O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Edições AR: Revisando os 120 anos da revista The Architectural Review

Edições AR: Revisando os 120 anos da revista The Architectural Review

  • 14:00 - 4 Março, 2017
  • por Christine Murray
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Edições AR: Revisando os 120 anos da revista The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review

ArchDaily continua a parceria com a revista The Architectural Review, trazendo introduções curtas aos temas das edições mensais da publicação. Nesta introdução à edição de dezembro - janeiro 2017 - comemoração do 120° aniversário da revista - a editora Christine Murray discute o legado desta, que vem há mais de um século, sendo uma das revistas de arquitetura mais respeitadas e aguarda, com expectativa, o futuro da publicação. "Olhando para a frente, estamos empenhados em fazer as coisas de maneira diferente - o que, paradoxalmente, é o que sempre fizemos", explica ela.

O arquivo da The Architectural Review é uma grande caixa de curiosidades - uma cacofonia de vozes, estilos, ilustrações e fotografias, ultrajes e encantos, personalidades e tendências, polêmicas, falhas e fetiches. Ao criar esta edição de aniversário, comemorando os 120 anos de crítica, queríamos capturar a diversidade e excentricidade dessa conversa arquitetônica. Como tal, o conteúdo do arquivo é organizado não cronologicamente, mas em temas perenes que ecoaram e evoluíram ao longo das décadas, da tecnologia à educação - forças que moldaram a profissão.

Cortesia de The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review

Cada capítulo temático é prefaciado com um pedaço de escrita recentemente comissionado que explora o significado dessas preocupações arquitetônicas que têm cativado os nossos leitores por mais de um século. Enquanto o ensaio principal olha para o futuro, considerando o papel da crítica arquitetônica em uma era pós-verdade, a história completa da The Architectural Review é fornecida no coração da edição especial.

É nosso privilégio agir, não apenas como guardiões deste grande arquivo e seus tesouros, que não podem ser todos reproduzidos aqui, mas também como agentes de mudança trazendo as tradições desta marca histórica para novos públicos e novos futuros. Esperamos que esta seleção eclética aguce seu apetite. Continuaremos compartilhando o material de arquivo inspirador e as provocações contemporâneas que ele suscita como forma de celebrar o nosso 120º ano.

A AR do futuro será baseada na inteligência artificial, entregue em um fone de ouvido ou consumida como uma droga psicodélica que induz a criatividade instantânea, enquanto implanta na mente mil estudos precedentes do arquivo? É vertiginoso contemplar os próximos 120 anos. Por ora, estou preocupada com as oportunidades e os desafios atuais. Há a emoção de um público que se estende por seis gerações, todos com seus gostos, políticas e apetites diferentes - o mais jovem, com menos de 24 anos, nos surpreendeu por ser deliciosamente apaixonado pela impressão.

Cortesia de The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review

Estamos entusiasmados, também, com os novos brinquedos criativos - filmes, palestras, podcasts - enquanto saboreamos o sentido do evento e do ofício no centro de tudo o que fazemos: fazendo a curadoria da nossa matriz de colaboradores globais; edição de vozes diferentes; destilando a arte de fotógrafos e cineastas; concentrando o site e seu instante e infinidade; e, é claro, fazendo a própria revista - a montagem cuidadosa de cada página, cada frase e trabalhando com a nossa impressão para conseguir a mistura de papéis, perfurações, fieiras e porta-fechos inseridos manualmente.

Quanto aos desafios, eles estão enraizados nesta preocupante era pós-verdade, em que muitos arquitetos não conseguem reconhecer a diferença entre um artigo escrito independentemente por um crítico que visitou o edifício e um comunicado de imprensa - uma distância que deve ser tão óbvia como o fosso entre a realidade e render. Mas alguns não se importam. Como Narcísio, preferem a fantasia filtrada do espelho digital - céus azuis acima de uma arquitetura desinfectada em que os jovens de 12 anos voam pipas em propriedades empresariais privadas, enquanto no mundo real, varrido pelo vento, os adolescentes de 12 anos olham apenas para seus telefones celulares.

