou para as mãos dos municípios e prefeituras. É neste ponto onde a vocação cívica do espaço público começa a perder-se e a transformar-se, porque poderes como a Igreja e a Monarquia começam a exercer seu poder sobre ele.

Santiago PAL 2010 / Eduardo Castillo. Imagem © Marcelo Sarovic
Santiago PAL 2010 / Eduardo Castillo. Imagem © Marcelo Sarovic

“A praça era e atualmente segue sendo, mas com menor intensidade, o lugar de encontro onde se realizavam numerosas atividades comerciais. Posteriormente, o espaço público cidadão se desloca da tradicional praça, em direção aos bairros e povoados, instalando-se em seu espaço vicinal. “A praça foi se transformando em um jardim recreativo, passeio de pedestres ou retiro de aposentados, carente de uma definida função histórica.” 

Ambient 30 60 - YAP CONSTRUCTO 2014 / UMWELT. Image Cortesía de Cristobal Palma / Estudio Palma
Ambient 30 60 - YAP CONSTRUCTO 2014 / UMWELT. Image Cortesía de Cristobal Palma / Estudio Palma
Operações micro urbanas, um dos 10 ganhadores do CNPT 2016. Imagem © Claudio Torres Salazar
Operações micro urbanas, um dos 10 ganhadores do CNPT 2016. Imagem © Claudio Torres Salazar

Segundo Salazar, a causa principal da mudança do espaço público da praça para os bairros deve-se a falta de importância, do papel e funcionalidade que se deu as praças com o passar dos anos, desta forma, os bairros começam a ganhar relevância dentro dos espaços públicos presentes nas cidades e por esta razão, começam a desenvolver novas atividades, como as ferias livres. Atualmente as feiras livres, conseguiram instalar-se nos espaços públicos, promovendo a sociabilização e o desenvolvimento de atividades no bairro onde se localizam.

YAP_Constructo 6 “Tua Reflexão” / Guillermo Hevia García + Nicolás Urzúa Soler. Imagem © Nico Saieh
YAP_Constructo 6 “Tua Reflexão” / Guillermo Hevia García + Nicolás Urzúa Soler. Imagem © Nico Saieh

Os projetos destinados a ser itinerantes, buscam realçar o ato espontâneo, com espaços recreativos e de lazer, os quais contam com programas flexíveis que mudam segundo seus usuários, programas e localização.

Cita: Brunel , José Ángel. "Destacar o ato espontâneo: arquitetura itinerante" [Realzar el acto de lo espontáneo; aquitectura itinerante] 21 Ago 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/877831/destacar-o-ato-espontaneo-arquitetura-itinerante> ISSN 0719-8906