O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura Residencial
  4. Clássicos da Arquitetura: Palais des Papes / Pierre Poisson e Jean de Louvres

Clássicos da Arquitetura: Palais des Papes / Pierre Poisson e Jean de Louvres

Clássicos da Arquitetura: Palais des Papes / Pierre Poisson e Jean de Louvres
Clássicos da Arquitetura: Palais des Papes / Pierre Poisson e Jean de Louvres, Uma elevação da fachada leste do palácio por Eugène Viollet Le-Duc. Cortesia de Wikimedia user Ampon (Public Domain)
Uma elevação da fachada leste do palácio por Eugène Viollet Le-Duc. Cortesia de Wikimedia user Ampon (Public Domain)

Enquanto a Igreja Católica Romana é sinônimo da Cidade Eterna (e da capital italiana), o maior monumento de seu auge medieval está, na verdade, no sul da França. A relíquia da breve partida do papado de Roma, o Palais des Papes ("Palácio dos Papas") em Avignon é o maior palácio gótico já construído. Construído em duas fases principais por dois de seus residentes, a obra é uma expressão arquitetônica grandiosa da riqueza e poder dos onze papas que chamaram Avignon de casa e base de poder.

Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0) Limitada pelos apartamentos papais e as duas alas do Novo Palácio, a Cour d'Honneur é substancialmente maior do que o pátio definido pelos claustros do Palácio Antigo. ImagePhoto por Jean-Marc Rosier. Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0) Um desenho do século XV de Avignon por Étienne Matellange; O Palais des Papes domina o horizonte no canto superior direito. Cortesia de Wikimedia user Aa77zz (Domínio Público) Uma planta do Palais des Papes desenhado em 1921. O Palais Vieux, ou Palácio Antigo, fica à esquerda, enquanto o Palais Neuf, ou Novo Palácio, está à direita. Cortesia de Wikimedia user François GOGLINS (Domínio Público) + 19

Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0)
Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0)

No início do século XIV, toda a Itália -mas Roma, em particular- estava atormentada por uma constante e penetrante sensação de agitação. A antiga cidade era a arena em que várias facções disputavam o poder em um conflito que beirava uma guerra civil. Enquanto isso, as tensões estavam crescendo entre o Papa Bonifácio VIII e o Rei Filipe IV da França, tendo por resultado a morte prematura do papa e a excomunhão do rei. Seu sucessor de curta duração, o Papa Bento XI, foi o primeiro a desocupar Roma, elegendo, em vez disso, fazer sua casa na cidade mais ao norte de Perugia; foi o sucessor de Bento, Clemente V, que estabeleceria o papado em Avignon em 1305. Ao fazê-lo, o novo pontífice esperava começar a reparar o relacionamento da Igreja com os reis da França e da Inglaterra e sua autoridade sobre eles. Escapar da luta da Itália devastada pela guerra foi uma motivação secundária, embora significativa. [1].

Uma descrição de Avignon em 1700 por Robert Bonnart; As torres do Palais des Papes são visíveis no canto superior esquerdo. Cortesia de Wikimedia user Aa77zz (Domínio Público)
Uma descrição de Avignon em 1700 por Robert Bonnart; As torres do Palais des Papes são visíveis no canto superior esquerdo. Cortesia de Wikimedia user Aa77zz (Domínio Público)

Localizada entre a França, a Itália e o que viria a ser conhecido como a Alemanha, Avignon foi uma base ideal de operações para a missão de Clemente V em restaurar a autoridade benevolente, mas inquestionável, da Igreja sobre os diferentes Estados da Europa. Enquanto Roma tinha sido o nexo de um império que se estendeu das Ilhas Britânicas ao Oriente Médio, Avignon estava no centro do mundo cristão medieval que só abrangia a Europa. Sua proximidade com a intersecção dos rios Rhône e Durance fez com que o trânsito da cidade para o resto da Europa fosse relativamente conveniente: um mensageiro rápido poderia trazer notícias de Avignon para destinos tão remotos como Londres ou Roma em menos de duas semanas. Apesar destas vantagens, no entanto, Avignon não tinha o significado religioso histórico de Roma, e levou duas décadas antes que um dos pontífices da cidade visse Provence como mais que um lar temporário para a Igreja. [2]

Uma planta do Palais des Papes desenhado em 1921. O Palais Vieux, ou Palácio Antigo, fica à esquerda, enquanto o Palais Neuf, ou Novo Palácio, está à direita. Cortesia de Wikimedia user François GOGLINS (Domínio Público)
Uma planta do Palais des Papes desenhado em 1921. O Palais Vieux, ou Palácio Antigo, fica à esquerda, enquanto o Palais Neuf, ou Novo Palácio, está à direita. Cortesia de Wikimedia user François GOGLINS (Domínio Público)