Enquanto isso, aqui na AR, estamos tão velhos que estamos nos tornando novos - reencarnados e escorregadios como um bebê molhado em uma teia de resistência, comprometidos em fazer as coisas de maneira diferente o que, paradoxalmente, é também como sempre foram feitas. Estamos empenhados em um jornalismo mais lento - esculpir o espaço para as ideias desabrocharem. Nós existimos para os leitores que se sentem insatisfeitos, de pé contra o vazio das imagens na internet. Queremos que você faça uma pausa para a reflexão, para saciar sua sede de algum significado, um vislumbre de iluminação, uma ideia sobre a qual colocar uma pedra.

Cortesia de The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review

Criatividade leva tempo, requer nutrição. Mas no futuro pós-humano é a habilidade mais valiosa que os arquitetos deixaram - para unir passado, presente e futuro e cuidar de contextos sociais complexos. Enquanto a inteligência artificial pode aprender a projetar edifícios para um local, não pode tomar decisões morais, prever o futuro ou tocar jazz; Falta-lhe empatia e compreensão complexa. Enquanto a firmeza, comodidade e prazer podem ser reduzidos a um algoritmo, a arquitetura que atende pessoas e um lugar por 100 anos não pode.

Para aumentar a criatividade de nosso público, precisamos comissionar escritores empáticos que passam mais de 15 minutos em um prédio e podem contar a história do seu contexto, fotógrafos documentários que sabem capturar a realidade, cineastas que podem criar uma rica e pensativa experiência convincente - precisamos criar uma arena considerada para viagens de descobertas e mudanças, bem como eventos que nos unem para desafiar pontos de vista tradicionais e falar sobre as questões que são importantes para você. O bom jornalismo é honesto, não neutro, e os arquitetos precisam de uma voz criticamente independente para considerar o impacto do que construímos, além da estética.

No próximo ano, estamos planejando edições especiais, salões e documentários que enfrentarão alguns dos problemas mais urgentes do nosso tempo e como a arquitetura pode enfrentá-los: a água e a falta ou excesso dela; a sociedade pós-digital e pós-humana; ofício e prazer. Nós só podemos fazer isso com o apoio contínuo dos assinantes que investem em nosso trabalho e garantem o nosso futuro. Sou grata a vocês, uma tribo global que compartilha nossa crença na importância do pensamento crítico para estimular a arquitetura futura. Vocês resistem com a gente.

Cortesia de The Architectural Review
Cortesia de The Architectural Review

Sobre a capa

Insatisfeitos com a musa da arquitetura retratada na capa da primeira edição da The Architectural Review - a mãe de todas as artes pré-rafaelitas que segurava um pequeno castelo decorativo em suas mãos (à direita) - desejamos uma nova musa para o futuro da RA. Nossa primeira capa foi, afinal, uma retomada da musa clássica, tipicamente pintada escravizando desenhos e segurando um pequeno Parthenon. Para esta 120ª edição, buscamos a inspiração fresca e tributo à deusa Kali, com toda a sua complexidade: mãe da criação e da destruição, guerreira, protetora e libertadora das almas, com a permanência para sobreviver ao universo. A escuridão da Mãe Kali é a escuridão de onde tudo nasceu, uma mãe não das artes, mas da natureza - apropriada porque a arquitetura é parte da natureza, já que brota do instinto humano de construir, assim como um pássaro constrói seu ninho e uma aranha sua teia. Como assassino do ego humano, que deve ser destruído para atingir moksha, colocamos uma guirlanda dos starchitects em volta do pescoço de Kali para libertar a profissão de sua vaidade terrena e nos concentrarmos em sua responsabilidade social além de uma única vida. Nas mãos de Kali não colocamos um estilo de arquitetura, mas um arsenal de antecedentes, cada um representando o poder de nossos precedentes arquitetônicos. Ilustrada pelo estúdio criativo mexicano Skinpop, esta poderosa interpretação é uma provocação para a profissão que virá.

Assine a Architectural Review aqui, ou compre a edição de Dezembro - Janeiro 2017 aqui.

Sobre este autor
Christine Murray
Autor
Cita: Murray, Christine. "Edições AR: Revisando os 120 anos da revista The Architectural Review" [AR Issues: Looking Back on 120 Years of The Architectural Review] 04 Mar 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/806512/edicoes-ar-revisando-os-120-anos-da-revista-the-architectural-review> ISSN 0719-8906