Apesar de compartilhar o anseio de seus predecessores de voltar a Roma, o Papa Bento XII foi forçado a reconhecer que a contínua reviravolta na Itália fez um sonho tão insustentável. Foi então, em 1335, que o austero e sensato Bento decidiu construir um palácio para si próprio e sua corte e, assim, estabelecer Avignon como sua sede permanente do poder. Ele escolheu construir sua nova casa no local do antigo palácio do bispo, o bispo de Avignon sendo compensado com a residência de um cardeal recém-falecido. [3]

Uma vista aérea do Palais; O antigo Palácio do Bispo estava no local do Palácio antigo no lado esquerdo da foto. Cortesia de Flickr user jean-louis Zimmermann (CC BY 2.0)
Uma vista aérea do Palais; O antigo Palácio do Bispo estava no local do Palácio antigo no lado esquerdo da foto. Cortesia de Flickr user jean-louis Zimmermann (CC BY 2.0)

O arquiteto que Bento XII escolheu para seu palácio foi Pierre Poisson -um homem que, como o próprio papa, era original de Mirepoix em o que é agora o sudoeste da França. Poisson supervisionou a construção de um edifício aproximadamente retangular, com base na disposição da residência do bispo que uma vez ocupou o local; em consonância com a personalidade de Bento XII, era uma estrutura austera desprovida de ornamentação escultural e mais reminiscente de um convento protegido ou uma fortaleza do que um palácio. [4, 5]

A entrada a esta primeira encarnação do Palácio, agora considerado o "Palácio Antigo", era através de uma entrada fortificada que se projetava da ala sul do edifício (mais tarde demolida durante a próxima fase principal de construção). O quadrilátero irregular do pátio central estava rodeado por galerias de dois andares de altura e diminuída pelas várias torres construídas em torno da periferia do edifício.[6] A ala norte continha a primeira capela do palácio: 40 metros de comprimento e apenas 8 metros de largura, esta capela foi considerada desproporcional, muito pequena, e muito distante dos apartamentos do Papa. Essas qualidades indesejáveis, combinadas com a tendência da sala para se tornarem insuportavelmente frias no inverno, resultaram, em última instância, no deslocamento das cerimônias pontifícias para uma nova capela na extremidade oposta do Palais. [7]

Os muros do Palácio Velho, adornados apenas com ameias e simples arcos apontados, parecem mais adequados a uma fortaleza do que a um palácio. Foto por Jean-Marc Rosier; Cortesia de Wikimedia user Ampon (lCC BY-SA 3.0)
Os muros do Palácio Velho, adornados apenas com ameias e simples arcos apontados, parecem mais adequados a uma fortaleza do que a um palácio. Foto por Jean-Marc Rosier; Cortesia de Wikimedia user Ampon (lCC BY-SA 3.0)

As alas circundantes -Consistoire a leste, Aile des Familiers a oeste e o Conclave ao sul- continham residências e escritórios de membros da corte papal. O Tour de la Campane, a torre mais alta do "Palácio Antigo" (e ainda o ponto mais alto do edifício em geral), situava-se no canto noroeste do claustro, com a sua coroa com ameias dominando o Palais. Ressaltando do canto do sudeste do palácio estava a Tour du Pape (Torre do Papa) ou a a Tour des Anges (Torre dos Anjos), a ala e a torre que continham os apartamentos do próprio pontífice. [8]

O Tour de la Campane, Como visto do pátio velho do palácio; Seu telhado almenado é o ponto mais alto do Palais des Papes. Cortesia de Flickr user Satoshi Nakagawa (lCC BY-SA 2.0)
O Tour de la Campane, Como visto do pátio velho do palácio; Seu telhado almenado é o ponto mais alto do Palais des Papes. Cortesia de Flickr user Satoshi Nakagawa (lCC BY-SA 2.0)

A segunda grande fase de construção, resultando no "Novo Palácio", ocorreu sob o sucessor imediato de Bento XII, Clemente VI. Ele ordenou a conclusão do Trouillas e Torres de Cozinha no canto nordeste do Palácio Antigo, bem como a adição da Torre Wardrobe para os apartamentos papais. Sua visão para o Palais des Papes, no entanto, era muito maior do que a de Bento XII. Para executar este escopo de trabalho, Clemente VI encomendou os serviços de projeto de Jean de Louvres da Île-de-France (a região em torno de Paris). De Louvre imediatamente começou seu trabalho, reunindo 600 homens e limpando o bairro em torno do palácio para dar lugar a suas consideráveis adições. [9]

Em contraste com o monolítico Palácio Antigo a Ala dos Grandes Dignatários do Novo Palácio apresenta um toque mais decorativo para significar seu status de residência papal. Cortesia de Flickr user jean-louis Zimmermann (CC BY 2.0)
Em contraste com o monolítico Palácio Antigo a Ala dos Grandes Dignatários do Novo Palácio apresenta um toque mais decorativo para significar seu status de residência papal. Cortesia de Flickr user jean-louis Zimmermann (CC BY 2.0)

Ao contrário do sombrio e sem adornos "Palácio Antigo", o novo Palácio não poupou com embelezamento ou grandeza. O primeiro projeto de De Louvres foi o Grand Audience Hall, uma câmara de 52 metros de comprimento no andar térreo da nova Grande Chapelle (Grande Capela). A sala é coroada com abóbadas góticas pontiagudas e adornada com um afresco do pintor italiano Matteo Giovanetti, que pintou uma composição de 20 figuras do Antigo Testamento para a soma considerável de 600 Florins. Acima do Salão da Audiência estava a própria Grande Capela, que, com 52 metros por 15 metros, era mais que o dobro do tamanho do original construído sob Bento XII. Com a adição da Ala dos Grandes Dignatários -que abrigava os escritórios dos notários e funcionários financeiros- a oeste, as duas alas do Novo Palácio e os aposentos papais do Palácio Antigo definiam um segundo pátio maior. [10, 11]

Limitada pelos apartamentos papais e as duas alas do Novo Palácio, a Cour d'Honneur é substancialmente maior do que o pátio definido pelos claustros do Palácio Antigo. ImagePhoto por Jean-Marc Rosier. Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0)
Limitada pelos apartamentos papais e as duas alas do Novo Palácio, a Cour d'Honneur é substancialmente maior do que o pátio definido pelos claustros do Palácio Antigo. ImagePhoto por Jean-Marc Rosier. Foto por Jean-Marc Rosier; cortesia de Wikimedia user Ampon (CC BY-SA 3.0)

Na época da morte de Clemente VI em 1352, o Palais des Papes estava essencialmente completo. Apenas 25 anos depois, o papado finalmente retornou a Roma; Após a Grande Cisma do final do século XIV e início do XV, o palácio foi posteriormente ocupado por Legados e Vice-Legados até a Revolução Francesa no final do século XVIII. No próximo século, o então prestigiado Palácio, foi colocado em uso como um quartel, papel que desempenharia até 1906, quando foi aberto ao público. Desde então, a antiga casa do papado de Avignon tem sofrido significativa restauros e reparos para preservar a sua arquitetura de séculos para a apreciação dos milhares de visitantes que se reúnem nele todos os anos. [12,13] Embora os papas que construíram o Palácio e deram-lhe propósito tenham desocupado a estrutura séculos atrás, suas torres imponentes e grandiosos salões góticos permanecem como uma lembrança silenciosa de um período na história europeia e cristã, que de outra forma seria muito fácil de esquecer.

Um desenho do século XV de Avignon por Étienne Matellange; O Palais des Papes domina o horizonte no canto superior direito. Cortesia de Wikimedia user Aa77zz (Domínio Público)
Um desenho do século XV de Avignon por Étienne Matellange; O Palais des Papes domina o horizonte no canto superior direito. Cortesia de Wikimedia user Aa77zz (Domínio Público)

Referências
[1] Gagnière, Sylvain. Palais des Papes d'Avignon. Paris: Caisse National des Monuments Historiques, 1965. p7-8.
[2] Renouard, Yves. The Avignon Papacy: 1305-1403. London: Faber & Faber, 1970. p20-36.
[3] Renouard, p40-41.
[4] Gagnière, p16-17.
[5] "The biggest Gothic palace in the world." Palais des Papes - Avignon. Accessed February 26, 2017. [link].
[6] Gagnière, p19-21.
[7] Colombe, Gabriel. Le Palais des Papes d'Avignon. Paris: Société Française d'Archéologie, 1939.
[8] Colombe, p10-55.
[9] “The biggest Gothic palace in the world.”
[10] Gagnière, p67-99.
[11] “The biggest Gothic palace in the world.”
[12] "The Popes' Palace of Avignon." Avignon et Provence. Accessed February 26, 2017. [link].
[13] “The biggest Gothic palace in the world.”

Sobre este escritório
Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Palais des Papes / Pierre Poisson e Jean de Louvres" [AD Classics: Palais des Papes / Pierre Poisson & Jean de Louvres] 22 Mar 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/867666/classicos-da-arquitetura-palais-des-papes-pierre-poisson-e-jean-de-louvres> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.